Escalado para Cristo

Ex-campeão da Champions League conta por que deixou os gramados e se tornou adventista
Por Márcio Tonetti
Ex-campeao-da-Champions-League-conta-por-que-trocou-carreira-esportiva-pela-igreja-2
Foto: arquivo pessoal / Facebook
Vanderlei Fernandes da Silva já experimentou o topo da carreira no futebol profissional. O ex-atacante, que passou por vários clubes brasileiros (Guarani, Vitória da Bahia, América de Natal e Madureira), fez sucesso no futebol europeu como titular das principais equipes de Portugal (FC Porto, Benfica e Sporting Clube). Ao longo dessa trajetória, já teve a oportunidade de levantar vários troféus, conquistando títulos como a Taça UEFA (2003), Champions League (2003-2004) e o Mundial Interclubes da FIFA (2004), além de ter sido eleito o melhor jogador de Portugal em 2003.

Sua importância para o futebol profissional é reconhecida por um dos maiores treinadores da atualidade. Em entrevista ao jornal português O Jogo, em janeiro de 2014, José Mourinho afirmou: “Há umas semanas recebi, em Londres, a visita do Derlei, e disse-lhe que tive muitos jogadores importantes na minha carreira, mas ele foi um dos mais importantes, porque foi com ele que saltei do (União) Leiria para o FC Porto”.

Ex-campeao-da-Champions-League-conta-por-que-trocou-carreira-esportiva-pela-igreja-3
Derlei conquistou a Champions League jogando pelo Porto, ao lado de craques como Deco. Foto: arquivo pessoal / Facebook
Derlei, como ainda é mais conhecido fora dos estádios, nasceu em uma família evangélica humilde na cidade de São Bernardo do Campo, no ABC paulista. Desde os 13 anos de idade, no entanto, ele começou a trocar as reuniões da igreja pelas partidas de futebol. Aos 11 já disputava campeonatos amadores. Nessa fase da vida, o que importava era conquistar o sonho de ser jogador profissional. E conseguiu chegar lá, saltando de clubes brasileiros para grandes times europeus.

Mas essa perspectiva mudou. Embora a religião não tivesse sido abandonada por completo durante sua trajetória no futebol profissional, foi nas terras geladas da Europa que a sua fé esquentou novamente.

Ex-campeao-da-Champions-League-conta-por-que-trocou-carreira-esportiva-pela-igreja-1
Jogador tem sido convidado para dar seu testemunho em várias igrejas. Foto: Márcio Tonetti
No auge da carreira, o antigo ídolo do Porto decidiu que trocaria os gramados pela igreja. Segundo ele, essa mudança de rumo foi influenciada em grande parte pelo testemunho de sua esposa. Casado com uma adventista, ele aceitou ser batizado em 2010, na Igreja Adventista de Riacho Grande, em São Bernardo do Campo.

Pai de três filhos, empresário do ramo imobiliário e agente desportivo, Derlei hoje costuma participar de programações em igrejas a fim de relatar sua história de conversão e dar conselhos especialmente aos jovens. Foi numa dessas ocasiões, enquanto participava de um evento para jovens na cidade de Tatuí (SP), que ele concedeu entrevista à Revista Adventista. Na conversa, o ex-atacante e ídolo do Porto analisa o mundo do futebol a partir de um olhar cristão, desconstrói mitos e conta como tem procurado testemunhar de sua fé entre figuras importantes do mundo esportivo.

 

De um garoto humilde você se tornou celebridade. Como lidou com a fama?

Os valores cristãos que meus pais ensinaram, como o respeito e a humildade, sempre foram o foco da minha vida. Creio que isso me ajudou a passar por essa fase sem extrapolar limites.

Muitas pessoas invejam a vida que alguns jogadores de futebol levam. Essa percepção é ilusória muitas vezes?

Existe um mundo de ilusão. O futebol é como a televisão, por exemplo, que vende sonhos. O que as pessoas veem é o show, que parece maravilhoso. No caso da televisão, quando você conhece os bastidores, percebe que muitas coisas são produzidas em estúdios, em cenários fictícios. Da mesma forma, não apenas o futebol, mas esse mundo glamuroso que é pintado para as pessoas comuns, é quase como um show, um teatro, que é vendido para os espectadores. Existem verdades e realidades, obviamente, mas também muita fantasia. As pessoas sonham com aquilo e acabam comprando esse sonho por meio de objetos, da mídia ou de qualquer outro meio que esteja acessível ao seu patamar de vida.

O futebol se tornou uma religião?

As pessoas idolatram o futebol e não se trata de um fenômeno novo. Desde os tempos dos impérios grego e romano, esse fascínio já podia ser visto no esporte. O problema é que isso tem ajudado a tirar o foco da verdadeira religião.

As pessoas ficam ainda mais suscetíveis dentro de um estádio de futebol?

Quando você entra em um estádio de futebol, assim como acontece quando alguém entra em uma igreja e começa a prestar atenção no que está sendo dito ali, a sua mente é envolvida e você começa a se sentir parte daquele universo. Não tem como permanecer neutro.

O discurso esportivo brasileiro está carregado de elementos religiosos. Isso pode ser visto nas entrevistas concedidas por jogadores, que costumam repetir expressões como “se Deus quiser” ou “graças a Deus”. O que explica essa relação?

