A Palavra de Deus na linguagem de hoje

Especialista fala sobre os desafios e princípios da tradução das Escrituras e os esforços para torná-la mais acessível no mundo contemporâneo

Por Márcio Tonetti

Embora seja a obra mais lida e traduzida, a Bíblia ainda não está disponível para quase metade das 7 mil línguas existentes. Frente a esse desafio, muitos biblistas, linguistas, antropólogos e missiólogos têm se envolvido em projetos visado ampliar o número de traduções bíblicas. É o caso do plano ambicioso da organização Tradutores da Bíblia Wycliffe Internacional (WBTI, na sigla em inglês), que pretende viabilizar a tradução de pelo menos um trecho das Escrituras para todas as línguas até 2025.

No entanto, esse não é o único desafio. As traduções existentes também precisam ser revisadas e atualizadas, a fim de serem melhor compreendidas pelas novas gerações. Essa é a missão do Dr. Vilson Scholz, que há 15 anos atua como consultor de tradução da Sociedade Bíblica do Brasil (SBB). Doutor em Novo Testamento pelo Seminário Concórdia (EUA), o pastor e professor de Teologia Exegética na Universidade Luterana do Brasil, em Canoas (RS), é tradutor do Novo Testamento Interlinear Grego-Português (SBB) e autor da obra Princípios de Interpretação Bíblica (Editora da Ulbra).

Nesta entrevista, ele compara as diferentes versões do texto sagrado, explica sobre princípios fundamentais de tradução das Escrituras e fala sobre a revisão da versão da Bíblia mais popular no Brasil.

OUÇA A PRIMEIRA PARTE DA ENTREVISTA

Na segunda parte da entrevista, o consultor de tradução da Sociedade Bíblica do Brasil rebate as críticas feitas às traduções que têm uma linguagem mais atual.

OUÇA A SEGUNDA PARTE DA ENTREVISTA

VEJA TAMBÉM

Veja também

Vida em outro planeta

Nossa morada definitiva será em algum lugar distante de todo barulho que se faz aqui deste lado do Universo.