Observatório da Liberdade Religiosa é criado no Brasil

Atuação do Olir deve possibilitar avanços nas discussões sobre liberdade religiosa e influenciar a criação de políticas públicas mais efetivas na área
Observatório da Liberdade Religiosa (Olir) já existe em países como França, Itália e Portugal. Foto: ASN
Observatório da Liberdade Religiosa (Olir) já existe em países como França, Itália e Portugal. Foto: Jefferson Paradello/Equipe ASN

Brasília (DF) – Uma nova entidade criada no Brasil deve contribuir para que o país avance nas discussões sobre liberdade religiosa. Seguindo o exemplo de nações como França, Itália e Portugal, o Brasil passa a contar com um Observatório da Liberdade Religiosa (Olir). A atuação do Olir, com sede em Brasília (DF), deve possibilitar levantamentos e análises mais consistentes sobre o cenário brasileiro, incentivando a criação de políticas públicas efetivas de promoção da laicidade e combate à intolerância religiosa.

Para o presidente da entidade e vice-presidente da Comissão da Liberdade Religiosa da OAB/DF, Bernardo Pablo Sukiennik, o Olir vem preencher uma lacuna nessa área no contexto brasileiro, “pois não há como produzir conhecimento, com profundidade, sem informação”. Em entrevista publicada no Portal Adventista, ele considera que a garantia de liberdade religiosa é um fator preponderante para o desenvolvimento de um país, inclusive no campo econômico. “A História mostra que países os quais ofereceram liberdade religiosa conseguiram desenvolvimento econômico mais sustentável. Em parte, isso se explica porque restrições à liberdade e intolerância religiosa afastam investimentos estrangeiros. Além disso, jovens talentos podem sentir-se forçados a migrar para outros lugares mais tolerantes. Portanto, resumidamente, o respeito à diversidade religiosa é um dos elementos que geram inovação e crescimento econômico”, argumenta Sukiennik.

Para conferir a entrevista na íntegra, clique aqui. [Fonte: ASN]

Check Also

Premiada-na-Espanha

Premiada na Espanha

Universitária adventista foi uma das vencedoras do Prêmio Internacional sobre Incêndios Florestais.