Bênçãos disfarçadas de tormentas

Como podemos aprender a ver além dos problemas

Imagem para artigo do AdeniltonNo último domingo, 27 de março, o mundo celebrou a Páscoa, considerada a mais antiga e importante festa judaico-cristã. Como é de costume, o comércio explorou a data para aquecer as vendas de chocolate e outros artigos que se tornaram representativos desse período. Assim como acontece no feriado do Natal, em que o personagem central fica relegado a um segundo plano, ofuscado pela presença do “bom velhinho” – que anda pelas ruas distribuindo presentes, sorrisos e acenos de mão – no feriado da Páscoa, seu verdadeiro significado se perde na memória, em função da ênfase colocada sobre o coelhinho e os ovos coloridos, que enfeitam as lojas e atraem os olhares de crianças, jovens e adultos. Vista por este viés, é difícil atentar para o fato de que a Páscoa está enraizada em profundo sofrimento.

Na Bíblia, a festa da Páscoa é celebrada em memória da maneira grandiosa com que Deus livrou Seu povo do cativeiro egípcio. Antes de Deus derramar a última praga sobre aquela poderosa nação – a morte de todos os primogênitos (Êx 11:5; 12:29) –, cada família hebreia foi orientada a sacrificar um cordeiro (Êx 12:21), cujo sangue devia ser colocado na viga superior e nas laterais da porta (Êx 12:5, 22 NVI). Em contrapartida, a carne do animal devia ser assada ao fogo e servida como uma refeição noturna, acompanhada de ervas amargas e pão sem fermento (Êx 12:8). As ervas amargas eram um símbolo da escravidão e sofrimento do povo de Deus no Egito. Por sua vez, o pão sem fermento, o animal e seu sangue tipificavam o Cordeiro de Deus, o Salvador do mundo.

Naquela mesma noite, a praga atingiu todos os primogênitos, com exceção daqueles que estavam abrigados nas casas cujo “sinal de sangue” foi colocado nas portas. A mancha de sangue era um indício da confiança na Palavra de Deus, em Seu cuidado e proteção. De fato, este é o significado da palavra hebraica p?sa?, que foi traduzida como páscoa, mas pode significar proteção, preservação. No Novo Testamento, o apóstolo Paulo se refere a Cristo como o cordeiro pascal. Ele diz: “Lançai fora o velho fermento, para que sejais nova massa, como sois, de fato, sem fermento. Pois também Cristo, nosso Cordeiro pascal, foi imolado” (1Co 5:7).

Em relação à experiência de Cristo como nosso Cordeiro pascal, chamam minha atenção algumas afirmações encontradas na carta aos Hebreus: “Vemos, todavia, aquele que, por um pouco, tendo sido feito menor que os anjos, Jesus, por causa do sofrimento da morte, foi coroado de glória e de honra, para que, pela graça de Deus, provasse a morte por todo homem” (Hb 2:9, itálicos acrescentados). Um pouco adiante, lemos: “Porque convinha que aquele, por cuja causa e por quem todas as coisas existem, conduzindo muitos filhos à glória, aperfeiçoasse, por meio de sofrimentos, o Autor da salvação deles” (Hb 2:10; itálicos acrescentados). E logo chego à conclusão de que Jesus sentiu na pele a dor e o sofrimento que são nossos. Sem cometer um pecado sequer, Ele carregou sobre os ombros o peso de todos os pecados da humanidade, a fim de nos libertar de uma escravidão maior que a escravidão do Egito. E por quê? A carta aos Hebreus responde: “Em troca da alegria que lhe estava proposta, suportou a cruz, não fazendo caso da ignomínia” (Hb 12:2).

Quando me ponho a refletir sobre o sofrimento de Jesus, fico pensando nessa alegria que lhe estava proposta: ver a multidão de remidos na glória celestial. Conforme a profecia de Isaías 53:11, “Ele verá o fruto do penoso trabalho de sua alma e ficará satisfeito”.

