Na mira da verdade

Leandro Quadros fala sobre sua conversão, seu programa de TV e o alcance da mensagem adventista

Diogo Cavalcanti e Eduardo Rueda

entrevista-leandro-quadros-RAFoi assim que Deus o encontrou: com cabelo comprido, uniforme de futebol (depois do jogo) e chuteiras. Um jovem de 18 anos chamado Leandro Soares de Quadros parou em frente a uma igreja adventista e sentiu vontade de entrar. “Em 1996, eu voltava de um treino de futebol quando, ao parar em frente a uma igreja adventista, senti uma vontade enorme de entrar. Pensei: ‘Não posso ir a essa igreja do jeito que estou – de bermuda, chuteira, camiseta e cabelo comprido pelo ombro. Vou embora.’ Ao dar dois passos, veio uma voz na minha mente dizendo: ‘Se você não entrar na igreja hoje, irá se arrepender depois.’ Isso me assustou, e decidi ser obediente.”, relata.

Na Igreja Adventista de Palmeira das Missões, Leandro sentou-se no penúltimo banco e, apesar de ser extremamente tímido, atendeu ao apelo e foi à frente, aceitando a Cristo como seu Salvador pessoal. Estudou a Bíblia por três meses e foi batizado. “No início daquele ‘primeiro amor’, estudei a Bíblia por 20 horas seguidas, a ponto de minha mãe pensar que eu estava virando um fanático”, conta. “Hoje, ela e eu sabemos que Deus estava dando início ao meu preparo para o tipo de trabalho que realizo.”

Hoje, com 35 anos, aquele que era um jovem tímido de Palmeiras das Missões, RS, apresenta, ao lado de Tito Rocha, um dos programas de maior audiência na TV Novo Tempo: Na Mira da Verdade. O programa tem uma proposta simples, mas ousada: responder ao vivo a perguntas sobre Deus, Bíblia, religiões, doutrinas e fatos atuais relacionados. A receita tem dado certo: em cinco anos no ar, o programa levou mais de 95 mil pessoas a pedir estudos bíblicos.

Leandro é formado em jornalismo, pós-graduado em jornalismo científico e mestrando em teologia pela Universidade Adventista Del Plata, na Argentina. É casado com a bióloga Nayara Quadros e pai-coruja da pequena Yasmin. Além de futebol e leitura, um de seus hobbies é marcar Bíblias. Uma de suas maiores alegrias foi ver o batismo surpresa de seu pai, João Martins de Quadros, ao vivo no programa. Produtor e apresentador do Na Mira da Verdade, Leandro também apresenta o programa Lições da Bíblia, da rádio Novo Tempo. Nesta entrevista, ele fala sobre seu trabalho, sua vida pessoal e outros assuntos.

Como surgiu o programa Na Mira da Verdade?

O Na Mira nasceu da vontade de meu amigo Tito Rocha de ter na grade da TV Novo Tempo um programa de estudo da Bíblia. Quando o pastor Odailson Fonseca, então diretor da TV, chegou à Novo Tempo, ele também tinha o desejo de colocar algo novo na programação. Quando me viu citar de memória algumas referências bíblicas em um culto na emissora, ele me convidou para apresentar um programa ao vivo de respostas a dúvidas bíblicas. Aceitei e, pela graça de Deus, no dia 25 de março de 2009, o programa foi ao ar.

Assistindo ao programa, é inevitável admirar sua capacidade de memorizar textos bíblicos. Qual é o segredo de uma memória assim?

Minha memória é o resultado de uma oração. Quando aceitei a Jesus como meu Salvador, passei a dar estudos bíblicos e senti que precisava saber onde estavam certas passagens para comprovar minhas crenças. Foi então que fiz uma oração, na qual pedi: “Senhor, ajuda-me a memorizar alguns textos da Bíblia para que eu possa ensinar às pessoas.” Após aquela prece despretensiosa, Deus me deu, de presente, minha memória, que é uma grande ferramenta para o tipo de programa que apresento – ao vivo.

Qual foi a pergunta mais difícil que lhe fizeram?

Certa vez, alguém me perguntou: “Se Deus já sabe quem se perderá e quem será salvo, por que Ele continua a ir atrás do pecador? Não seria isso perda de tempo?” Expliquei que a onipotência de Deus não é limitada por Sua onisciência. Mesmo sendo onisciente, o Senhor continua a buscar o pecador, porque é também onipotente, e, assim, Ele pode mudar o curso da história, se o pecador o permitir. Recordo-me de ter deixado alguns textos para os telespectadores, entre eles: 1 Timóteo 2:4, Ezequiel 33:11 e Apocalipse 22:17.

E a pergunta mais estranha, qual foi?