A maioria dos atletas brasileiros vem de família humilde e tem origem cristã. Portanto, acho que a principal razão é de ordem cultural. Não acredito que esse “apego” à religião se deva ao fato de o futebol ser uma profissão de risco, como alguns afirmam. Mesmo porque na Europa, por exemplo, os jogadores raramente fazem referência ao nome de Deus.

Por que você trocou os gramados pela igreja?

Eu cresci em um lar cristão, frequentando a igreja Congregação Cristã do Brasil, e sempre tive muita fé em Deus. Mas, por volta dos 31 anos de idade, no topo da carreira, eu achava que minha vida não estava de acordo com esses princípios. Eu não era feliz, e cheguei à conclusão de que o que faltava era Deus. Foi em meio a essa busca pela real felicidade que passei a ter contato com a Igreja Adventista. Embora tivesse casado com uma adventista [sua esposa Rebeca foi batizada aos 9 anos de idade por influência dos avós, que eram membros da igreja], levou algum tempo para que eu visitasse a igreja dela. A primeira vez que isso aconteceu foi em Lisboa (Portugal). Quando coloquei os pés na Igreja Adventista pela primeira vez, senti algo totalmente diferente. Creio que era o Espírito Santo me impressionando para uma mudança de vida. Ao retornar para o Brasil, procurei conhecer mais sobre as doutrinas bíblicas. Um detalhe curioso é que, sem que minha esposa soubesse, passei a assistir aos cultos aos sábados. Ela só descobriu tempos depois, quando alguém veio mostrar uma foto publicada em um jornal adventista em que eu aparecia junto com os membros de uma igreja.

Você aconselharia seus filhos a seguir carreira no futebol?

Não. É incompatível com nossos princípios. Eu tenho um filho de 13 anos que já foi convidado para iniciar carreira profissional em grandes clubes, mas eu e minha esposa estamos sempre dizendo a ele que é impossível você servir a dois senhores. Não acredito que seja pecado jogar futebol. O problema é conciliar com as coisas de Deus. Há um contrato a ser seguido pelo atleta e isso implica jogar aos sábados, por exemplo. Mesmo que um clube aceite que você não trabalhe aos sábados, se cair um jogo nesse dia, seu pensamento ficará dividido entre a igreja e o que está acontecendo dentro de campo. É como você ir para a igreja deixando um filho doente em casa.

Embora não entre mais em campo como jogador, você passou a organizar jogos beneficentes com o intuito de apoiar projetos da igreja. Como isso acontece?

Temos realizado um jogo no fim do ano para arrecadar alimentos que são repassados ao projeto Mutirão de Natal. Estamos em busca de mais parceiros que possam ajudar nesse objetivo, expandindo o projeto. Naturalmente, a iniciativa tem um foco assistencial, mas também evangelístico. O objetivo principal é que essas pessoas tenham acesso ao evangelho. Fazemos isso entregando literatura adventista para elas.

Seus contatos no mundo do esporte são muitos. Qual é sua tática para influenciá-los na fé?

As pessoas têm que enxergar a mudança em você. O testemunho e a amizade são fundamentais nesse universo tão agitado, em que a maioria não está disposta a parar e ouvir sobre Deus. Sempre que tenho oportunidade também procuro presenteá-los com Bíblias e livros da igreja. E eles aceitam por me respeitar e me conhecer. Uma dessas ocasiões foi no contexto do amistoso entre o Porto e o Barcelona, em julho de 2014, quando fui convidado para participar da partida de despedida oficial do Deco [jogador luso-brasileiro]. São sementes plantadas.

Você disse que procura influenciar colegas pelo testemunho. E qual foi a importância do exemplo de sua esposa na sua decisão de deixar os gramados e seguir a Cristo?

Ao longo dos anos eu pude comprovar que a conduta cristã da minha esposa era genuína, pois se manifestava não só em palavras, mas principalmente em ações, como deveria ser com todo seguidor de Cristo. Ela também soube respeitar minhas decisões, mesmo discordando de determinadas atitudes, algumas vezes. A Rebeca nunca interferiu em minha carreira profissional e nas minhas escolhas. Mas, por outro lado, não deixou de orar por mim e apresentar aquilo que, segundo a Bíblia, era o caminho correto. Acredito que a fé e as orações dela mantiveram nossa família e foram determinantes para me (re)aproximar de Deus. Não tenho dúvida de que o testemunho é a ferramenta mais poderosa do cristão.

ASSISTA AO VÍDEO

Check Also

Tragédia-da-Chapecoense---slider

Tragédia da Chapecoense

Adventistas demonstram solidariedade aos familiares das vítimas da tragédia da Chapecoense e transmitem esperança para milhares de torcedores durante velório coletivo.

  • Sergio Nascimento

    Parafraseando o autor de hebreus capitulo 11…”outros abandonaram o glorioso mundo do futebol pela fé”…..Que Deus continue agir na vida desse servo a fim de salvar muitos mais.Amém.

  • Marcio Junio

    Sensacional… Como alguém que luta com a mania pelo futebol é realmente um testemunho inspirador e convincente. Me identifiquei muito vou salvá-lo aqui inclusive para referências futuras. Bela história…