Feitos para outro mundo

Se descubro em mim um desejo que nenhuma experiência deste mundo pode satisfazer, a explicação mais provável é que fui criado para um outro mundo

Feitos-para-outro-mundo-artigo-coluna-site-RA-creditos-da-imagem-FotoliaO que leva uma pessoa a pensar que a vida faz sentido? Há muita gente que tem tudo o que se possa imaginar e, mesmo assim, continua procurando uma razão para viver. Por outro lado, ao longo da minha trajetória tenho conhecido pessoas que, apesar do convívio com a escassez, conseguem experimentar um tipo de paz interior que está além da experiência que a sociedade do consumo pode proporcionar.

No livro Em Busca de Sentido, o psiquiatra austríaco Viktor Frankl comenta que “a principal preocupação da pessoa humana não consiste em obter prazer ou evitar a dor, mas antes em ver sentido para sua vida”. A grande questão é que “o coração do homem tem um vazio do tamanho de Deus”, conforme expressou o escritor russo Fiódor Dostoiévski.

Pela visão cada vez mais ofuscada e distorcida da humanidade, muitos não sabem explicar o que é e de onde vem essa aspiração. A resposta está no fato de que Deus “pôs a eternidade no coração do homem” (Ec 3:11). Por isso, nenhuma condição terrena pode preencher um anseio que tem origem divina.

Após uma intensa reflexão sobre a sociedade de sua época e uma profunda autoanálise, Salomão chegou à conclusão de que toda busca para mitigar a sede da alma por meio das realizações humanas não passa de vaidade e “correr atrás do vento” (Ec 1:2, 14, 17; 2:11, 17, 26; 4:4, 6, 16; 6:9; 12:8).

O livro de Eclesiastes revela que “é desígnio de Deus que o ser humano compreenda que o mundo material não constitui a essência de sua existência. Ele está unido a dois mundos: fisicamente a este mundo, porém mental, espiritual e psicologicamente ao mundo eterno. Apesar da consciência obscurecida pelo pecado, o homem ainda parece ter percepção de que deveria continuar a viver para além dos estreitos limites desta vida insatisfatória” (Comentário Bíblico Adventista, Vol. 3, p. 1215).

Em outras palavras, nós devemos viver com os “pés na terra e os olhos no céu”. Afinal, como disse C. S. Lewis no livro Cristianismo Puro e Simples, “se descubro em mim um desejo que nenhuma experiência deste mundo pode satisfazer, a explicação mais provável é que fui criado para um outro mundo”. [Imagem: Fotolia]

ADENILTON TAVARES é mestre em Ciências da Religião e professor de grego e Novo Testamento na Faculdade de Teologia da Bahia

Check Also

TDAH - creditos Novo Tempo

Déficit de atenção

Saiba como lidar com o transtorno que afeta crianças e adultos.