De olho em 2016

Líderes votam a criação de mais dois ministérios de apoio e duas sedes administrativas
De-olho-em-2016-credito-victor-trivelato
Pastor Erton Köhler compara a jornada do cristão com o preparo para as olimpíadas. Assim como fez com a Copa do Mundo de 2014, a igreja pretende aproveitar os jogos de 2016 para testemunhar. Foto: Victor Trivelato
Foi o último encontro da liderança sul-americana antes da assembleia mundial de San Antonio (EUA), em julho. Na agenda, inaugurações, lançamento de projetos, estabelecimento de metas e orientações finais sobre a participação da delegação que irá representar nos Estados Unidos quase 2,5 milhões de adventistas que vivem na América do Sul.

Boa parte da Comissão Diretiva Plenária da Divisão Sul-Americana, realizada nos dias 15 a 19 de maio, foi destinada aos projetos missionários. As reuniões foram abertas com a participação dos líderes na distribuição de livros missionários no bairro Setor Leste Universitário, em Goiânia. A comitiva viajou de ônibus de Brasília para lá, a fim de apoiar os esforços locais de plantio de uma igreja nessa região nobre, com 21 mil habitantes e forte influência universitária. Os livros serviram também de convite para uma feira de saúde realizada no bairro no dia seguinte.

O envolvimento dos jovens com a missão também esteve em pauta. Em 2016, Santiago, a capital chilena, será o foco de esforços adicionais de evangelização. É para lá que irão os voluntários do projeto Um Ano em Missão, programa iniciado em Nova York em 2013 e que hoje já conta com 261 missionários na América do Sul. A meta é que nos próximos anos mil jovens se engagem nesse programa intenso de evangelização e de multiplicação de missionários.

AVANÇO

Por entender que a missão não tem que ver apenas com geografia, mas com o alcance de todos os grupos humanos, a comissão diretiva votou a oficialização em nível sul-americano de duas frentes de ação: um ministério para os cegos e outro para os idosos. Eles não terão status de departamento, mas de ministério de apoio.

O plano é ampliar o número de materiais para os cegos. Já existem disponíveis recursos em braille, bem como a Lição da Escola Sabatina e alguns livros de Ellen White em áudio. Outro desafio será o de adaptar edifícios de escolas, igrejas e instituições adventistas para atender às normas legais em relação à acessibilidade. Estima-se que 3% da população da América do Sul tenham alguma deficiência visual.

Quanto aos idosos, os números são ainda mais expressivos: 11% dos adventistas sul-americanos têm mais de 65 anos e 1% já passou dos 90 anos de idade. A principal mudança para esse segmento é que ele deixa de ser responsabilidade da secretaria para integrar as atribuições da Associação Ministerial.

A ênfase sul-americana na missão tem resultado no crescimento da igreja e na abertura de novas sedes administrativas. Para 2016, foi aprovada a organização de duas: a Missão Piauiense, em Teresina, um reduto do catolicismo e um desafio de longa data para a igreja; e a Missão Bahia Sul, em Eunápolis, no segundo estado brasileiro com maior presença adventista. Com esse acréscimo, o Brasil passará a ter 53 associações e missões.

COMUNHÃO

Para incentivar a comunhão diária com Deus, as crianças de 8 a 12 anos vão contar no próximo ano com uma ver-
são adaptada do Seminário de Enriquecimento Espiritual. No projeto Guardiões do Tesouro, as crianças terão acesso a uma apostila chamada “Momentos com Deus”, com temas para uma jornada espiritual de 40 dias. Até o fim do ano estarão disponíveis vários materiais impressos, vídeos e diários para que os menores façam tarefas específicas relacionadas ao assunto. A ideia também é que os professores da Escola Sabatina utilizem um DVD do projeto no sábado para despertar o interesse dos alunos pela apostila.

As reuniões foram acompanhadas pelo pastor Pardon Mwansa, um dos vice-presidentes mundiais da igreja. O clímax foi uma criativa apresentação das metas da igreja para 2016 por parte de toda a equipe da sede sul-americana, que, usando as metáforas do apóstolo Paulo, aproveitou a proximidade dos Jogos Olímpicos no Brasil para comparar a jornada cristã a uma maratona.

FELIPE LEMOS é assessor de comunicação da sede sul-americana da Igreja Adventista

Check Also

A-privatização-da-fé-slider

A privatização da fé

Entenda por que ela foi confinada à vida particular e de que maneira pode voltar a exercer maior relevância na esfera pública.