Cresce interesse do brasileiro por literatura religiosa

Coordenadora de pesquisa desenvolvida em âmbito nacional analisa o fenômeno e afirma que ele pede estudo mais abrangente

Retratos da Leitura no Brasil 2015

O crescente interesse por livros religiosos no país foi um dos fatores que chamaram a atenção dos responsáveis pela 4ª edição da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil. Os novos dados divulgados pelo Instituto Pró-Livro na última quarta-feira, 18 de maio, mostram, por exemplo, que vários dos autores e obras mais citados pelos entrevistados têm ligação com religião ou temáticas de cunho espiritual. A lista inclui a escritora norte-americana Ellen G. White (para saber mais, leia: No ranking dos livros e autores mais lidos).

“Esse é um dado muito importante da pesquisa e está em elevação. Se compararmos a edição de 2015 com os levantamentos anteriores, a Bíblia está sendo muito mais citada e os livros religiosos, também. Isso pode ser percebido em todas as faixas etárias, inclusive entre crianças”, afirma Zoara Failla, coordenadora da pesquisa.

De acordo com a socióloga, esse cenário tem despertado o interesse por novos estudos que busquem entender mais profundamente aspectos como a relação entre o crescimento evangélico e a leitura no Brasil. “Gostaríamos de aprofundar esse estudo porque é um fenômeno importante que revela, ainda como hipótese, a elevação de evangélicos e de adeptos de outras religiões”, afirma.

Tais indicadores levaram o Instituto Pró-Livro a incorporar novos dados ao levantamento, a exemplo da identificação da religião dos entrevistados. Nesta entrevista concedida ao portal da Revista Adventista, a coordenadora da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil analisa o fenômeno e também explica qual foi a relação apontada pela pesquisa entre o gosto pela leitura de publicações de caráter religioso e o nível de escolaridade. [Márcio Tonetti, equipe RA]

OUÇA A ENTREVISTA

LEIA TAMBÉM

O Livro dos livros

Check Also

A-privatização-da-fé-slider

A privatização da fé

Entenda por que ela foi confinada à vida particular e de que maneira pode voltar a exercer maior relevância na esfera pública.

  • Laritza Batista

    Amei essa reportagem! Depois que li na revista, vim correndo pra ver a entrevista que pra mim, foi muito reveladora, e agora também estarei mais ligada na RA+ que completa a informação da revista física. Fico muito decepcionada com os números, confesso, achei que o Brasil estaria lendo mais, dado ao número de youtubers leitoras que estimulam esse hábito atualmente. Mas confesso também que pra mim faz muito sentido, porque tenho vivido essa realidade na minha cidade, eu e uma amiga, também apaixonada por leitura, inauguramos uma biblioteca física (pois a possibilidade de empréstimos já existia) na nossa igreja no início de junho deste ano, e até agora só tivemos 3 empréstimos. Vou acompanhar de perto a evolução desses dados e as novas pesquisas que surgirão através deles, para que, se possível, consiga implantar alguma melhoria que contribua para o crescimento desses índices.