Ellen White e a educação musical da igreja

Conheça alguns conselhos de Ellen White sobre o papel da música na educação e na harmonia da igreja

Ellen White e a musicaEllen White não escreveu tanto sobre música quanto sobre educação, saúde ou vida de Jesus. Mas podemos notar o valor que a autora concedia à prática musical a partir da sua compreensão do papel pedagógico e espiritual da música na escola, no lar e no templo.

A música em tempo de educação

A prática da música no ensino religioso era uma atividade milenar que ajudava na transmissão e fixação das crenças. Ellen White concordava com o fato de que “há poucos meios mais eficazes para fixar as palavras de Deus na memória do que repeti-las em cânticos” (Educação, 2003, p. 167). Quando Ellen White escreveu sobre a função pedagógica da música na educação infantil, as ideias de educadores como Pestalozzi (1746-1827) e Froebel (1782-1852), que defendiam uma educação de cunho afetivo e a inclusão de canções no processo educativo, eram um pensamento corrente entre os educadores protestantes norte-americanos, a exemplo de Lowell Mason. No espírito pedagógico-musical de sua época, ela escreveu:  “Nunca se deve perder de vista o valor do canto como meio de educação. Que haja cântico no lar, de hinos que sejam suaves e puros, e haverá menos palavras de censura e mais de animação, esperança e alegria. Haja canto na escola, e os alunos serão levados para mais perto de Deus, dos professores e uns dos outros (idem, p. 168).

Ao falar sobre o canto na igreja, ela recomendava a busca de aperfeiçoamento vocal a fim de que os cantores se aproximassem “tanto quanto possível da harmonia dos coros celestiais” (Música: sua influência na vida do cristão, 2005, p. 20). Por isso, “o devido treino da voz é um aspecto importante da educação, e não deve ser negligenciado”.

Provavelmente, esse conselho tenha que ver com o fato de Ellen White ter presenciado a entoação caótica que resultava dos desacertos de andamento e afinação de algumas congregações. Um pioneiro adventista relatava: “Quando cantamos, […] os finais de cada verso ecoam sem parar, cada um […] cantando do seu jeito” (CLARKE, Joseph. “Music”. The Adventist Review and Sabbath Herald, November 10, 1859).

A recomendação para o desenvolvimento da voz reflete o pensamento evangélico norte-americano de aprimoramento vocal por meio do ensino. Desde o século 18, incentivava-se o estabelecimento de escolas de canto nas igrejas locais. Para suprir a demanda das congregações, havia professores itinerantes que se deslocavam de uma cidade a outra ensinando a leitura de notação musical e o canto em vozes, isto é, com divisões harmônicas vocais.

A música no templo da salvação

Em relação ao canto congregacional, Ellen White defende que não se deve cantar demasiadamente forte. Disse ela: “Alguns pensam que, quanto mais alto cantarem, tanto mais música fazem” (Manuscrito 91, 1903). No entanto, ela aconselha que as notas sejam emitidas com entonação clara e boa dicção (Testemunhos para a Igreja, 2006, p. 144) e que a congregação inteira participe do canto. “Todas as pessoas presentes devem ser animadas a participar cantando os hinos”, expressou. (Carta 157, 1902).

No hinário metodista Select Hymns: with tunes annext (1761), Charles Wesley escreveu um apêndice intitulado “Directions for singing” (Orientações para o canto) em que indicava à igreja a maneira apropriada de cantar os hinos: que as pessoas cantassem exatamente conforme os hinos estivessem impressos no hinário e que os entoassem na congregação de forma entusiasmada, mas sem excessos.

Ellen White também escreveu sobre a adequação dos hinos para o culto religioso: “Os que fazem do canto uma parte do culto divino devem escolher hinos com música apropriada para a ocasião, não notas de funeral, porém melodias alegres e, todavia, solenes” (Evangelismo, 1997, p. 508).

Sua orientação buscava um equilíbrio entre o culto solene e o culto festivo. Essa preocupação está em suas objeções ao formalismo e aos cultos e sermões prolixos: “Seu culto deve ser interessante e atraente, não se permitindo que degenere em formalidade insípida” (Testemunhos Seletos v. 2, 2008, p. 252).

John Wesley perguntava: “Como poderemos nos proteger do formalismo no canto público?”. Ele mesmo respondia na coletânea Select Hymns: “Cantem vigorosamente; cantem moderadamente”.

Nos tempos atuais, em que alguns confundem santidade com solenidade e outros confundem entusiasmo com extravagância, esses textos indicam que as mensagens faladas ou cantadas devem evitar o formalismo e visar a uma apresentação ao mesmo tempo alegre e solene.

Ellen White não possuía instrução musical formal e não era compositora. Nem mesmo ocupou a função de editora de hinários, atividade desempenhada por Tiago White e também por seu filho, James Edson, e seu sobrinho, Frank Belden. No entanto, seu pensamento relacionado à prática musical, seja como motivação educativa ou espiritual, estava alinhado com os setores protestantes mais instruídos nas artes musicais e nos métodos pedagógicos.

Sua importância em relação à prática musical dos adventistas do sétimo dia não reside em alguma técnica inovadora de cantar ou tocar um instrumento, e nem está em algum pensamento sacro-musical que já não tivesse sido fartamente analisado pelos primeiros padres católicos ou pelos reformadores protestantes ou por evangelistas do século 18.

De fato, a relevância desses textos de Ellen White se encontra no alto valor que ela concedeu à função da música na educação, na comunhão espiritual e na harmonia da congregação. Suas orientações ajudaram a igreja a mudar a cultura dos cultos cuja animação favorecia abusos carismáticos para um culto cuja cultura de moderação visava privilegiar uma atmosfera de alegre reverência.

Aos músicos e líderes, fica a tarefa de contextualizar suas orientações no tempo e no templo, guardando-nos de “criar extremos, de animar os que tendem a estar ou no fogo, ou na água” (Testemunhos para Ministros, p. 227).

Joêzer Mendonça, doutor em Música (UNESP), é professor da PUC-PR e autor do livro Música e Religião na Era do Pop

Check Also

Desmond-Doss-slider

O sábado como resistência

Soldado que lutou sem armas e se manteve fiel à guarda do sábado durante a II Guerra Mundial continua sendo um exemplo para os cristãos de hoje.

  • hernandes lima chaves

    Notável que ela escreve que o cântico ajuda a fixar a Palavra de Deus na memória. Entendo que muitos hinos contemporâneos contem muito pouco ou quase nada de instrução e de verdade bíblica. Canta-se muito sobre o homem, suas aflições, seus medos, esperanças, realizações. Diferente de hinos e cânticos mais antigos que tem Deus e as doutrinas como conteúdo de suas letras. Não defendo que temos de cantar somente musicas de séculos passados, mas fora com essas musicas fracas e sem vida da atualidade.