Detentos ajudam a construir igrejas

Projeto de ressocialização é desenvolvido por empresário adventista do interior de São Paulo
Créditos da imagem: Suellen Timm
Empresa estabeleceu unidades ao lado de Centros de Ressocialização. Créditos da imagem: Eduardo Valiante

Blocos, telhas, cimento, areia, pedras e piso. Construir um templo requer uma lista infindável de produtos e, consequentemente, de fornecedores. A empresa de seu Abelardo de Oliveira é uma das que têm fornecido matéria-prima para a edificação de igrejas adventistas no oeste do Estado de São Paulo.

O material produzido pela fábrica é usado não somente na construção de templos mas também de unidades escolares e casas populares. Mesmo com a recessão econômica e a desaceleração do setor de construção civil, o empresário não perdeu a visão social.

LEIA TAMBÉM: Luz na prisão

O diferencial é que Oliveira tem em seu quadro de funcionários vários detentos e ex-presidiários. Algumas unidades da empresa funcionam, inclusive, ao lado de presídios. O empresário adventista começou com uma pequena fábrica e em pouco tempo expandiu a empresa, que hoje conta seis filiais espalhadas pela região.

A ideia de incluir presidiários no quadro de servidores começou na unidade que mantém em Araraquara, logo depois que o governo implantou no município um Centro de Ressocialização, projeto que abriga presos com bom comportamento e que estão prestes a sair da prisão, visando a reinseri-los na sociedade e a reduzir os elevados índices de reincidência no crime.

Enquanto na maioria das penitenciárias brasileiras quase metade dos presos voltam ao mundo do crime assim que conquistam a liberdade, no CR de Araraquara a taxa de reincidência não passa de 4%. “Já trabalho há quase 15 anos com presos no CR e só me lembro de ter visto um ou dois voltarem ao mundo do crime”, recorda Oliveira.

A empresa, que iniciou o trabalho com uma unidade exatamente ao lado do presídio, não demorou para fechar parcerias com outros centros de ressocialização, como aconteceu em Nova Europa, cidade em que o empresário reside.

A ideia é oferecer um espaço no qual os reeducandos trabalhem respeitando as regras do CR. Embora a empresa tenha mecanizado algumas etapas da produção, continuando fabricando algumas peças de maneira artesanal a fim de envolver os detentos no processo.

Oliveira conta com o apoio da família para administrar o empreendimento. O filho, Caio, é o braço direito do pai. Formando em Engenharia Mecânica, o rapaz fabrica e conserta as máquinas usadas na empresa da família.

O rapaz também ajuda a gerenciar o grupo de funcionários que auxilia no reparo e manutenção das máquinas. Marcelo Quirino, ex-presidiário, faz parte da equipe. Ele garante que, assim que muitos detentos recebem a liberdade, têm dificuldade para conseguir emprego, o que leva boa parte deles a voltar ao crime.

Quirino decidiu fazer diferente. Assim que cumpriu pena, foi convidado para trabalhar na empresa. Funcionário dedicado, ele confessa que não tem dinheiro que pague a oportunidade de ganhar o sustento de maneira honesta e pode recomeçar a vida depois de anos vivendo atrás das grades. “É bom quando você tem alguém que confia em você e no seu trabalho. Aqui somos tratados como um funcionário comum. Isso faz a diferença”, Quirino garante.

Sonhos

Créditos da imagem: Suellen Timm
Além de oferecer trabalho, Oliveira apresenta aos reeducandos uma nova perspectiva sobre a vida. Créditos da imagem: Eduardo Valiante

O empresário adventista afirma que, embora o projeto já tenha possibilitado a transformação de algumas pessoas, o plano é fortalecer sua dimensão evangelística. “Trabalhamos duramente, mas isso não é tudo. Quero mostrar para eles o que realmente vale a pena na vida”, destaca.

Com esse objetivo em mente, Oliveira quer começar a fazer do talento administrativo um ministério que promova transformação de maneira integral. “Quero mostrar que trabalhar duro para ter dinheiro não é o mais importante. O verdadeiro segredo do sucesso é colocar Deus em primeiro lugar”, ressalta.

SUELLEN TIMM é jornalista e trabalha como assessora de comunicação da Igreja Adventista na região oeste do Estado de São Paulo

Veja também

Vida em outro planeta

Nossa morada definitiva será em algum lugar distante de todo barulho que se faz aqui deste lado do Universo.