Compromisso com a lição de casa

Evento discute estratégias para impulsionar número de assinantes da lição da Escola Sabatina e fortalecer o contato diário dos fiéis com o guia de estudos da Bíblia

Líderes da Escola Sabatina e administradores da igreja no Brasil se encontraram na CPB para estabelecer estratégias de divulgação do Projeto Maná. Foto: Márcio Tonetti
Líderes da Escola Sabatina e administradores da igreja no Brasil se encontraram na CPB para apresentar estratégias de divulgação do Projeto Maná. Foto: Márcio Tonetti

Com mais de 160 anos de existência, a Escola Sabatina é uma das estruturas mais antigas da Igreja Adventista. Ao que se sabe, as primeiras iniciativas organizadas surgiram em Rochester, Nova York (EUA), em 1853, dez anos antes de a denominação ser oficializada. De lá para cá, esse importante departamento da igreja se fortaleceu, tornando-se uma escola bíblica mundial que reúne membros da igreja, bem como alunos não adventistas.

Como explica o diretor mundial do departamento, pastor Ramon Canals, a Escola Sabatina continua exercendo um papel essencial. Além de promover o companheirismo entre os membros e motivá-los à missão, é responsável pela educação religiosa de pessoas de todas as faixas etárias.

Pastor Ramón Canals, líder mundial da Escola Sabatina, foi um dos convidados do evento. Foto: Márcio Tonetti
Pastor Ramon Canals, líder mundial da Escola Sabatina, foi um dos convidados do evento. Foto: Márcio Tonetti

Trimestralmente, os mais de 19 milhões de fiéis espalhados pelo mundo são motivados a estudar um tema bíblico por meio da lição da Escola Sabatina. Na opinião de Canals, essa prática tem sido fundamental para manter a unidade teológica da igreja. “Sem a Escola Sabatina, a Igreja Adventista estaria fragmentada. Creio que seria um caos se cada região produzisse seu próprio guia de estudos. Mas hoje você pode ir à China, África, Índia, Rússia ou a qualquer outro lugar do mundo: todos estão estudando a mesma lição”, destaca Canals, que foi um dos palestrantes de um encontro que reuniu líderes da Escola Sabatina e administradores da igreja no Brasil nos dias 29 e 30 de junho na Casa Publicadora Brasileira (CPB).

Organizado pela Divisão Sul-Americana (DSA), em parceria com a editora adventista, o encontro deu ênfase especialmente ao Projeto Maná, programa que nasceu há quatro anos com o intuito de incentivar os membros a fazer a assinatura do guia de estudos e a ter contato com ele diariamente (clique aqui para ter acesso aos materiais de divulgação do programa). Hoje, somente no Brasil, circulam 700 mil exemplares da lição da Escola Sabatina. E a meta para o ano que vem é chegar a 800 mil assinaturas.

Porém, conforme ressalta o pastor Edison Choque, líder sul-americano do departamento, paralelamente ao desafio de aumentar o número de pessoas com acesso ao material está a dificuldade de melhorar o índice de estudo diário. “Atualmente, a média nos oito países que compõem a Divisão Sul-Americana é de 30%. Índice que ainda considero muito baixo”, observa o idealizador do Projeto Maná.

Diante desse cenário, ao longo da programação foram apresentadas diversas iniciativas que têm contribuído para melhorar esses indicadores. O trabalho feito por Verônica Cunha foi um dos que ganharam destaque.

Verônica Cunha: Advogada carioca é uma das grandes apoiadoras do Projeto Maná. Com seu incentivo, 100% dos membros da igreja que frequenta hoje são assinantes da lição da Escola Sabatina. Foto: Daniel de Oliveira
Verônica Cunha: Advogada carioca é uma das grandes apoiadoras do Projeto Maná. Com seu incentivo, 100% dos membros da igreja que frequenta hoje são assinantes da lição da Escola Sabatina. Foto: Daniel de Oliveira

Depois de assistir a um treinamento sobre o Projeto Maná, ela se prontificou a divulgar o programa de maneira mais estratégica em sua congregação. Buscando facilitar o processo para os membros, ela cuida de toda a parte burocrática. Anota pedidos, efetua a compra na editora e recebe todas as encomendas em sua casa. Verônica usa o próprio cartão de crédito para adquirir os materiais e oferece aos assinantes a possibilidade de parcelar o valor da compra em três vezes.

