Evento homenageia pioneiros do criacionismo e apresenta novidades para 2015

Homenagens a pioneiros, lançamentos de livros e apresentação de nova série de TV marcaram Encontro de Criacionismo do Unasp, campus SP 

Ao longo de 60 anos, Orlando Ritter participou da formação de mais de mil pastores e de pelo menos 900 educadores. Sua história é relatada na autobiografia O professor: sessenta anos educando gerações, lançada durante o encontro. Foto: Márcio Tonetti
Ao longo de 60 anos, Ritter participou da formação de mais de 1000 pastores e de pelo menos 900 educadores. Sua história é relatada na autobiografia O professor: sessenta anos educando gerações, lançada durante o encontro. Foto: Márcio Tonetti
A primeira vez que o termo criacionismo teria sido usado no Brasil foi em 1950. Na época, o professor Orlando Rubem Ritter iniciava um trabalho pioneiro na educação adventista no país, lecionando a matéria de Geologia Criacionista no curso de Teologia do Instituto Adventista de Ensino (atual Unasp, campus São Paulo). “O que havia eram referências à criação. Mas foi a primeira vez que isso aconteceu como disciplina oficial”, conta Ritter, hoje com 90 anos e uma memória privilegiada. Na década de 1970, ele escreveu duas apostilas que se tornaram uma referência para o ensino do criacionismo bíblico na época.

Quase 50 anos depois, o material foi reeditado e transformado no livro Estudos em Ciência e Religião pela Sociedade Criacionista Brasileira (SCB). A obra foi lançada no último sábado, 7 de março, durante o Encontro de Criacionismo do Unasp, campus São Paulo. Por essas e outras contribuições, Ritter recebeu menção honrosa como um dos pioneiros do criacionismo no país, ao lado de outros homenageados, a exemplo do doutor Ruy Carlos de Camargo Vieira, fundador da SCB.

Pioneiros do criacionismo e nova geração de pesquisadores foram homenageados no evento. Foto: Márcio Tonetti
Pioneiros do criacionismo e nova geração de pesquisadores foram homenageados no evento. Foto: Márcio Tonetti
Além disso, cientistas de gerações mais recentes, como o pós-doutor em Espectromia de Massas e diretor executivo da Sociedade Brasileira do Design Inteligente, Marcos Eberlin, e o geólogo e doutor em Geotecnia pela USP, Nahor Neves de Souza Jr., também foram parabenizados pela relevância de suas pesquisas.

Novos tempos

Nas últimas décadas, o número de publicações fundamentadas na visão criacionista aumentou. “Em 1972, quando surgiu a Sociedade Criacionista Brasileira, a literatura na área era escassa. Uma das únicas obras era a de autoria de Frank Lewis Marsh, intitulada Estudos Sobre Criacionismo, e estava com a edição esgotada”, lembra Vieira.

Hoje, além do maior acervo impresso disponível, divulgações no formato audiovisual chegam para somar. É o caso do programa Origens, que entra na grade da TV Novo Tempo no dia 10 de abril, às 19h30. O teaser do programa foi apresentado pela primeira vez ao público durante o evento no Unasp. No formato documentário, cada episódio terá duração de 30 minutos e será veiculado todas as sextas-feiras.

Programa-origens-Novo-Tempo-2 A nova atração, que apresenta de maneira harmoniosa a fé e a ciência, é um dos maiores projetos da emissora na atualidade. A produção começou no segundo semestre de 2014 e traz entrevistas com pesquisadores de várias áreas e países. Entre as fontes consultadas estão cientistas como James Gibson, presidente do Instituto de Pesquisa em Geociências (GRI), e Timothy Standish, doutor em Genética e professor da Universidade de Loma Linda.

Programa-origens-Novo-Tempo-1 “O programa busca levar as pessoas a olhar novamente para o mundo natural. O planeta está repleto de monumentos no tempo e na história. Temos fósseis, camadas geológicas e muitas outras evidências que podem levar o espectador a refletir sobre a história do mundo e principalmente a respeito de qual o propósito da existência humana”, explica a produtora e apresentadora do Origens, Mariana Venturi.

Ela observa ainda que o programa tem a preocupação de discutir temas com profundidade, porém numa linguagem acessível aos diversos públicos. [Márcio Tonetti, equipe RA]

VEJA OUTRAS IMAGENS

SAIBA MAIS SOBRE OUTRAS NOVIDADES DA TV NOVO TEMPO PARA 2015

Veja também

Evangelismo público ganha força na Europa

Igreja está atuando em 4,3 mil pontos de pregação espalhados por oito países.