O queridinho dos chineses

Cereal produzido por indústria de alimentos adventista torna-se popular na China após aparecer em programa de TV

weet-bix
O produto aparece no episódio 21 do seriado chinês Ode to Joy. Crédito da imagem: YouTube

O cereal matinal mais popular da Austrália, Weet-Bix, produzido pela Sanitarium Health and Welbering Company, uma indústria alimentícia adventista australiana, tornou-se o queridinho dos chineses. A procura disparou após o alimento aparecer em um programa de televisão. Segundo as reportagens, os empreendedores australianos estão enchendo os carrinhos de compras com caixas do Weet-Bix para revender em sites de comércio chinês. O produto é rico em fibras e com baixo teor de açúcar.

“No site Yoycart, semelhante ao eBay, as caixas de 1,4 kg do cereal estão sendo vendidas por 39 dólares, enquanto os pacotes de 1 kg por 28 dólares”, relatou o jornal Daily Telegraph. Já nas lojas australianas, duas caixas tamanho família são vendidas entre 3 e 4 dólares. O jornal, localizado em Sydney, também disse que o site está colocando “Algumas descrições criativas de um cereal simples, como um vendedor chamando de ‘Weet-Bix, o cereal australiano adocicado pronto para comer’ e uma ‘ode à alegria com café da manhã’”.

Aumento da demanda preocupa consumidores australianos. Crédito da imagem: Divulgação Weet-Bix
Aumento da demanda preocupa consumidores australianos. Crédito da imagem: Divulgação Weet-Bix

Inventado em 1926, o alimento ficou popular na China depois que uma personagem da série Ode to Joy comeu uma tigela de cereal em um episódio recente. O drama moderno, baseado em um romance homônimo, narra as histórias de cinco jovens mulheres de origens sociais diferentes que moram no mesmo apartamento e buscam sucesso em Xangai. A música que dá nome ao seriado é o tema principal do quarto movimento da Nona Sinfonia de Beethoven, conhecida pelos adventistas pelo hino “Jubilosos Te adoramos” (HASD, 14). A melodia também é o hino oficial da União Europeia.

O aumento da demanda chinesa provocou preocupações entre alguns consumidores australianos que encontraram as prateleiras vazias assim como no ano passado em que virou uma febre a busca por comidas de bebês. Porém, o gerente-geral da Sanitarium, Todd Saunders, disse que não há razão para pânico sobre uma possível falta de Weet-Bix. “Queremos garantir aos nossos clientes que, apesar do aumento de procura pelo produto, a Sanitarium tem capacidade para continuar a fornecer nossos parceiros”, disse Saunders à revista Adventist Record.

O gerente disse que tem visto a crescente demanda desde que começou a exportar Weet-Bix para a China, o maior mercado consumidor de alimentos e bebidas do mundo. “Dos 42 países para os quais exportamos Weet-Bix, a China é o nosso maior mercado de exportação”, disse o gerente, sem fornecer número precisos. “Nós estamos animados para ver mais chineses escolhendo o mais amado e confiável cereal da Austrália para o seu desjejum diário.” [Andrew McChesney, da Adventist Review / Com tradução e adaptação de Camila Torres)

Check Also

A-privatização-da-fé-slider

A privatização da fé

Entenda por que ela foi confinada à vida particular e de que maneira pode voltar a exercer maior relevância na esfera pública.

  • Nando Di Médice

    Superbom, traz pro Brasil! kk