Este é o terceiro ano que a advogada oferece esse tipo de apoio. E, segundo ela, a cada ano o número de assinantes aumenta. “No primeiro foram feitas 84 assinaturas, no segundo, 179. Em 2016, graças a Deus 100% dos membros da igreja possuem o guia de estudos”, comemora.

Verônica também relata que na ocasião em que a ideia foi colocada em prática somente 10% dos cerca de 280 fiéis de sua comunidade estudavam a lição diariamente. Somado a isso, havia o problema do baixo índice de presença nas classes. Mas, de acordo com ela, essa realidade tem mudado. “Hoje a frequência dos alunos à Escola Sabatina aumentou e o índice de estudo diário chegou a 42%. O ideal é atingirmos 100% já que todos têm a lição. Mas entendemos que esse é um processo gradual”, afirma Verônica, que trabalha na defensoria pública.

SAIBA MAIS SOBRE A INICIATIVA DE VERÔNICA CUNHA

Alcançando comunidades remotas

No caso das igrejas de Eirunepé, no Estado do Amazonas, o maior desafio para que os membros tivessem acesso ao guia de estudos era a distância. No município localizado a mais de mil quilômetros de Manaus, os Correios não chegam. A solução encontrada pela sede administrativa adventista que atende esse imenso território foi investir num sistema logístico alternativo. “Hoje as lições chegam à Associação Central Amazonas e, posteriormente, são enviadas para o município por meio de transporte aéreo. O custo é alto, mas vale a pena, tendo em vista que hoje os irmãos têm acesso à lição da Escola Sabatina”, afirma o pastor José da Silva Júnior, responsável pelos departamentos de Escola Sabatina e Ministério pessoal.

Segundo ele, o resultado do fortalecimento da Escola Sabatina foi perceptível na região de Eirunepé, onde vivem aproximadamente 600 adventistas. “Se, há alguns anos, o distrito era bastante inexpressivo no contexto adventista, atualmente é um dos que mais cresce. Além de ter uma boa média de estudo diário da lição, registra um número expressivo de batismos”, o pastor acrescenta.

Mais comunhão e profundidade teológica

Encontro de Líderes da Escola Sabatina - 13- creditos Márcio Tonetti
Pastores Erton Köhler e Edison Choque reforçam a meta para o próximo ano: 800 mil lições da Escola Sabatina circulando pelo Brasil. Foto: Márcio Tonetti

Na opinião do pastor Erton Köhler, que proferiu várias palestras durante o encontro, ter uma igreja mais comprometida com o estudo diário da lição da Escola Sabatina é o primeiro passo para revitalizar o “coração da igreja”. “Nossa expectativa é fortalecer a comunhão em casa, a solidez bíblica e doutrinária e, a partir daí, começar um movimento para tornar mais atraente o programa da igreja local. Mas isso será consequência das duas primeiras ênfases”, o pastor Köhler realça.

O líder sul-americano também acredita que esse seja o caminho para que os membros adquiram uma base doutrinária mais consistente. Pelo fato de os guias de estudo serem produzidos pelos principais teólogos adventistas e passar por um processo bastante criterioso, que começa na sede da denominação, nos Estados Unidos, a igreja tem à disposição um alimento espiritual sólido e confiável. “Infelizmente, nos púlpitos das igrejas ainda se percebe a dificuldade de pregar sobre temas mais profundos da Bíblia. O estudo da lição da Escola Sabatina é um fator chave para sair da superficialidade”, o pastor Erton destaca.

