Liderança espiritual

A tarefa do líder espiritual é mover as pessoas de onde elas estão para onde Deus quer que elas estejam
Foto: Fotolia
Foto: Fotolia
Boa parte das teorias de liderança são baseadas em pressupostos que muitas vezes são contrários à Bíblia, ou seja, deixam Deus de lado. Tanto os líderes seculares quanto os espirituais podem usar métodos e princípios semelhantes, mas há dimensões na liderança cristã que não estão presentes na liderança secular.

Se existe algo que pode revolucionar a liderança cristã moderna é a compreensão dos desígnios de Deus para o líder. A liderança espiritual não se restringe a pastores e missionários. É uma responsabilidade de todos os cristãos, os quais Deus quer usar para fazer diferença no mundo. Ser um líder espiritual é tão essencial no mercado de trabalho quanto na igreja.

A tarefa do líder espiritual é mover as pessoas de onde elas estão para onde Deus quer que elas estejam. Assim, o líder espiritual depende do Espírito Santo. “Procura dentre o povo homens capazes, tementes a Deus, homens de verdade, que aborreçam a avareza; põe-nos sobre eles por chefes de mil, chefes de cem, chefes de cinquenta e chefes de dez.” (Êxodo 18:21). Não existe um líder espiritual que tenha vencido por seus próprios esforços. Não por força nem por violência, mas pelo meu Espírito, diz o Senhor dos Exércitos.” (Zacarias 4:6).

Os líderes precisam da atuação do Espírito Santo na vida deles, mesmo que estejam envolvidos em tarefas aparentemente temporais. Levantar prédios, administrar pessoas, obter lucros financeiros, são tarefas espirituais, se o Espírito estiver envolvido. Sem a presença do Espírito de Deus você pode ser um líder, mas não será espiritual. Neste caso, não se diferenciará entre os homens de poder.

Deus é soberano sobre todos, mas aqueles que entregam sua vontade a ele serão moldados de acordo com seus propósitos. Deus não desperdiça o tempo das pessoas, não ignora sua dor, sua necessidade, sua limitação. Ele não traz apenas a cura, mas também o crescimento de toda experiência boa ou ruim. Todo relacionamento pode ser um instrumento de Deus para amadurecer o caráter de uma pessoa a se tornar um líder para Deus e Sua igreja. “Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o Seu propósito.” (Romanos 8:28). O Senhor forma o líder cristão por meio de crises e de experiências comuns da vida.

O líder cristão é uma pessoa que identificamos assim:

    • Pensa mais nas pessoas e na missão do que em si mesmo.
    • É assertivo, flexível e amigo.
    • É fonte de inspiração e forma novos líderes.
    • Treina seus liderados, é generoso, tem sentimento de grupo, é respeitoso e ético.
    • Sabe que o papel do líder é servir.
    • Apoia, motiva, avalia e corrige rotas.
    • Faz com que as pessoas sob seu comando gostem de executar o que ele propõe.
    • Na verdade, não tem subordinados, tem seguidores. Ele não dá ordens, mas todos fazem e realizam aquilo que ele aponta.
    • Transmite segurança e confiança. Ele inspira lealdade. É confidente, faz com que as pessoas se sintam à vontade para falar a verdade.
    • Transmite senso de justiça. Toma decisões justas. Não protege este ou aquele. É transparente.
    • Sua filosofia de vida e trabalho torna-se modelo. Um exemplo: se o expediente começa às 7h30 ele chega às 7h15.
    • Não precisa ser infalível. Mas precisa ter mais acertos do que erros.
    • Sabe que não consegue fazer tudo sozinho, mas não comanda pelo medo; as pessoas o seguem porque acreditam na sua visão.

Desenvolver esse tipo de liderança na família, na escola, na comunidade e na igreja, constitui um grande desafio. Podemos fazer a diferença na vida das pessoas, impactando a vida daqueles que lideramos, tornando-os mais semelhantes ao grande líder de nossa vida: Jesus Cristo.

Domingos José de Sousa é presidente da Igreja Adventista para o Estado de São Paulo

Leia também:

Procuram-se Liderados

Check Also

A-privatização-da-fé-slider

A privatização da fé

Entenda por que ela foi confinada à vida particular e de que maneira pode voltar a exercer maior relevância na esfera pública.