Somos o amor

Depois de 12 anos, 3,5 mil jovens adventistas paulistas se reúnem numa campal para celebrar o engajamento na missão, a unidade e renovar o compromisso com a pregação do evangelho

campal aérea 3
Visão aérea da concentração do evento. Crédito: Tiago Lima

Doze anos depois do último encontro de jovens adventistas da União Central Brasileira, realizado em 2004, na Estância Árvore da Vida, em Sumaré (SP), a terceira campal do Estado de São Paulo reuniu mais de 3,5 mil acampantes nos dias 21 a 24 de julho, no Unasp, campus Engenheiro Coelho. O evento será lembrado pelos participantes como a campal da consagração para a missão e interação digital. Segundo a equipe de comunicação da sede paulista da igreja, somando todas as redes sociais utilizadas no evento, cerca de 1 milhão de pessoas foram alcançadas com o conteúdo e as transmissões ao vivo em 360 graus disponibilizadas durante os três dias de acampamento.

A música que inspirou os jovens no evento foi a versão em português de By Our Love (For King & Country). Com o nome de Somos o Amor, a canção faz parte do CD Celebra São Paulo deste ano. O CD foi produzido por Felipe Arco, aluno de música do Unasp. O evento contou com a presença de vários cantores e grupos musicais, como 7mus, Rafaela Pinho, Laura Morena, Felipe Tonasso, Prisma Brasil, Jeferson Pillar, Art’Trio e Projet’art.

Programação

tocha campal
A educadora adventista Ana Cieba e o pastor Domingos Sousa, líder da Igreja Adventista no estado de São Paulo, na abertura da campal com a tocha olímpica.

Com o tema “Paixão extrema”, a abertura foi realizada na noite de quinta-feira, 21, com a participação especial de Ana Cieba. A educadora adventista, que carregou a tocha olímpica na cidade de Indaiatuba pela manhã, levou a chama para celebrar o início do evento, seguido por uma queima de fogos. O pastor Ronaldo Arco, líder dos jovens adventistas paulistas, esteve nas outras duas campais. A primeira foi realizada em 1989. Ele explica que naquela época, o evento contemplou muitas brincadeiras e jogos. Já em 2004, foram realizados muitos projetos comunitários e reuniões de testemunhos. Para a edição de 2016, o foco estabelecido foi a celebração da missão cumprida pelos jovens até o momento e na capacitação deles para pregar o evangelho.

Para tanto, durante a sexta-feira e o sábado, os congressistas participaram do chamado Circuito de Ministérios, uma série de seminários de capacitação nas áreas de evangelismo, dons, discipulado, voluntariado e liberdade religiosa. Para Italo Vieira, líder de jovens da Igreja do Parque Paulistano, de São Paulo, a palestra que mais chamou a atenção foi a da advogada Damaris Moura, presidente da Comissão de Direito e Liberdade Religiosa da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) no Estado de São Paulo. “É extremamente importante para um jovem adventista defender o direito de crença de qualquer pessoa, mesmo que seja diferente do que ele acredita ser verdade. Ser cristão é acima de tudo respeitar a liberdade que a outra pessoa tem de escolher seguir ou não a Jesus Cristo”, aponta. Vieira explica que desde o começo do ano, os 25 jovens de sua igreja estão engajados no projeto Geração 148.

A tarde de sexta-feira foi dedicada à recreação. Cerca de mil participantes fizeram um tour guiado pelos alunos do Unasp para conhecer melhor o campus que hoje atende mais de 6 mil alunos. Na sexta à noite, houve um momento solene: investidura de líderes de jovens. O pastor José Maria Barbosa, que atuou como líder do Ministério Jovem na sede sul-americana da igreja, foi homenageado na programação, que contou com uma encenação sobre os pioneiros do movimento adventista.

Durante os três dias do evento, aconteceram batismos, entre eles um casal que, no mesmo dia, 22, declarou os votos perante o juiz na parte da manhã, e à noite, perante Deus. O encerramento aconteceu no domingo, 24, pela manhã. Toda programação terminou por volta das 11h.

Conectados

campal live
Estrutura montada para a equipe de comunicação, onde aconteceram as transmissões ao vivo e entrevistas com os convidados.

Organizada desde maio do ano passado, a campal 2016 teve cobertura que surpreendeu até mesmo os organizadores. Para o diretor de comunicação da sede paulista da igreja, o pastor e publicitário Odailson Fonseca, “os meios de comunicação tornaram a campal um extraordinário evento mundial.” A equipe recebeu mensagens do Iraque, Alemanha, Suíça, Líbano, Estados Unidos, Austrália e Canadá. Para o comunicador, que conduziu o programa de todos os cultos, o momento mais marcante foi na sexta à noite, quando ele pregou e fez um apelo missionário. “O silêncio absurdo daquela multidão me emocionou. Ali percebi de maneira muito clara que nós temos uma geração extraordinária”, realça. Em sua mensagem, Odailson enfatizou que cumprir a missão dada por Cristo de ir até os confins da Terra inclui alcançar os vizinhos. E sintetizou: “você só tem a chance de uma vida para torná-la eterna.”

De geração em geração

Em cada ponto da campal era possível encontrar um testemunho. A líder de jovens da Igreja de Vila Rio Branco, Sheila Misseno, por exemplo, esteve no evento com a filha, Thainá. Para ela, o encontro foi uma oportunidade incrível. “Ver minha filha se emocionar e se motivar a trabalhar para a volta de Jesus é muito gratificante”, ressalta.

campal bullón
Pastor Alejandro Bullón fala aos jovens adventistas do estado de São Paulo cerca de 25 anos depois da primeira campal da UCB.

O objetivo é que as campais sejam realizadas a cada cinco anos a partir de agora. “Se Jesus não voltar antes, em 2021 queremos realizar a próxima campal”, completa o pastor Ronaldo Arco. Para o líder, o momento mais impactante foi o sermão do pastor Alejandro Bullón: “Trinta anos atrás eu ouvi ele fazendo as mesmas observações. Ele ficou impressionado com a reverência dos jovens.”

O evento contou com a presença do pastor Carlos Campitelli, líder dos jovens adventistas sul-americanos, e de outros representantes da denominação em nível nacional e mundial. [Camila Torres, equipe RA / Fotos: UCB]

VEJA OUTRAS IMAGENS DO EVENTO

Check Also

A-privatização-da-fé-slider

A privatização da fé

Entenda por que ela foi confinada à vida particular e de que maneira pode voltar a exercer maior relevância na esfera pública.