Rebanho de 44 milhões

Concílio desafia quase 700 pastores a olhar para além dos muros da igreja

Evento começou ontem na cidade de Águas de Lindoia, no interior paulista, e vai até o dia 5 de fevereiro
Foto: Lucas Rocha
Foto: Lucas Rocha
Na turística e pacata cidade de Águas de Lindoia, no interior paulista, 672 ministros que atuam nas igrejas, sedes administrativas e instituições do Estado de São Paulo (além de palestrantes internacionais) estão dedicando quatro dias para reflexão e planejamento. Eles estão sendo desafiados a inspirar e mobilizar uma igreja com 235 mil adventistas, que vive no estado mais rico e populoso do Brasil, a testemunhar para as 44 milhões de pessoas que moram em território paulista.

A proposta é simples, mas desafiadora. Sob o slogan “Desafio 1 + 1”, a ideia é que cada adventista esteja engajado em formar pelo menos um discípulo em 2015. Para tanto, não basta contar com a força institucional de oito sedes administrativas, duas clínicas de saúde, um hospital, uma fábrica de alimentos, uma editora e uma rede de rádios e TV. É preciso ter gente se envolvendo com gente.

Acreditar nesse efeito multiplicador do cristianismo, de ombro a ombro, é uma resposta, por exemplo, ao desafio da proporção numérica. Apesar de ser o estado brasileiro que concentra o maior número de adventistas no Brasil, São Paulo tem apenas um adventista para cada 187 habitantes. Para mudar isso, talvez seja necessário que cada membro se enxergue como um missionário no seu contexto e cada pastor entenda seu papel apostólico.

Nesse sentido, a primeira mudança de visão tem que ver com a compreensão de que cada adventista é um ministro – não que precise ser remunerado ou ter formação teológica, mas estar engajado no serviço ao próximo e no consequente testemunho bondoso sobre Cristo. Complementar a essa redescoberta está a de que os pastores devem dedicar boa parte de seu tempo e esforços na abertura de novas frentes de trabalho e no treinamento e mobilização da igreja para a missão.

Essa foi a tônica das duas primeiras plenárias do evento. Na fala de abertura, dirigida pelo líder dos adventistas no Estado de São Paulo, pastor Domingos Sousa, o apelo foi para que haja envolvimento individual na salvação de outros. Ele enfatizou, na noite de ontem, que a igreja é igreja quando se reúne sábado de manhã para cultuar sob o mesmo teto, mas é igreja ao longo da semana, quando seus membros se conectam intencionalmente com pessoas que desejam abençoar.

Na palestra do Dr. Ángel Manuel Rodriguez, pastor aposentado e ex-diretor do Instituto de Pesquisas Bíblicas da sede mundial, o recado foi que a autoridade e o poder da igreja não residem apenas sobre seus líderes e pastores, mas sobre todos os membros. Em sua apresentação hoje pela manhã, o teólogo latino-americano disse que a legitimidade e eficácia das ações da igreja não têm como base a habilidade humana, mas o poder inerente à missão que foi delegada por Cristo aos seus seguidores.

Os momentos devocionais do encontro estão sendo dirigidos pelo pastor Alejandro Bullón, que tem refletido sobre o ministério do apóstolo Paulo. Os vídeos promocionais do programa eclesiástico deste ano, roteirizados na linguagem de story-telling, podem ser acessados na internet (para visualizá-los, clique aqui). Além de palestras, os pastores estão tendo a oportunidade de acompanhar seminários com temáticas específicas, de acordo com sua preferência; participar de reuniões de planejamento e de aproveitar a estrutura do hotel para aliviar o estresse com atividades físicas diárias. Encontros dessa natureza, em nível estadual, são realizados apenas a cada cinco anos. O concílio deste ano começou ontem e vai até quinta-feira, dia 5. [Wendel Lima, equipe RA]

Veja também:

Check Also

A-privatização-da-fé-slider

A privatização da fé

Entenda por que ela foi confinada à vida particular e de que maneira pode voltar a exercer maior relevância na esfera pública.