Cânticos do segundo advento

A expectativa do iminente retorno de Jesus foi a tônica do louvor congregacional no início do movimento adventista e precisa se refletir na música da igreja hoje 

O canto do Segundo Advento“Mas é fato que havia naqueles dias um poder que foi chamado de canto do Advento [Advent singing], como não se sentiu em nenhum outro. Pareceu-me que nem mãos nem pés se moveram em toda a multidão até que eu terminasse todas as palavras desta longa melodia. Muitos choraram, e o estado de sentimento foi mais favorável para a introdução dos solenes assuntos daquela noite”.

Populista, emocionalista, demagogo: já podemos começar com as críticas a esse pregador suspeito de usar a música para comover as pessoas. Mas o fato é que esse relato está nas memórias de Tiago White (Life Incidents, 1868, p. 94-95). O cântico citado por ele é “You Will See Your Lord A-coming” (Você verá o Senhor voltando), cuja longa melodia ele costumava cantar antes de pregar. Surgida durante o movimento milerita, a letra dessa música simples reforçava a expectativa pela iminência do advento: 

Você verá o Senhor voltando

Você verá o Senhor voltando

Você verá o Senhor voltando

Dentro de poucos dias

Trata-se de um cântico bastante entoado durante e também depois do movimento milerita dos anos 1840. Esse hino está registrado no atual hinário adventista norte-americano (Seventh-day Adventist Hymnal, nº 438), mas não consta nos hinários adventistas brasileiros, talvez porque o sabor histórico do hino tenha mais sentido ao paladar da terra natal do adventismo.

O entusiasmo gerado pela proximidade do retorno de Cristo para o ano de 1844 parece ter encontrado nos cânticos do advento um elemento propulsor da maneira mais viva de se cantar. Joseph Bates, outro pioneiro do adventismo do sétimo dia, descreveu uma entusiástica reunião campal milerita: “No domingo, havia cerca de dez mil pessoas no acampamento. A pregação clara e solene da segunda vinda de Cristo, e as fervorosas orações e o canto animado dos novos hinos do Segundo Advento, acompanhados pelo Espírito de Deus vivo, enviou emoções tais através do acampamento, que muitos gritavam de alegria” (The Autobiography of Elder Joseph Bates, 1868, p. 265).

Os cultos das reuniões campais eram mais informais. A maneira entusiástica de se cantar os hinos, entremeadas com as típicas exclamações de “Glória” e “Aleluia”, era uma herança do metodismo, denominação que formava boa parte do movimento milerita-adventista. Tamanha demonstração de entusiasmo não surpreende, visto que o próprio John Wesley, pai do metodismo, encorajava a participação do fiel durante o canto congregacional. Nas orientações para o canto que ele anexou ao hinário Select Hymns, de 1761, Wesley estimulava os fiéis a cantar “sem mais vergonha de ser ouvidos, como quando vocês cantavam as melodias de Satanás”. O que Wesley pretendia era que as energias outrora despendidas em canções seculares e profanas fossem canalizadas para o canto entusiasmado na igreja ou em outros lugares.

Não se pode omitir que o reavivamento espiritual e a esperança do advento produziram um fervor popular sem precedentes. E mesmo que alguns líderes mileritas advertissem suas congregações quanto a demonstrações de fanatismo, havia facções que tendiam à histeria. Nas reuniões campais que aglomeravam milhares de pessoas, os apelos à conversão e os sermões sobre a proximidade do juízo final suscitavam reações coletivas que misturavam o fervor com a euforia, e muitas pessoas se atiravam ao chão.

Tiago White observou excessos emocionais em Watertown, Massachussetts, no verão de 1844, relatando “movimentações estranhas” e pessoas gritando em voz “alta e incessante como se fossem cavalos”. No entanto, se o ardor espiritual que ele notou parecia sobrecarregado de excessos físicos e emocionais, ele demonstrou ter outra opinião sobre a forma entusiástica de entoar as músicas do Segundo Advento: “A reunião [em Exeter, outubro de 1842] foi grande, com tendas numerosas, pregava-se de forma clara e poderosa, e as melodias do Segundo Advento possuíam um poder como nunca antes testemunhado em canções sacras” (Life Incidents).

Quem aguarda o retorno de Cristo e quem tem a missão de anunciar o evangelho do Reino a todo o mundo está ligado ao cordão umbilical dos seus pioneiros. Eles não mediam esforços para cumprir a missão nem mediam entusiasmo para entoar um cântico. Pense nisso quando for compor uma música que fale do advento ou quando estiver cantando a bendita esperança.

JOÊZER MENDONÇA, doutor em Musicologia (UNESP) com ênfase na relação entre teologia e música na história do adventismo, é professor na PUC-PR e autor do livro Música e Religião na Era do Pop

Check Also

A-privatização-da-fé-slider

A privatização da fé

Entenda por que ela foi confinada à vida particular e de que maneira pode voltar a exercer maior relevância na esfera pública.