Novo de novo

Ao ver a vida pela perspectiva de Deus, distinguimos potencial e propósito nas coisas mais improváveis.
Foto: Lightsotck
Foto: Lightsotck

Se você gosta de carros (e mesmo que não goste tanto), imagine que tenha um Fusca ano 1959, o primeiro fabricado no Brasil. Em condições normais, após várias décadas de uso, como você imagina que esse carro estaria hoje? Isso mesmo: “detonado”, caindo aos pedaços! Porém, suponhamos que, cansado do velho fusquinha, você resolva vendê-lo para um colecionador de carros antigos. Então, o novo proprietário decide dar um trato em seu novo brinquedo. Manda um especialista fazer o motor, troca os bancos, o painel, o volante, os demais acessórios, e, por fim, resolve restaurar a lataria com um tom perolado. E agora, como está o “possante”? “Novinho em folha”, você diz. Mas pense: o carro não é velho, com mais de meio século de fabricação? Como pode, então, ser chamado de “novo”?

Esse dilema só ocorre pela limitação da nossa língua, que, muitas vezes, utiliza o mesmo termo para definir conceitos com nuances diferentes. No grego, a língua em que foi escrito o Novo Testamento, há duas palavras que expressam a ideia de novidade: os e kainós. A primeira refere-se ao novo em termos de idade, de tempo, e caracteriza aquilo que foi recém-criado. Já kainós define o novo em termos de estado, qualidade, e descreve aquilo que foi renovado, restaurado ou melhorado. No caso do Fusca da história, podemos dizer que, embora não seja néos, ele é kainós, após a restauração.

Na Bíblia, encontramos numerosas vezes esses adjetivos gregos. Quando Jesus declarou ter trazido um novo (kainós) mandamento com base no amor (João 13:34), deu a ideia de um mandamento que já existia (Levítico 19:18), mas que foi ampliado por ele. A “nova criatura” que nos tornamos ao receber a Cristo e a “nova Terra”, mencionadas por Paulo e João (2 Coríntios 5:17; Apocalipse 21:1), também recebem o qualificativo kainós. Assim como Deus não precisou destruir sua lei para renová-la, nem destruirá nosso planeta para recriá-lo, ele é capaz também de nos dar uma nova vida, embora continuemos neste velho corpo (2 Coríntios 4:16).

Começamos mais um ano. Ao ver “2015” na tela do celular, temos a ilusão de que tudo mudou, mas basta olhar para as pessoas e as coisas ao nosso redor para perceber que não é bem assim. Nem tudo é tão novo como parece. Continuamos com os problemas, doenças e desafios de sempre. Então, o que há de novo no ano novo? Bem, isso depende de você.

Às vezes, gastamos tempo demais preocupados em mudar de casa, de carro, de emprego ou em renovar o guarda-roupa, enquanto a verdadeira mudança está em renovar nossa mente (Romanos 12:2). Quando permitimos que o Espírito Santo nos mude, por meio da comunhão e da Palavra de Deus, passamos a enxergar o nosso cotidiano com outro olhar. Paisagens monótonas se tornam vivas e sonhos enferrujados ganham novo brilho. O casamento desgastado volta a ter as cores do amor e a rotina entediante passa a ter sentido. Tudo se torna kainós! Pela fé, podemos ver em cada obstáculo uma oportunidade.

Neste ano, o Senhor nos convida a fazer um acordo: entregar a ele nossa mente contaminada pelo egoísmo, pelo orgulho e pelo pecado, e nosso olhar viciado pelas coisas deste mundo, e receber em troca a habilidade de ver a vida com os olhos de Deus.

Eduardo Rueda é editor associado na Casa Publicadora Brasileira

Veja também

Vida em outro planeta

Nossa morada definitiva será em algum lugar distante de todo barulho que se faz aqui deste lado do Universo.

  • Maria Raimunda Mourão

    Está uma bênção! Bom é viver um novo dia sempre até o Advento quando tudo será renovado para sempre.