Entre ataques e oportunidades

Crescimento de Ben Carson nas pesquisas coloca a igreja em evidência, mas a torna suscetível a críticas e rótulos 

Ben-Carson-na-NewsweekO crescimento nas pesquisas de intenção de voto do pré-candidato Ben Carson tem naturalmente ampliado sua exposição na mídia. Isso passou a acontecer de maneira mais significativa depois de um levantamento conjunto feito pela rede de televisão CBS e pelo jornal The New York Times, que mostrou, pela primeira vez desde meados de julho, que o neurocirurgião estava ameaçando a liderança do bilionário Donald Trump na corrida pela indicação do candidato republicano para a eleição presidencial norte-americana de 2016. No levantamento divulgado no dia 15 de setembro, ambos apareceram praticamente empatados: Carson, com 23%, e Trump, com 27%.

Mas não vem ao caso as chances de o médico adventista chegar a ser o candidato pelo Partido Republicano. O ponto em questão é o quanto a popularidade dele tem feito com que a igreja também seja exposta de forma positiva ou negativa – especialmente por se tratar da realidade norte-americana, onde a religião de um candidato vem naturalmente à tona. Esse fato coloca uma grande responsabilidade nas mãos de Ben Carson, enquanto “representante”, embora não oficialmente, da denominação (leia aqui a posição oficial da igreja sobre a política partidária e os candidatos adventistas).

Uma das abordagens mais recentes sobre as crenças religiosas do pré-candidato foi publicada no dia 20 de setembro na versão on-line da revista Newsweek. Conforme destacou o site do periódico, “a ascensão de Carson nas pesquisas enquanto ele busca a nomeação presidencial republicana tem estimulado o interesse pela igreja que moldou grande parte de sua vida. Se ele continuar a ganhar impulso, os americanos serão obrigados a fazer perguntas sobre os adventistas do sétimo dia, assim como eles fizeram sobre a fé mórmon de Mitt Romney e, em outro momento, sobre o catolicismo de John F. Kennedy”, diz o texto.

A mídia americana está fazendo um raio X tanto de Carson quanto da religião que ele professa. No caso da Newsweek, a reportagem intitulada “Dr. Ben Carson’s Life Story Rests on a Deep Adventist Faith” (“A história da vida do Dr. Ben Carson repousa sobre uma profunda fé adventista”) fala não só a respeito da experiência religiosa dele, mas também traz um histórico sobre o surgimento do adventismo no século 19 e sua visão de futuro.

“Ao contrário dos milenaristas no século 19, os adventistas têm compromisso com a permanência através da construção de instituições estáveis, como as universidades. Ainda assim, eles acreditam que o retorno de Cristo é iminente e que ele não vai ser secreto”, observam os autores da reportagem ao tratar sobre até que ponto a religião de Carson poderia determinar os rumos da política nos Estados Unidos.

A revista mencionou também algumas práticas dos adventistas, a exemplo do regime alimentar saudável. “A igreja exorta os membros a evitar substâncias que alteram a mente e estimula a ‘ingestão de legumes, grãos integrais, nozes, frutas e legumes, juntamente com uma fonte de vitamina B12’”, observam Jack Martinez e Matthew Cooper, autores da publicação.

Outro aspecto citado pela Newsweek foi a relação de Ben Carson com a guarda do sábado. “[Ellen] White escreveu sobre a necessidade de restaurar a pureza bíblica através do reforço da observância de certos mandamentos, especialmente o sábado. É por isso que os adventistas guardam o sábado no sétimo dia, em vez de no domingo. Na Bíblia hebraica original, o sábado é o ‘sétimo dia’”, diz o texto. Na matéria, Ben Carson defende que o dia de adoração “é o sábado” e que “ele foi posteriormente alterado pelo homem”. O periódico chegou a publicar um vídeo do YouTube em que Carson fala em uma igreja sobre a lei dominical.

A propósito, a mídia tem pinçado algumas crenças de Ben Carson para criar polêmica. A perspectiva bíblica da criação tem sido um dos principais alvos dos críticos. A matéria da Newsweek chama a atenção para o fato de que Carson defende “a superioridade do criacionismo sobre a teoria da evolução”. Consultado pela reportagem, David Holland, professor da Escola de Divindade de Harvard, argumenta que “alguns estudiosos veem o adventismo e Ellen White, em particular, como uma fonte inicial para a ascensão do criacionismo e do fundamentalismo na América”. “White foi uma das primeiras escritoras a apresentar uma justificativa pseudo-geológica para a ‘Terra jovem’, a crença de que a Terra tem apenas 6.000 anos de idade”, acrescenta Holland, que disse estar escrevendo a biografia da escritora norte-americana e de Mary Baker Eddy, fundadora da Ciência Cristã.

Ben-Carson-na-revista-The-WeekNesta semana, a revista britânica The Week também conferiu atenção ao assunto ao publicar o artigo “How is Ben Carson both so incredibly smart and so spectacularly stupid?” (“Como Ben Carson é tão incrivelmente inteligente e tão espetacularmente estúpido?”). Ácido nas palavras, Paul Waldman faz duras críticas ao fato de Carson rejeitar a teoria da evolução. “Carson é um homem inegavelmente inteligente. Você não consegue ser um dos mais renomados neurocirurgiões do mundo sem a capacidade de compreender sistemas complexos, avaliar as provas, separar o plausível do implausível e integrar fragmentos díspares de dados em um todo coerente. E, ainda assim, ele pensa que a teoria da evolução não é apenas um grande embuste, mas um engano literalmente entregue a nós do inferno”, questiona. “Perdoe-me pelo meu tom de desprezo”, acrescenta o autor do artigo, “mas é o que realmente acredita Carson”.

Assim, a imagem de Carson na mídia começa a ser associada com a de um fundamentalista cristão. Isso fica claro em outro trecho do artigo da The Week, onde Paul Waldman afirma: “Há milhões e milhões de pessoas no mundo que acreditam fervorosamente em um poder divino, mas que também reconhecem a verdade da evolução. A Igreja Católica, por exemplo, é bastante clara que não há nada de incompatível entre sua teologia e a evolução. […] Nada sobre a crença em Deus impede de compreender e aceitar o que gerações de cientistas descobriram sobre a história da vida na Terra.”

Com um discurso politicamente incorreto para alguns, Ben Carson deve continuar convivendo com os ataques de adversários políticos, bem como com as críticas e rótulos da imprensa. Quanto, no final das contas, essa exposição na mídia vai ser mais negativa do que positiva para a igreja, ainda é cedo para arriscar prognósticos pessimistas ou otimistas.

MÁRCIO TONETTI é editor associado da Revista Adventista

LEIA TAMBÉM

Igreja Adventista nos EUA publica declaração sobre pré-candidatura de Ben Carson

Veja também

Cuidar de quem cuida

Programa de gestão de pessoas transforma Hospital Adventista de Manaus na 6a melhor instituição de saúde para se trabalhar no Brasil.