Mesada solidária

Alunos de colégio adventista doam suas próprias economias e organizam campanha para ajudar famílias carentes
Projeto possibilitou que estudantes aprendessem na prática a importância da solidariedade. Créditos da imagem: divulgação IAP
Projeto possibilitou que estudantes aprendessem na prática a importância da solidariedade. Créditos da imagem: divulgação IAP

Depois de estudar em sala de aula durante um semestre sobre a situação econômica e social do Brasil, e ver que milhares de brasileiros ainda vivem em situação de miséria – embora entre 1990 e 2012 o índice de pobreza extrema no país tenha caído de 25,5% para 3,5% -, um grupo de alunos entre 13 e 16 anos do Instituto Adventista Paranaense (IAP) decidiu fazer algo para mudar a realidade em que vivem.

Ao longo de um semestre, eles foram incentivados pelo professor Natanael Silva a saírem da zona de conforto e a fazer algo pelo próximo. “Durante discussões que tivemos antes da criação dessa ação, chegamos à conclusão de que, na teoria, ajudar o próximo é fácil. Porém, na prática, isso é muito difícil. A partir disso, a ideia foi levar esses alunos até as pessoas que precisam de apoio para mostrar uma realidade que nem sempre é conhecida”, explica o professor.

Em resposta ao desafio, os discentes organizaram um mutirão para arrecadar alimentos e chegaram a transformar as próprias mesadas em cestas básicas.

Após doar cesta básica, alunos oraram pela família da diarista Lourdes dos Santos.
Após doar cesta básica, alunos oraram pelas famílias atendidas. Créditos da imagem: divulgação IAP

A diarista Lourdes dos Santos, de 59 anos, foi uma das beneficiadas pelo gesto de solidariedade. Mãe de duas crianças, uma delas com hidrocefalia, ela teve um ano difícil. Para garantir o sustento dos filhos, precisou fazer jornadas extras de trabalho. Mesmo assim, durante mais de um mês o cardápio das crianças foi somente pão e bolacha.

Doação de cesta pelos alunos do IAP para a Cristina
Com o marido desempregado, Cristina Cardoso Costa também recebeu doações de alimentos. Créditos da imagem: divulgação IAP

Vizinha de dona Lourdes, a família de Cristina Cardoso Costa, de 33 anos, também luta pela sobrevivência, dependendo da ajuda de amigos e desconhecidos. Há quase um ano o esposo de Cristina está desempregado devido a uma deficiência no braço direito. Emocionada ao receber a cesta, a mulher revelou que há muitos dias vinha se alimentando apenas com arroz e feijão. “Nem sonhava que ganharia um presente tão importante quanto este. Estava imaginando que teríamos o pior Natal das nossas vidas, mas esses meninos nos surpreenderam e nos deixaram muito felizes”, diz Cristina.

A emoção das famílias presenteadas também surpreendeu os estudantes. Para Jones Mendes Garcia Soares, de 15 anos, o impacto da ação foi tão significativo que o fez refletir sobre o quanto pode fazer pelo próximo. Embora ele participe de projetos sociais há mais de três anos, essa experiência, segundo ele, foi mais impactante. “Ver o sorriso de uma pessoa é muito legal. Uma das pessoas que nós ajudamos disse que há vários dias estava dormindo com fome porque não tinha dinheiro para comprar comida para toda a família. Então, a entrega das cestas básicas teve um significado muito maior”, recorda, se referindo à situação vivida por dona Lourdes.

Na opinião de Heloisa de Oliveira Kuiaski, que também participou do projeto, os mais beneficiados foram eles mesmos. “Fazer a cesta foi algo muito simples para nós, mas percebemos que foi algo muito importante para quem recebeu. Saímos emocionados”, relembra.

O envolvimento dos alunos também trouxe um senso de realização para o professor que propôs a iniciativa. “A condição financeira dos nossos alunos é boa e muitos não têm noção do trabalho que dá para deixar a geladeira repleta de coisas boas. Por isso, quando eles se empolgaram e trabalharam para a ação dar certo fiquei muito feliz. Percebi que consegui colocar uma semente do amor nos corações dessas crianças”, detalhou Natanael Silva em entrevista ao site G1.

Para o pastor Giliard Ferreira, que acompanhou os estudantes durante a iniciativa, essa é a melhor maneira de ensinar sobre o amor. “O amor não é teoria, o amor é prática. O jovem que se envolve em ações semelhantes enxerga a vida de maneira altruísta” reforça.

Após a entrega das cestas de alimentos, os alunos estudam a possibilidade de adotar as famílias de Lourdes e Cristina, passando a acompanhá-las de maneira contínua e ajudando no que for preciso.

“Sabemos que a nossa atitude é pequena diante da quantidade de gente que precisa de ajuda. Mas, aos poucos, de semente em semente, conseguiremos fazer do mundo um lugar melhor para viver”, conclui o professor Natanael.

A iniciativa dos alunos ganhou destaque em duas equipes de televisão locais (SBT e Record), além de repercutir no portal de notícias G1.

CAROLINA PEREZ é assessora de comunicação do Instituto Adventista Paranaense (Com informações do portal G1)

Check Also

A-privatização-da-fé-slider

A privatização da fé

Entenda por que ela foi confinada à vida particular e de que maneira pode voltar a exercer maior relevância na esfera pública.