O sofrimento de Jesus é uma pista de como devemos encarar as tormentas que nós mesmos enfrentamos no nosso dia a dia. De fato, as dores que sentimos neste mundo exercem sobre nós o estranho poder de nos atrair para Deus. Ellen White explica: “As mesmas provações que da maneira mais severa provam nossa fé, e fazem parecer que Deus nos abandonou, devem levar-nos para mais perto de Cristo, para que possamos depor todos os nossos fardos a Seus pés, e experimentar a paz que Ele, em troca, nos dará” (Patriarcas e Profetas, p. 129). Nesse sentido, as provas que enfrentamos são bênçãos disfarçadas sob as mais variadas formas de sofrimento. Como diz a letra de uma bela canção cristã: “Se eu nunca tivesse um problema, como eu saberia que Deus pode resolvê-lo? Como eu saberia o que a fé em Deus pode fazer?”

Qual seria o exemplo de José se não fossem os terríveis percalços pelos quais ele passou? Seus sofrimentos moldaram seu caráter para sempre. De um menino mimado, ele se tornou o governador do Egito, generoso e senhor de si. Porém, enquanto caminhava como prisioneiro levado por uma caravana de ismaelitas, por um instante ele “entregou-se a uma dor e pesar incontidos. Mas, na providência de Deus, mesmo essa experiência seria uma bênção para ele. Aprendeu em poucas horas o que de outra maneira anos não lhe poderiam ter ensinado” (Idem, p. 213). E o que dizer da experiência de Abraão, Moisés, e tantos outros personagens cujas histórias estão registradas em diversas partes da Bíblia para nosso benefício?

Nosso dilema é que, como mencionou o filósofo Kierkegaard, os cristãos são como alguns alunos de matemática: querem ver a solução do problema disponível no fim do livro em vez de exercitar e aprender com ele. Precisamos crer que Deus sabe dirigir nossa vida, e Ele tomará as mesmas decisões que nós tomaríamos se, como Ele, conhecêssemos o futuro desde o início. Como disse Oswald Chambers: “A fé nunca sabe aonde está sendo levada, mas conhece e ama Aquele que a está levando”.

É claro que, às vezes, esse processo exige um longo período de espera. E a pergunta que não quer calar é: “Quanto tempo precisamente temos que esperar entre a promessa de Deus e seu cumprimento?” Tenho um palpite com base na experiência de alguns heróis da fé do passado. Sobre Abraão, encontramos o seguinte registro: “O nascimento de Isaque, trazendo a realização de suas mais caras esperanças, após uma espera da duração de uma vida, encheu de alegria as tendas de Abraão e Sara” (Idem, p. 146). Por sua vez, Jacó esperou uma vida por algo que ele nem estava mais esperando: ver outra vez a face de José! Enquanto esperamos – e esta não é uma espera ociosa, mas ativa – Deus Se responsabiliza pelos resultados. Como disse Paulo, “estou plenamente certo de que Aquele que começou boa obra em vós há de completá-la até ao dia de Cristo Jesus” (Fp 1:6). Allan Redpath observou: “a conversão da alma é um milagre que ocorre num instante, mas a formação de um homem santo é tarefa de uma vida inteira”.

Em nossa jornada espiritual, não nascemos como cristãos prontos, apenas iniciamos um longo – e, em geral, doloroso – processo, cujo ponto de partida nos parece claro e definido, enquanto o de chegada só nos ocorre por vislumbre. Alegra-me, porém, o fato de que se nós esperamos, Jesus também espera. Ele espera que confiemos nEle mesmo quando as circunstâncias nos tentam a seguir um caminho inverso. Espera que estejamos completamente engajados na pregação do evangelho; e, principalmente, espera o momento em que Ele virá para nos tirar deste mundo. Quando esse dia chegar, Ele explicará todas as coisas que nos causaram inquietação, e então teremos condições de ver claramente todas as bênçãos que Ele nos concedeu – já não mais sob disfarces! [Créditos da imagem: Renan Martin e Fotolia]

NILTON AGUIAR, mestre em Ciências da Religião, é professor de grego e Novo Testamento na Faculdade Adventista da Bahia e está cursando o doutorado em Novo Testamento na Universidade Andrews (EUA)

Veja também

Cuidar de quem cuida

Programa de gestão de pessoas transforma Hospital Adventista de Manaus na 6a melhor instituição de saúde para se trabalhar no Brasil.