O ecumenismo de Francisco

Em sua visita a Cuba e aos Estados Unidos, papa investe na aproximação com diversos grupos religiosos

O-ecumenismo-de-Francisco---creditos-da-imagem-Flickr“Eu cá, não perco ocasião de religião. Aproveito de todas. Bebo água de todo rio… Uma só para mim é pouca, talvez não me chegue… Tudo me quieta, me suspende. Qualquer sombrinha me refresca”. A fala de um dos personagens de Guimarães Rosa, no livro Grande Sertão: Veredas, levou-me a refletir sobre uma questão relacionada ao acontecimento que agitou os últimos dias: a visita do papa Francisco a Cuba e aos Estados Unidos e sua postura em relação ao sincretismo e pluralismo religioso.

O pontificado de Francisco tem chamado a atenção pela constante aproximação de diversas denominações religiosas, bem como pelo engajamento com a política e a comunidade científica. Sua popularidade cresce à medida em que aumenta a apreensão mundial em face de problemas de diversas ordens: abalos na economia, crises políticas, mudança climática, etc. Quem tem acompanhado a trajetória de Jorge Mario Bergoglio na liderança do Vaticano seguramente atentou para seus constantes apelos por unidade entre os povos.

Segundo artigo do jornalista João Fellet para a BBC Brasil, cinco pontos se destacam na visita do pontífice argentino a Cuba: (1) reaproximação desse país com os Estados Unidos; (2) as condições das prisões cubanas e o alto índice da população carcerária; (3) abertura econômica; (4) abertura política e (5) o sincretismo religioso. Este quinto item chamou minha atenção. João Fellet destaca o ponto de vista de Austen Ivereigh, um biógrafo de Francisco, segundo o qual o papa atual tem a visão de que é preciso procurar Deus na fé das pessoas, ainda que ela não seja propriamente a católica.

Essa postura ecumênica me trouxe à memória diversos fatos recentes relacionados ao papa Francisco, tais como sua visita histórica à igreja valdense, em Turim (Itália), e os constantes contatos com os evangélicos, fato que levou o portal Gospel Prime à surpreendente declaração: “Perto do aniversário de 500 anos de Reforma Protestante (em 2017), que dividiu os dois grupos, parece que evangélicos e católicos estão experimentando uma aproximação sem precedentes”.

Não menos notável é a crescente interação entre o Vaticano e o maior império da atualidade. Conforme noticiou o portal Rádio Vaticano, a chegada do pontífice ao solo americano foi marcada por forte emoção. No entanto, o que mais chamou minha atenção é o “ambiente familiar” na recepção. O presidente Obama estava acompanhado da esposa, as duas filhas e a sogra. Para usar as palavras do próprio portal, “como fato bastante incomum, também o vice-presidente Joe Biden e família [ênfase acrescentada] presenciaram a chegada do Papa. Por razões de segurança, é raro que as duas máximas autoridades do país compareçam simultaneamente em um evento público”. A importância desse evento é bastante clara: pela primeira vez na história, um chefe do Vaticano discursa no Congresso Americano.

A ênfase na família é algo bastante visível no pontificado de Francisco, bem como a sugestão de que o domingo se torne um dia internacional de descanso. Com o aumento da crise econômica e o crescimento do índice de desemprego em várias partes do mundo, naturalmente se sentirá a necessidade de mais trabalho e um dia comum de repouso. As coisas estão convergindo para o domingo como esse dia.

Associado a tudo isto está o diálogo com a comunidade científica. Conforme manchete de uma notícia recente do portal telegraph.co.uk, “cientistas se voltam para o papa Francisco e religiões do mundo a fim de salvar o planeta”. Se existe algo com que posso concordar nessa declaração é que o mundo realmente precisa ser salvo, porém não pelo tipo de salvação proposto pela ciência, ou a política, ou a economia, ou qualquer outro campo de conhecimento humano. “Não há salvação em nenhum outro; porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos” (At 4:12). De fato, Deus salvará não este planeta, mas as pessoas que nele habitam. Aquelas que, à semelhança de tantos heróis do passado, serão leiais a Deus e perseverantes até o fim (Mt 10:22).

O mais curioso em tudo isto é perceber que, há mais de cem anos, Deus revelou que as coisas caminhariam na direção em que estão caminhando na atualidade. Na edição de maio de 1851 da Review and Herald, o jovem John N. Andrews, com base em Apocalipse 13:11-18, afirmou que os Estados Unidos da América, com apenas 75 anos de independência, se tornariam uma superpotência mundial (ver o livro Profecias Surpreendentes, de Herbert Douglass). A escritora Ellen G. White “ampliou de maneira enfática essa moldura bíblica com detalhes que nenhum ser humano poderia ter imaginado em seus dias” (ibid). Ela afirmou: “Quando o protestantismo estender os braços através do abismo, a fim de dar uma das mãos ao poder romano e a outra ao espiritismo, quando por influência dessa tríplice aliança a América do Norte for induzida a repudiar todos os princípios de sua Constituição, que fizeram dela um governo protestante e republicano, e adotar medidas para a propagação dos erros e falsidades do papado, podemos saber que é chegado o tempo das operações maravilhosas de Satanás e que o fim está próximo” (Testemunhos Seletos, v. 2, p. 151).

Não sabemos quando se cumprirá cada detalhe da profecia, mas podemos estar seguros de que o mundo caminha velozmente para sua derrocada final. [Créditos da imagem: Flickr]

ADENILTON TAVARES é mestre em Ciências da Religião e professor de grego e Novo Testamento na Faculdade de Teologia da Bahia

LEIA TAMBÉM

Dois anos de Francisco

Check Also

Tragédia-da-Chapecoense---slider

Tragédia da Chapecoense

Adventistas demonstram solidariedade aos familiares das vítimas da tragédia da Chapecoense e transmitem esperança para milhares de torcedores durante velório coletivo.

  • Cosme Ribeiro Peixoto

    acredito que cada Papa que surge contribui de algum a forma para o crescimento da popularidade da instituição. Alguns é claro se destacam mais como João Paulo II e agora Francisco, creio que a profecia bíblica de apocalipse 13 acontecerá certamente, e seja com Francisco ou qualquer outro Papa. O que mas interessa no entanto ao povo remanescente é cumprir a missão que nos foi confiada, pois assim devemos estar, trabalhando a seara como o servo fiel da parábola, e quando Jesus voltar receberemos o galardão a nós prometido. tenho um blog e quem tiver interesse pode espiar lá http://www.mateus2414.blogspot.com.br/