Os adolescentes e a Bíblia

Pesquisa revela qual é a percepção desse público sobre as Escrituras e como eles se relacionam com o livro sagrado
Pesquisa ouviu 1.013 adolescentes entre 13 e 17 anos de 50 estados norte-americanos no mês de maio deste ano. Créditos da imagem: Fotolia
Pesquisa realizada em maio deste ano ouviu 1.013 adolescentes entre 13 e 17 anos de 50 estados norte-americanos. Créditos da imagem: Fotolia

Uma nova pesquisa realizada nos Estados Unidos pelo Instituto Barna, em parceria com a Sociedade Bíblica Americana revelou como o público adolescente vê o livro sagrado e como se relaciona com ele. Segundo o estudo intitulado 2016 Teen State of Bible, sete em cada dez adolescentes possuem uma Bíblia e 86% encaram o livro como literatura sagrada. Por outro lado, apesar de 63% dos adolescentes afirmarem que leem a Bíblia pelos uma vez por ano, somente 3% disseram ter contato diário com o livro.

A pesquisa também buscou mostrar os hábitos de leitura desse público. De acordo com o levantamento, 46% preferem ler a Bíblia por meio de smartphones ou outros dispositivos móveis, 35% através da internet, 33% em aplicativos e 16% por meio de podcast. Porém, a maioria (70%) ainda prefere a versão impressa.

No contexto brasileiro, os adolescentes também parecem manifestar diferentes opiniões e gostos quanto ao formato da Bíblia. A estudante Karolyn Ferraz, de 15 anos, faz parte do grupo que opta pela versão impressa. “Com a Bíblia de papel, não perco a minha concentração e fico menos agitada. Além disso, posso fazer anotações e grifar”, justifica.

Já Gustavo Barbino, de 13 anos, explica porque costuma acessar o livro sagrado no celular: “Consigo encontrar os textos mais rapidamente”, diz.

Percepção sobre a Bíblia

No que diz respeito à opinião dos adolescentes sobre as Escrituras, a pesquisa mostrou que 47% dos entrevistados consideram a Bíblia um guia para a vida.

Gustavo compartilha dessa mesma visão. Ao falar sobre o que a Bíblia representa para ele, o adolescente usa a analogia do GPS. “Através da Palavra posso saber o caminho certo a seguir”, afirma.

“É difícil eu ficar sem ler ao menos um versinho por dia”, acrescenta Karolyn.

O incentivo da família

Um relacionamento profundo com a Bíblia nessa fase da vida depende do trabalho incansável dos pais no sentido de criar nos filhos esse hábito. “Se dentro de casa os filhos tiverem o referencial de pais leitores da Bíblia, há grande possibilidade de seguirem o exemplo”, ressalta o pastor André Ferreira.

Elaine Aguiar tem consciência da importância que exerce na formação da vida espiritual dos filhos. “Depois que começamos a nos reunir diariamente para estudar as Escrituras, percebo o quanto meus filhos estão animados para se envolverem nos programas da igreja”, relata.

A mãe também criou um método para incentivar os meninos a entrar em contato com a Bíblia. “Sugeri que copiassem um capítulo por dia e, desde que começaram, já pude perceber como mudaram o comportamento”, comemora. Segundo ela, os filhos se tornaram mais obedientes e amorosos, além de adquirirem maior desenvoltura para falar sobre os temas e as histórias bíblicas.

O pastor Ferreira argumenta que a Bíblia possui muitas lições que podem ajudar os adolescentes a passar por essa desafiadora fase da vida. “Por trazer histórias de personagens que foram desafiados e venceram por confiarem em Jesus, ela serve de motivação, mostrando que é possível ter êxito”, frisa. Elaine acrescenta que, por meio do contato com o livro sagrado, eles também têm a chance de não somente mirarem bons exemplos, mas de refletir sobre as consequências de suas escolhas.

Como ressalta o pastor André Ferreira, para que a atual geração de adolescentes se transforme em cristãos que desempenharão papéis de relevância na sociedade de amanhã, é imprescindível que eles estejam sujeitos à influência da Bíblia hoje.

THAÍS ALENCAR é estudante de Jornalismo no Unasp, campus Engenheiro Coelho (SP)

Veja também

Sinal digital

Canal da TV Novo Tempo em São Paulo entra em contagem regressiva para adotar novo modelo de transmissão.