A morte do conhecimento

As pessoas querem sentir, mas não estão dispostas a pagar o preço para saber

A-morte-do-conhecimento---creditos-fotoliaNa edição do dia 23 de abril, o site do jornal O Correio da Manhã, de Lisboa, Portugal, relembrou que abril é o mês do livro. Sob o título “Editores e livreiros realçam importância do dia mundial do livro para vendas do setor”, o artigo enfatiza duas datas de destaque: o dia 2, instituído como dia mundial do livro infantil desde 1967; e o dia 23, que comemora o dia mundial do livro e dos direitos autorais desde 1996. Sendo amante dos livros e da boa leitura, tive a curiosidade de fazer uma pesquisa rápida na internet a fim de verificar como essas datas foram comemoradas no Brasil e no mundo. Para minha surpresa (ou não), elas ficaram relegadas quase a um completo esquecimento, sobretudo se comparadas com as notícias de outros acontecimentos que marcaram o mês de abril.

Coisas desse tipo deixam ecoar o superficialismo que acomete nossa geração. Como afirma Richard Foster, em seu livro A Celebração da Disciplina, “o superficialismo é o mal do nosso tempo”. Numa época em que as informações podem ser obtidas em questão de segundos, com a digitação de uma, duas ou três palavras no Google e um clique no botão enter, refletir com profundidade sobre os principais dilemas humanos é algo que vem perdendo prioridade.

O poeta Eric Donald Hirsch, em seu livro Cultural Literacy: What Every American Needs to Know [Alfabetização Cultural: o que todo americano precisa saber], observa que “boa parte dos estudantes universitários norte-americanos não tem o conhecimento básico necessário para compreender sequer a primeira página de um jornal, ou para agir responsavelmente como cidadãos”. Como frisou o escritor Philip Yancey, “num país que publica mais de 50 mil títulos por ano, é fácil perder a aura quase sagrada que no passado envolvia os livros”.

Será que isso é diferente do que acontece em outras partes do mundo, por exemplo, no Brasil? Creio que não. A propósito, o filósofo Allan Bloom, no livro O Declínio da Cultura Ocidental, argumentou que “por trás desse mal-estar educacional subjaz a convicção universal dos estudantes de que toda verdade é relativa e que, portanto, a verdade não é digna de ser buscada”.

Vivemos num momento em que presenciamos um divórcio entre conhecimento e espiritualidade. As pessoas querem sentir, mas não estão dispostas a pagar o preço para saber. A bem da verdade, isso não melhorou a qualidade de nosso cristianismo. Como acertadamente enfatizou o teólogo alemão Dietrich Bonhoeffer, nosso mundo se tornou palco de um cristianismo sem Cristo, um evangelho sem cruz e uma graça barata. Como Maria no jardim do sepulcro e os discípulos na estrada de Emaús, muitos cristãos falam com o Cristo vivo como se Ele estivesse morto. Porém, diferentemente deles, falta-lhes o mesmo anseio para estar em Sua presença: “Fica conosco”, disseram os dois peregrinos de Emaús. “Mestre!”, exclamou Maria, abraçando-o efusivamente, repleta de incontida emoção. Nas duas histórias, o evangelista destacou o papel das Escrituras como revelador da pessoa e missão de Jesus (Lc 24:25-27; Jo 20:9). O conhecimento de Cristo não está desvinculado de Sua Palavra!

A Bíblia faz uma solene advertência contra o superficialismo: “O meu povo está sendo destruído porque lhe falta conhecimento” (Os 4:6). Por mais estranho que possa parecer, a Bíblia está apresentando uma espécie de atestado de óbito cuja causa da morte é a falta de conhecimento. Quando o conhecimento “morre”, em certo sentido nós também morremos. Para usar as palavras da romancista americana Joan Didion, no livro O Ano do Pensamento Mágico, “informação é controle”. No caso da afirmação bíblica acima, o contexto indica que a passagem se refere especificamente ao conhecimento de Deus. No entanto, é justamente o conhecimento de Deus que dá sentido a todas as outras formas de conhecimento. Talvez, seja esse o pensamento do autor de Hebreus ao citar o texto que se encontra em Jeremias 31:34: “Conhece ao Senhor, porque todos me conhecerão, desde o menor até ao maior deles, diz o Senhor” (Comparar com Hebreus 8:11).

Como disse Philip Yancey, “através dos tempos e gerações, os livros [e eu acrescento, os bons livros] levam pensamentos e sentimentos, a essência do espírito humano”. Jamais percamos essa essência! [Créditos da imagem: Fotolia]

NILTON AGUIAR, mestre em Ciências da Religião, é professor de grego e Novo Testamento na Faculdade Adventista da Bahia e está cursando o doutorado em Novo Testamento na Universidade Andrews (EUA)

Veja também

Cuidar de quem cuida

Programa de gestão de pessoas transforma Hospital Adventista de Manaus na 6a melhor instituição de saúde para se trabalhar no Brasil.

  • Alexandre Rodrigues do Nascime

    Se como povo de Deus mal lemos literatura diversa, secular, quanto mais a Bíblia… cada dia mais estamos perecendo pela falta de conhecimento.