Ateísmo sexual

Se os nossos dias são semelhantes aos dias de Noé, isso significa que estamos no tempo do fim

Ateismo-sexual-como-nos-dias-de-Noe

A Bíblia conta a dramática história do dilúvio. Algumas centenas de anos após a criação, a maldade humana já havia alcançado um limite insuportável. Não temos os detalhes do tipo de coisas praticadas por aqueles homens e mulheres. Mas Jesus nos dá uma pista: “do coração procedem maus desígnios, homicídios, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos, blasfêmias” (Mateus 15:19). Seguramente, esses atos estavam na lista de realizações daquela geração. O livro de Gênesis enfatiza que “continuamente era mau todo desígnio do seu coração” (Gênesis 6:5). Em outras palavras, a mente dessas pessoas estava ocupada com maus pensamentos todos os dias e o dia todo.

Em seu sermão profético, Jesus mencionou que “como foi nos dias de Noé, assim também será na vinda do Filho do Homem. Pois nos dias anteriores ao dilúvio, o povo vivia comendo e bebendo, casando e dando-se em casamento”. Essa afirmação enfatiza a orgia e a idolatria sexual que marcaram o mundo anterior ao dilúvio. Ele era imoral, corrupto e violento (Mateus 24:37-39; Gênesis 6:11,13). Alguma semelhança com o que vemos hoje?

O sucesso de bilheteria de produções cinematográficas como “50 tons de cinza” – só no Brasil, foram mais de 4 milhões espectadores – já diz muita coisa sobre a condição moral da sociedade contemporânea. Outro exemplo recente também foi o “carnaval”. No Brasil, milhares de pessoas foram às ruas durante os cinco dias de “folga”. Fazendo uma pesquisa rápida, a fim de obter algumas informações sobre o evento, encontrei uma frase atribuída a Vinícius de Moraes que diz: “Carnaval. A festa onde os tabus perdem força e as permissões tornam-se hiperbólicas”. Ele não poderia ter sido mais preciso em sua definição. Para se ter uma ideia, somente para o período do carnaval em 2015, o Ministério da Saúde repassou aos estados 70 milhões de camisinhas, conforme dados divulgados pelo Portal Brasil. Quanto gasto para os cofres públicos! E pensar que a prática da orientação encontrada em Êxodo 20:14 e Atos 15:20,29 evitaria tudo isso.

A mídia em geral, é claro, fez questão de cobrir todos os detalhes da festa. Era quase impossível ligar a televisão ou acessar a internet e não encontrar alguma menção à “alegria” e “glamour” dos shows, desfiles, trios elétricos, fantasias, etc. Ao mesmo tempo, ficamos impressionados com o fato de que a mesma mídia faz pouca menção dos problemas sociais decorrentes dos excessos: os inúmeros casos de gravidez indesejada, não raro provocados por estupros (cuja incidência aumenta consideravelmente nesse período), abortos, vidas arruinadas pelo alto consumo de drogas e as DSTs, sem falar nos gastos com vítimas de acidentes e as indenizações por morte ou invalidez por eles provocadas.

Ainda assim, o carnaval é apenas uma maquete de um problema muito maior. Ele representa a luxúria insaciável de uma geração, além de ser um dos reflexos de um mundo em que tudo é permitido. Afinal, se “as proibições” caem por terra nesse período, que argumentos temos contra a violência e a corrupção? O fato é que a sociedade contemporânea se tornou o cenário de um permanente carnaval, que será surpreendido pela segunda vinda de Jesus.

Porém, o que mais me assusta em todo esse quadro é o que alguns estão chamando de ateísmo sexual. Alguns cristãos têm afirmado que Deus pode dizer o que é certo ou errado em qualquer outro assunto, menos quando a questão é sexo. Uma pesquisa recente realizada pelo site Christian Mingle entrevistou cristãos solteiros na faixa etária de 18 a 56 anos, e revelou que 63% praticaram sexo antes do casamento. Esses cristãos vivem uma dicotomia entre identidade e atividade.

Uma vez que a igreja não concorda com essa posição atual sobre a sexualidade, ela não pode ficar em silêncio. É preciso tocar mais no assunto. Afinal, como disse Paulo, “Vai alta a noite, e vem chegando o dia. Deixemos, pois, as obras das trevas e revistamo-nos das armas da luz. Andemos dignamente, como em pleno dia, não em orgias e bebedices, não em impudicícias e dissoluções, não em contendas e ciúmes; mas revesti-vos do Senhor Jesus Cristo e nada disponhais para a carne no tocante às suas concupiscências” (Romanos 13:12-14). Se os nossos dias são semelhantes aos dias de Noé, isso significa que estamos no tempo do fim. Não podemos ser surpreendidos! [Foto: Fotolia]

NILTON AGUIAR, mestre em Ciências da Religião, é professor de grego e Novo Testamento na Faculdade Adventista da Bahia e está cursando o doutorado em Novo Testamento na Universidade Andrews (EUA)

LEIA TAMBÉM

Deus não está morto

Veja também

Fé mais profunda

Entenda por que, nas crises, nossa atitude determinará se seremos derrotados ou vencedores.