O mal do século

Conheça dez passos que poderão ajudar você a lidar com a depressão

Fotolia_76193232_Subscription_XLO número de pessoas com depressão ­aumentou assustadoramente nos últimos anos. Até algum tempo atrás, ela estava restrita às classes abastadas da sociedade, mas hoje afeta todas as camadas sociais, graças a vários fatores: democratização no acesso a alimentos processados e refinados, anteriormente “privilégio” dos ricos; dissolução do núcleo familiar, desestabilizando relacionamentos e gerando conflitos inter e intrapessoais; demandas e expectativas da vida moderna, em que estresse constante, competição desenfreada e consumo compulsivo causam uma gama de emoções difíceis de gerenciar.

Complexo e multifacetado como é o tema, não posso discutir aqui condutas terapêuticas ou correntes teóricas e filosóficas sobre o trato com a depressão, nem sua efetividade. Mas desejo mostrar o que você pode fazer por si mesmo:

1. Desenvolva espírito de gratidão. A mente é sensível à informação nova. Hábitos de pensamento adequados podem ser ensinados ao cérebro. Expressando gratidão, fruto de inevitável esforço para enxergar lados luminosos da vida, você inibe o principal combustível para a depressão: os pensamentos negativos. Não é apenas na física que dois corpos não podem ocupar o mesmo espaço/tempo. Você não precisa sentir gratidão para racionalmente descobrir motivos para mostrar-se grato.

2. Perdoe. Todos. Inclusive você mesmo. O perdão não muda o que aconteceu. Porém, há um presente e um futuro a ser vividos. Mágoas, abusos, ofensas e decepções do passado devem permanecer lá. Vire a página. Como? Perdoando. Esse é o modo mais eficiente de seguir em frente. “Feche a conta” através do perdão, remova o fardo dos ombros e recomece de maneira leve um novo dia.

3. Respire profundamente. Se não sabe fazê-lo, aprenda. O oxigênio é excelente antidepressivo. É tão precioso que ninguém poderia pagar por ele e, assim, é de graça. Caminhe em um lugar que lhe dê prazer, que canse seus músculos, que distraia sua mente, que o “alimente” com belezas, harmonias e estímulos para viver.

4. Não tenha pena de si mesmo. Nada de autocompaixão. Não se vitimize. Você precisa de autoestima adequada. Atribua-se o valor que você tem. Para isso, é claro, conheça-se bem.

5. Não se leve tão a sério. Ria de seus eventuais erros, acertos e dificuldades. Eles perdem muito do peso se você olhar para eles com olhos bem-humorados. Encontre companheiros com quem possa fazer (e achar) graça.

6. Estabeleça metas realistas. Conquiste alvos e congratule-se pelas vitórias. Aprenda com os insucessos circunstanciais.

7. Evite o consumo de produtos nocivos ao equilíbrio mental. Entre eles estão cafeína, cereais processados, açúcar refinado e adoçantes artificiais. Eles fazem oscilar seu humor (em geral, para pior), pois desequilibram seus hormônios e o estoque dos nutrientes de que você mais precisa, especialmente vitaminas do complexo B.

8. Tenha um mentor ou conselheiro. Pode ser um amigo que ajude você sem causar dependência. Num grupo de apoio mútuo, focalize a palavra “mútuo”: seja bom ouvinte e ajude o outro. Os dois saem da escuridão, não importa quem esteja guiando.

9. Conte com ajuda profissional. Discuta todas as questões com seu médico ou psicólogo, inclusive este artigo. Ele pode sincronizar estas dicas com seu caso específico.

10. Não se esqueça de Deus. Embora nem sempre o entendamos, ele sempre nos entende. Ore, leia, medite, ouça sermões e música inspiradora. Além dos pensamentos, sentimentos e emoções, a mente possui um componente espiritual que busca a transcendência. [Imagem: Fotolia]

SILMAR CRISTO é médico, consultor e autor de vários livros sobre saúde e qualidade de vida

LEIA TAMBÉM

Doce veneno

Check Also

Na-ponta-do-lápis-slider

Fim de ano na ponta do lápis

Saiba como fazer um balanço do ano escolar e ajudar seu filho a ter melhor desempenho em 2017.