Mexa-se

Especialistas discutem contribuições da educação física para a vida saudável
Em nosso século tecnológico, que incentiva a inatividade, o exercício se torna primordial. Assunto foi discutido em congresso que aconteceu no Unasp, campus São Paulo. Foto: Wilson Azevedo
Em nosso século tecnológico, que incentiva a inatividade, o exercício se torna primordial. Assunto foi discutido em congresso que aconteceu no Unasp, campus São Paulo. Foto: Wilson Azevedo
O sedentarismo é um vilão muito mais perigoso do que a obesidade. É o que revelou um estudo feito pela Universidade de Cambrigde, na Inglaterra, publicado no mês de janeiro pelo periódico científico American Journal of Clinical Nutrition. Os pesquisadores constataram que a falta de exercícios físicos é responsável pela morte de 676 mil pessoas ao ano, contra 337 mil óbitos em decorrência do excesso de peso. A pesquisa mostrou também que uma simples caminhada de 20 minutos por dia pode reduzir em até 30% o perigo de morte prematura.

“Deus criou o ser humano para que ele se mexa, para que ele tenha movimento, porque isso traz vigor, força e condições de uma existência melhor”, enfatizou o doutor Don Morgan, do Departamento de Saúde e Performance Humana da Middle Tennessee State University. Morgan esteve na 3ª edição do Congresso Brasileiro Adventista de Educação Física, realizado nos dias 15 a 18 de janeiro no Unasp, campus São Paulo. O evento, que abordou as contribuições da educação física para a educação cristã e o viver saudável, reuniu profissionais adventistas de diferentes regiões do Brasil e de países como Chile e Estados Unidos.

Sobre os riscos do sedentarismo, Morgan considera que, por vivermos em um século com vantagens tecnológicas e hábitos que facilitam a inatividade, o exercício físico é o principal fator para favorecer o relacionamento com Deus e proporcionar o desenvolvimento pleno de uma criança.

Desempenho cognitivo

“Ellen White já destacava a importância de uma vida ativa”, reforçou o especialista. “Ela advertiu sobre a ociosidade ou inatividade como um risco para a saúde. A pessoa inativa está se debilitando física e espiritualmente. Para os cristãos, o corpo, a mente e o espírito estão conectados. Além disso, entendemos que um corpo saudável é parte da educação completa para a criança. Muitas pesquisas hoje confirmam que as crianças em melhor condição física têm melhor desempenho acadêmico. Isso mostra a conexão entre a atividade física e o aspecto cognitivo.”
O vínculo e a afinidade que o exercício da disciplina permite ao professor de educação física desenvolver com os alunos são apontados como elementos que ajudam as crianças a ter prazer na atividade física.

O psicólogo Belisário Marques explica que, por meio da educação física e da prática esportiva, é possível ajudar as crianças a exercitar o controle da vontade. Marques destaca que, na educação cristã, obedecer é exercer a escolha. “O objetivo da disciplina é ensinar à criança o governo de si mesma para evitar sofrimentos futuros”, afirmou.

Entre a diversidade de temas debatidos e analisados durante o congresso, o professor Leslie Portes apresentou um estudo sobre educação física, estilo de vida e saúde no contexto do grande conflito. Ao recordar as principais mensagens sobre saúde que Ellen White recebeu durante seu ministério, Portes defendeu o princípio de que o estilo de vida adventista é, antes de tudo, um dom para o ser humano.

“O exercício não é um fim em si mesmo; o objetivo é estar bem para entender a vontade de Deus e tomar a decisão certa”, enfatizou. “O estilo de vida é um meio para levar as pessoas para mais perto de Jesus.”

Murilo Pereira é jornalista

Check Also

Alunos do colégio internacional - primeira escola do Brasil

Há 120 anos no Brasil

Saiba como surgiu a rede educacional que hoje alcança 211 mil alunos no país.