Sistema Cantareira ao reverso

Do ponto de vista espiritual, continua existindo água em estoque para todos os sedentos deste mundo. E não é preciso pagar por ela
Foto: Mídia Ninja/Flickr
Foto: Mídia Ninja/Flickr

Há alguns dias, fiz uma conexão no aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, e senti na pele os efeitos do racionamento d’água que está afetando parte do estado. Precisei usar bem menos água do que habitualmente utilizo para escovar os dentes. Ela descia pela torneira com a mesma lentidão da internet no meu celular quando não consigo um sinal 3G. A situação está chegando a um ponto tão alarmante que, em entrevista para um telejornal da afiliada da rede Globo no estado, o presidente da Sabesp, Jerson Kelman, admitiu a possibilidade de esvaziamento do Sistema Cantareira em março deste ano. O sistema é responsável por abastecer 6,5 milhões de pessoas na Grande São Paulo.

Refletindo sobre a questão, não pude deixar de pensar no fato de que a Bíblia conta a história de um “Sistema Cantareira ao reverso”. Faço referência à história do encontro entre Jesus e a mulher samaritana, contada no evangelho de João. Parecia uma ida corriqueira ao poço. Ela não podia imaginar o que estava para acontecer. Seus pensamentos e o remorso de uma vida marcada por sucessivos fracassos familiares devem tê-la deixado tão absorta que mal se deu conta do estranho forasteiro sentado junto à fonte (João 4:6). A narrativa deixa transparecer que ela já havia retirado água do poço quando se deparou com o pedido inusitado: “Dá-me de beber” (João 4:7). O texto expõe um misterioso paradoxo: aquele que tem tudo para dar, incrivelmente, pede; o criador das “fontes das águas” solicita um pouco de água para matar a sede.

Foi necessário que ele lhe aguçasse a curiosidade a fim que a mulher percebesse que o estranho misterioso tinha bênção maior para dar do que para receber: “Se conheceras o dom de Deus e quem é o que te pede: dá-me de beber, tu lhe pedirias, e ele te daria água viva” (João 4:10). Sua reação não poderia ser diferente: “Onde, pois, tens a água viva?” (João 4:11). Talvez por trás da pergunta estivesse o receio de que a soma em dinheiro devesse ser muito grande para obter esse tipo de água. Demorou um pouco até que ela compreendesse que se tratava de um convite estendido a toda a humanidade e em todas as épocas: “Todos vós, os que tendes sede, vinde às águas; e os que não tendes dinheiro, vinde, comprai e comei” (Isaías 55:1). Do ponto de vista espiritual, continua existindo água em estoque para todos os sedentos deste mundo. E não é preciso pagar por ela. É por isso que se chama Graça! Você tem experimentado dessa fonte?

Adenilton Tavares de Aguiar, mestre em Ciências da Religião, é professor de Grego e Novo Testamento na Faculdade de Teologia da Bahia

Check Also

Sociedade-Bíblica-do-Brasil-submete-versão-da-Nova-Almeida-Atualizada-à-avaliação-das-igrejas-slider

Sociedade Bíblica do Brasil submete versão da Nova Almeida Atualizada à avaliação das igrejas

Representantes de diversas denominações e organizações cristãs receberam exemplares do Novo Testamento, Salmos e Provérbios, primeiro fruto do trabalho que deverá ser concluído em 2018.

  • Rodrigo Gommes

    é realmente a mais maravilhosa dádiva!