Apelo aos chefes de estado

Líder adventista discursa na União Africana durante encontro anual de chefes de estado e pede que eles respeitem a dignidade humana

Sede da União Africana, em
Sede da União Africana, em Adis Abeba, na Etiópia: palco da 26ª Assembleia da União Africana, que reuniu 54 chefes de estado do continente. Créditos da imagem: departamento de Liberdade Religiosa da Associação Geral

Durante a 26ª Sessão Ordinária da Assembleia da União Africana, realizada nos dias 30 e 31 de janeiro em Addis Abeba, Etiópia, o Dr. Ganoune Diop, diretor de Relações Públicas e Liberdade Religiosa da Igreja Adventista em nível mundial, apelou os 54 chefes de estado presentes no encontro para que respeitem a dignidade humana como um princípio fundamental da boa administração governamental. Ele discursou no Encontro de Oração da União Africana, evento que acontece paralelamente à reunião de cúpula que, neste ano, tratou de temas como direitos humanos, violência e extremismo, educação e os desafios para o desenvolvimento econômico do continente africano.

“A dignidade humana não é apenas um valor a ser classificado entre outros valores, mas um princípio fundamental que sustenta todos os direitos humanos em pactos, tratados e convenções internacionais”, ele expressou.

Diop orou para que os líderes presente à reunião de cúpula da União Africana tenham a coragem de recusar a violência em todas as suas formas, e para que reflitam o caráter de Deus, buscando “liberdade, justiça, paz e amor”.

Líder mundial de liberdade religiosa discursa na sede da União Africana
Ganoune Diop (à esquerda), com Erastus Mwencha, vice-presidente da Comissão da União Africana. Créditos da imagem: departamento de Liberdade Religiosa da Associação Geral

Após sua participação no evento, Diop disse que representar a igreja no encontro anual da União Africana foi uma grande oportunidade para reforçar aquilo que tem sido um valor fundamental para os adventistas. “Esse princípio embasa a visão adventista da liberdade de religião e de crença, bem como o compromisso global da igreja para melhorar a vida das pessoas através seus projetos na área da saúde, educação e apoio humanitário”, concluiu. [Equipe RA, da redação / Com informações de Bettina Krause/Adventist Review]

Check Also

A-privatização-da-fé-slider

A privatização da fé

Entenda por que ela foi confinada à vida particular e de que maneira pode voltar a exercer maior relevância na esfera pública.