Herói adventista

Adventista ajudou a salvar mais de 1000 pessoas dos campos de concentração nazistas

foto-Johan-Hendrik-Weider-heroi-adventista-que-salvou-mil-pessoas-do-nazismo-Adventist-Archives
Weidner foi homenageado pelos governos dos Estados Unidos, da Grã-Bretanha, Holanda, França e Bélgica pelos seus atos heróicos. Fotos: Adventist Archives

Durante a semana, veículos de comunicação e canais de TV têm feito menção sobre os 70 anos da libertação de Auschwitz, o maior campo de extermínio utilizado pelos nazistas, completados na terça-feira (27). Apesar das inúmeras atrocidades executadas no período, houve pessoas que decidiram arriscar suas vidas em vez de aceitar as ideias e ações baseadas na supremacia racial defendida por Adolf Hitler. Entre essas pessoas, um adventista do sétimo dia é considerado um dos grandes heróis da Segunda Guerra Mundial.

Filho de pais holandeses, mas crescido na França, Johan Hendrik Weidner foi o arquiteto da “Dutch-Paris”, uma rede secreta responsável por resgatar mais de mil pessoas – a maioria delas judias – do Holocausto. Rotas subterrâneas, que saíam da Holanda, através da Bélgica e França, em direção à Suíça ou através de Andorra e Espanha, foram indicadas por Weidner, que também recrutou agentes para auxiliar os fugitivos.

Indicado como um dos homens mais procurados pela Gestapo – polícia que atuava contra opositores ao regime nazista – chegou a ser capturado e torturado, mas libertado após interrogatórios sem sucesso. No entanto, outro membro de sua equipe acabou sendo preso e, sob tortura, revelou nomes de vários membros-chave da rede secreta (incluindo a irmã de Weidner, Gabrielle, que foi enviada ao campo de concentração de Ravensbrück, na Alemanha, onde faleceu devido a desnutrição e terríveis condições vividas no local).

Mais tarde, Weidner foi pego novamente e enviado em um trem, com outros homens para um campo de concentração. Durante a viagem, Weidner conseguiu pular do transporte e seguiu para a Suíça. Nos meses finais da guerra, Weidner combateu os alemães junto a um exército holandês.

Por conta de seus atos de heroísmo, Weidner foi homenageado pelos governos dos Estados Unidos, da Grã-Bretanha, Holanda, França e Bélgica. O governo israelense o honrou, colocando seu nome entre os heróis, no Livro de Ouro de Jerusalém, e veio a plantar uma árvore com seu nome na Colina da Recordação, em Yad Vashem.

A persistência de Weidner em seguir em frente, independente das consequências, veio de casa. Seu pai, também adventista, trabalhou como pastor da denominação na Suíça. Por conta de uma exigência do governo, que obrigou estudantes a frequentar a escola aos sábados, o pai de Weidner tentou dialogar sobre a observância do quarto mandamento. Irredutível, o governo puniu a família Weidner, enclausurando o pai todas as vezes em que o filho não ia a escola no sétimo dia. Dessa e de outras maneiras, Weidner absorveu a ideia de que, quando se tem uma convicção profunda, é preciso estar pronto para aceitar os resultados.

Questionado após a guerra quanto às razões de ter arriscado a vida por tantos desconhecidos, Weidner reafirmou sua convicção sobre o papel do cristão em relação aos seus semelhantes. “Durante nossas vidas, cada um de nós encara uma escolha: a de pensar apenas em nós mesmos, para obter o máximo que pudermos para nós, ou a de pensar acerca dos outros, para servir e de ser útil para aqueles que precisam. Eu acredito que é importante desenvolver nosso cérebro, nosso conhecimento, mas é mais importante desenvolver nossos corações, para ter o coração aberto ao sofrimento dos outros. Se eu for um herói, foi Deus quem me ajudou a cumprir a minha missão, meus deveres… Mas, para mim, eu sou apenas uma pessoa simples.  Durante a guerra, eu fiz o que eu acho que todo mundo deveria ter feito”, expressou.

John Weidner viveu até 1994 no Sul do estado da Califórnia. [Willian Vieira / Com informações do Adventist Archives e da Weidner Foundation]

Leia também
Data lembra os 70 anos da libertação do campo de concentração de Auschwitz

Check Also

A-privatização-da-fé-slider

A privatização da fé

Entenda por que ela foi confinada à vida particular e de que maneira pode voltar a exercer maior relevância na esfera pública.