VEJA TAMBÉM

Incentivo a mais

Homenageado pelo apoio ao Projeto Maná, o pastor José Carlos de Lima, diretor geral da CPB, ressaltou o compromisso da editora em fortalecer a cultura do estudo da Bíblia por meio da lição da Escola Sabatina. “Temos usado diferentes meios de comunicação para chamar a atenção das pessoas para a importância desse manual de estudos da Bíblia, além de apoiar iniciativas como o programa de televisão Lições da Bíblia”, afirma.

Encontro de Líderes da Escola Sabatina - 16- creditos Márcio Tonetti
Editora responsável pela publicação da lição da Escola Sabatina no Brasil lança novos materiais para incentivar membros da igreja a ter contato diário com o estudo da Bíblia. Foto: Márcio Tonetti

Ao longo de todo o encontro, a CPB também apresentou diversas novidades que devem contribuir com esse objetivo. Uma delas é uma versão do guia de estudos com letra gigante. Segundo o diretor do departamento de Vendas da editora, pastor João Vicente Pereyra, inicialmente o material será comercializado de forma avulsa nas livrarias da editora. Ele também aproveitou para lembrar que nos últimos anos a CPB investiu na lição em áudio, visando a atender deficientes visuais.

Na ocasião, também foi lançada a versão atualizada do aplicativo da lição da Escola Sabatina. De acordo com o gerente de marketing, alguns recursos foram aprimorados. “Por exemplo, na versão anterior, quando havia uma letra capitular, não era possível selecionar todo o texto. Sempre faltava uma letra. Agora isso foi corrigido. Também procuramos melhorar a integração do app com as redes sociais”, Pereyra informa.

Outra novidade anunciada durante o evento foi o projeto de digitalização de todos os exemplares da lição da Escola Sabatina desde 1908. O acervo, que em breve deve começar a ser estruturado, será uma importante fonte de pesquisa para a igreja.

Encontro histórico

Foi a segunda vez em quase 20 anos que líderes da Escola Sabatina de todo o Brasil participaram de um encontro como esse na editora. Embora o evento tenha tido um caráter mais promocional, também houve espaço para reforçar alguns dos conceitos tratados no 1º Simpósio de Escola Sabatina realizado nos dias 18 e 19 de maio.

Voto tomado pela Divisão Sul-Americana propõe a integração das estruturas da Escola Sabatina e dos Pequenos Grupos no discipulado. Clique na imagem para ler o documento na íntegra.
Voto tomado pela Divisão Sul-Americana propõe a integração das estruturas da Escola Sabatina e dos Pequenos Grupos no discipulado. Clique na imagem para ler o documento na íntegra.

Uma das principais ênfases foi na questão do discipulado. Conforme destacou o pastor Everon Donato, líder sul-americano do Ministério Pessoal, a igreja na América do Sul pretende integrar mais a estrutura da Escola Sabatina e de Pequenos Grupos, buscando tornar mais efetivo o processo de fazer discípulos. “Uma vez que o discipulado acontece no contexto pessoal, comunitário e congregacional, entendemos que a Escola Sabatina e os Pequenos Grupos devem caminhar juntos com esse propósito”, Everon Donato sintetiza.

“Queremos inserir a Escola Sabatina e os Pequenos Grupos na moldura do discipulado, pois esses dois canais nos ajudarão a ser mais eficientes”, o pastor Erton Köhler acrescenta.

Conforme expressa um documento votado no mês de maio pela Divisão Sul-Americana e lido durante o encontro na CPB, a igreja pretende investir especialmente nos professores das classes como agentes discipuladores. “Cremos que a pessoa mais influente na igreja seja o professor da Escola Sabatina. Por isso, as próximas ações mostrarão claramente nossa intenção de investir mais nesses líderes”, o pastor Edison Choque reforça. [Márcio Tonetti, equipe RA / Com fotos de Daniel de Oliveira]

VEJA OUTRAS FOTOS DO EVENTO

Veja também

Cuidar de quem cuida

Programa de gestão de pessoas transforma Hospital Adventista de Manaus na 6a melhor instituição de saúde para se trabalhar no Brasil.