“Adão tinha umbigo?” Para mim, essa foi a pergunta mais estranha no programa. Eu brinquei com o telespectador e respondi: “Creio que não, porque a mãe de Adão (a Terra) não tinha útero. E, se ela não tem útero, Adão não poderia ter cordão umbilical, nem umbigo!”

Quais foram as histórias de conversão, por meio do Na Mira da Verdade, que mais o impressionaram?

Graças ao Espírito Santo, histórias marcantes de pessoas que aceitaram a Cristo e a mensagem adventista são rotina na Novo Tempo. Algumas, por exemplo, abandonaram a maçonaria por causa do programa; outras deixaram a liderança de suas igrejas para se tornar adventistas. De forma especial, lembro-me da história de um senhor, ex-membro de uma denominação religiosa, que batia na esposa todas as vezes que chegava bêbado em casa. Certa noite, foi para casa embriagado e ligou a TV no momento exato em que o Na Mira da Verdade era veiculado. Mesmo não estando sóbrio, ele anotou, com dificuldade, os textos bíblicos que eram citados para depois conferir na Bíblia. Isso se tornou parte de sua rotina, até o dia em que foi batizado na Igreja Adventista e pôde ouvir da esposa: “Deus me deu o melhor marido do mundo!” Uma transformação tão radical como essa só pode vir pelo poder da Palavra de Deus! Não há outra explicação.

Seu programa tem alcançado céticos. Essas pessoas também têm fome da Palavra de Deus e buscam um referencial?

Há alguns ateus que estão estudando a Bíblia por causa do programa. Um dia desses, um cético me escreveu, dizendo: “Olha, não creio em Deus e não gosto de religião alguma. Porém, no horário do programa, não recebo nem visitas em minha casa.” Se mostrarmos aos ateus a relevância da Bíblia para a vida deles e evidenciarmos que a fé não é cega, eles se sentirão atraídos para a Palavra de Deus.

Podemos dizer que nossas crenças mais “adventistas”, como o sábado, o santuário e a volta de Jesus, também atraem as pessoas?

Com certeza! O problema não está em nossa mensagem, mas na maneira pela qual ela é apresentada. Se nossas palavras forem “agradáveis” e “temperadas com sal” (Cl 4:6), podemos dizer tudo o que Deus quer que digamos, e as pessoas sinceras não se sentirão ofendidas. O mundo odeia “enrolação” e clama por cristãos transparentes, que digam a verdade com amor, firmeza e clareza. Se mostrarmos que o centro de nossas crenças distintivas é Cristo e que tais doutrinas são relevantes, podemos falar sem medo, com a certeza de que as pessoas tomarão a decisão certa, no momento certo.

Você crê que o título “o povo da Bíblia” ainda pode ser aplicado aos adventistas?

Temos tudo para ser o povo da Bíblia, mas, como pessoas (não como denominação), não somos mais. A igreja possui ótimos materiais de estudo das Escrituras, obras apologéticas e, principalmente, a maior parte dos livros de Ellen White traduzida para a língua portuguesa. Porém, nosso povo pouco lê essas obras e se contenta com um estudo existencialista da Bíblia, em vez de se aprofundar no estudo doutrinário. Também percebo que perdemos nosso título de “o povo da Bíblia” pelo nível das perguntas que recebo nas igrejas por onde passo, nos fins de semana. As pessoas querem saber mais sobre o que podem e o que não podem fazer do que compreender a mensagem bíblica por trás dos textos de difícil interpretação, por exemplo. Para mim, isso evidencia que o estudo da Bíblia tem sido um pouco superficial.

Em sua opinião, é importante que todo cristão saiba defender sua fé, com base nas Sagradas Escrituras?

Creio ser fundamental que todo cristão seja capaz de defender sua fé, ainda mais na sociedade pós-moderna e questionadora de nossos dias. Se Jesus, em Mateus 24:24, advertiu que surgiriam tantos falsos profetas a ponto de “enganar, se possível, os próprios eleitos”, é de vital importância que o cristão consiga dar respostas a tais ensinadores falsos, para seu próprio bem e para o bem das pessoas, especialmente daquelas que são mais propensas a ser levadas por “todo vento de doutrina” (Ef 4:14). Textos como 1 Pedro 3:15, 2 Timóteo 2:15, Tito 1:9, 10 e Colossenses 4:5, 6 nos mostram quanto Deus considera importante que Seus filhos saibam defender as razões de sua fé.

Diogo Cavalcanti e Eduardo Rueda são editores na Casa Publicadora Brasileira

Check Also

A-privatização-da-fé-slider

A privatização da fé

Entenda por que ela foi confinada à vida particular e de que maneira pode voltar a exercer maior relevância na esfera pública.