Adventista visível

O movimento do advento cresceu e ganhou visibilidade, mas não está livre de problemas

02_Editorial_FotoliaEm sua edição de janeiro/fevereiro deste ano, a revista evangélica de maior circulação na América do Norte, Christianity Today, reconheceu que o movimento adventista se tornou grande demais para ser ignorado. Num artigo intitulado “The Season of Adventists” (A temporada dos adventistas), o periódico reportou o rápido crescimento da denominação, que tem conquistado mais de um milhão de membros anuais nos últimos dez anos, tornando-se a quinta força do cristianismo em número de adeptos.

A matéria também mencionou a preocupação do presidente mundial da igreja, pastor Ted Wilson, de que o sucesso do movimento o leve a perder suas “verdades bíblicas distintivas” e de que as pessoas comecem a agir independentemente, assimilem demais a cultura evangélica, copiem o “estilo pentecostal de adoração”, adotem uma “graça barata” e proclamem um evangelho genérico.

Com a marca de 18,5 milhões de membros ao redor do globo, numa proporção de um adventista para 398 pessoas, e aumentando a contagem a cada mês, o adventismo realmente não pode ser ignorado, nem está livre dos riscos de descaracterização representados pelas mudanças culturais aceleradas. Se a diversidade que vem com a adesão de pessoas de todas as tribos e culturas traz enriquecimento e dinamismo, pode também representar perigo para a identidade. Num grande contingente de conversos há pessoas em todos os estágios da fé. Deus dá o crescimento, mas a igreja precisa cuidar da “planta”.

Depois de mais de 150 anos na estrada, o adventismo está amadurecido e muito bem estruturado. Mas é preciso que cada um conheça a essência e o propósito do movimento para que sua fé se solidifique e a missão da igreja não sofra distorções. Não podemos ser como Cristóvão Colombo, que, ao partir para o Novo Mundo, não sabia para onde estava indo, chegando lá não sabia onde estava e, ao voltar, não sabia onde havia estado!

Em seu melhor, o adventista é um cristão que crê, sabe, é, pertence, envolve-se, serve e espera, num equilíbrio harmônico. Ele crê em Deus e na sua Palavra. Sabe de onde veio, onde está e para onde vai. É um filho de Deus, refletindo a imagem de Cristo. Pertence a um sacerdócio real, uma nação santa, um povo exclusivo. Envolve-se com a comunidade e os outros. Serve a Deus e à sociedade. Espera Jesus e um novo céu e uma nova Terra. Ele não esconde sua identidade no anonimato da multidão, mas torna-se visível pela personificação de suas crenças e do amor a Deus.

Ao refletir sobre o adventismo no contexto atual, precisamos ter uma noção correta de nossa identidade e missão. Nenhuma igreja pode cumprir seu papel com eficácia se não conhecer suas crenças, seus valores e seu propósito. Isso é ainda mais verdade quando se trata de um povo chamado para cumprir uma tarefa específica. Afinal, o adventismo não nasceu do nada ou do acaso, mas do coração de Deus, a fim de ajudar o mundo a se preparar para o maior acontecimento de todos os tempos – a volta de Jesus em glória e majestade.

“Em seu melhor, o adventista é um cristão que crê, sabe, é, pertence, envolve-se, serve e espera, num equilíbrio harmônico”

Diante das mudanças constantes do mundo, como temos nos comportado? Como está a transmissão de nossa mensagem no púlpito e fora dele? Num artigo para a newsletter Reflections, Elias Brasil de Souza, teólogo do Instituto de Pesquisa Bíblica, na sede mundial da igreja, fez algumas ponderações sobre os desafios de “pregar a verdade absoluta em uma sociedade relativista”. Segundo ele, a igreja enfrenta hoje o dilema entre estilos e enfoques diferentes na pregação: objetiva x subjetiva; específica x genérica; global x local; exegética x pneumática; bíblica x contemporânea; intelectual x emocional (no artigo, espiritual); vocacional x profissional; digital x analógica; biblicamente correta x politicamente correta; universal x particular.

Em cada paralelismo desses, ele favorece a primeira ênfase, embora reconheça eventuais pontos positivos na segunda perspectiva. “Nem tudo no pós-modernismo é ruim, mas alguns efeitos colaterais dele precisam de análise crítica”, avalia. O teólogo destaca que o subjetivismo que caracteriza a pós-modernidade, se for levado à sua conclusão lógica, tem um efeito devastador para a compreensão e a proclamação da verdade.

Porém, mais devastador ainda é o esquecimento de quem nós somos, por que estamos aqui e aonde devemos chegar. A matéria de capa da edição de outubro da Revista Adventista é um exercício de memória para que isso não aconteça. [Imagem: Fotolia]

MARCOS DE BENEDICTO é editor da Revista Adventista

capaPara acessar a versão digital da edição deste mês, clique aqui.

Veja também

Vida em outro planeta

Nossa morada definitiva será em algum lugar distante de todo barulho que se faz aqui deste lado do Universo.

  • Mateus Borges

    “Em seu melhor o adventista é…um povo exclusivo. Envolve-se com a comunidade e os outros. Serve a Deus e à sociedade. ” esse fato somado ao desconhecimento e distanciamento das crenças em termos bíblicos tem minado o povo. A tal exclusividade nos fez mal.