Sementes de esperança

Os resultados imediatos da distribuição de livros mostram o potencial dessa iniciativa missionária
amazonas_(2)
Livros missionários também chegaram aos rincões do país. Créditos da imagem: DSA/Unob

“Não sei quem jogou este livro na minha varanda, mas quero agradecer. Quem arremessou tinha certeza de que iria fazer a diferença na minha vida. Meu muro é muito alto, então obrigada pelo esforço! Poucas páginas lidas e já me sinto abençoada por um ensinamento cristão de profundidade.” Essas palavras e uma foto do livro Esperança Viva foram postadas no Facebook por uma advogada de Rio Branco (AC) na mesma tarde do Impacto Esperança. Poucos instantes depois, uma amiga adventista viu a postagem, fez contato com ela e combinaram de continuar conversando sobre temas bíblicos.

Essa é a velocidade dos primeiros resultados, e muitos outros ainda virão. Afinal, mais do que um movimento para distribuir livros missionários, a iniciativa é uma oportunidade para lançar sementes de esperança. Algumas germinam imediatamente, enquanto outras darão seu fruto mais tarde.

Estamos usando todos os meios para cumprir a missão. A tecnologia, através da TV, rádio e internet, tem levado à igreja verdadeiras multidões de pessoas. Mas, por meio dos livros, estamos levando verdadeiras multidões ao encontro das pessoas.

O Impacto Esperança foi o momento dos livros. Nossa igreja tem uma mensagem profunda e isso tem relação direta com a literatura. Nascemos com as publicações e elas continuarão cumprindo um importante papel até o fim. Alguns resultados, porém, já foram visíveis no projeto deste ano:

1. Houve integração de todos. Enquanto nossa rede educacional envolvia os alunos, as editoras saíam com seus servidores. Os hospitais mobilizavam suas equipes, ao passo que nossa mais nova instituição, o IATec (Instituto Adventista de Tecnologia), envolvia seus servidores e familiares. Foram às ruas os Arautos do Rei, os cantores e apresentadores da TV Novo Tempo e os servidores dos escritórios da igreja.

2. A igreja participou unida. De um extremo ao outro do território sul-americano chegavam notícias e fotos. Foi marcante saber que, enquanto um adventista entregava um livro em Santiago, outro entregava em São Paulo. Unidos sempre somos mais fortes, chegamos mais longe e vamos mais rápido.

3. O projeto foi maior que a crise. Além dos 19 milhões de livros impressos para toda a campanha, só a Casa Publicadora Brasileira imprimiu quase 1,5 milhão adicionais, no ultimo mês, para atender pedidos extras. Exemplos como o de Ana Flávia e Ozeas, que reuniram todas as moedas de um real recebidas e dedicaram à compra de livros, e Pedro, que é vendedor ambulante no Rio de Janeiro e comprou mais de mil livros para entregar com as mercadorias vendidas, mostraram que o compromisso com a missão vai além dos desafios econômicos.

A tecnologia, através da TV, rádio e internet, tem levado multidões de pessoas à igreja. Mas, por meio da distribuição massiva de livros, estamos levando multidões ao encontro das pessoas onde quer que elas estejam

4. Houve muita criatividade e ousadia. O livro foi entregue por miniaturas de carros de corrida, “estátuas humanas”, skatistas, ciclistas, motociclistas e até por cachorros. No formato físico, digital e em versões para deficientes visuais e surdos. Alcançamos grandes personalidades e cidadãos comuns por céu, terra e água. Na região dos Jogos Olímpicos, a capa foi especial, e até uma “Esperança Delivery” surgiu no Nordeste do Brasil, com entrega solicitada por WhatsApp.

5. As novas gerações foram às ruas. Foi marcante ver crianças, adolescentes e jovens entusiasmados para sair, assumir sua identidade espiritual e cumprir a missão. Estão crescendo com a missão no coração.

6. O papel das redes sociais foi fundamental. Elas criaram sentimento de corpo, mostrando o tamanho do movimento e espalhando em tempo real as imagens do projeto.

7. Os projetos de saúde criaram pontes positivas. No sábado e especialmente no domingo, milhares de projetos de saúde mostraram que nossa esperança realmente é viva, ativa e faz a diferença na vida das pessoas.

As sementes de esperança foram lançadas e, sem dúvida, darão seu fruto. Vamos continuar unidos e fazendo cada vez mais!

ERTON KÖHLER é presidente da Igreja Adventista para a América do Sul

Check Also

Na-ponta-do-lápis-slider

Fim de ano na ponta do lápis

Saiba como fazer um balanço do ano escolar e ajudar seu filho a ter melhor desempenho em 2017.

  • Wanderley Gazeta

    Um resultado muito especial é a impressão que fica na mente das crianças que participaram, fazendo surgir neles o senso de missão e de engajamento. Isso dará frutos para a sua vida espiritual e para a disposição de alcançar de formas diversas as pessoas. O espirito de união também fica registrado na mente dessas crianças.