Surpresa no lixo

Como um livro missionário que alguém jogou fora chegou às mãos de um jovem em busca de respostas
livroMissionario-Vagner Carriel
Membro de uma igreja evangélica por 25 anos, Vagner aceitou a mensagem adventista por meio do livro A Grande Esperança. Hoje ele trabalha no setor de Acabamento da CPB. Foto: Márcio Tonetti

Desde criança, o paulista Vagner Carriel da Rosa sempre gostou de ler. Aos 25 anos já tinha lido a Bíblia três vezes de capa a capa. Entretanto, por mais amistosa que fosse sua relação com os livros, ele nunca imaginou que um dia pudesse trabalhar num local em que milhares deles são produzidos; tampouco que muitas dessas obras passariam pelas suas mãos antes de chegar aos leitores.

Vagner é funcionário do setor de acabamento da Casa Publicadora Brasileira, em Tatuí (SP). Porém, há aproximadamente quatros anos, sua vida era totalmente diferente. O jovem trabalhava numa fábrica de brinquedos no município de Capela do Alto (SP).

Mas foi justamente por causa de um livro que a história dele ganhou um novo capítulo. Era o ano de 2012. Após um dia normal de trabalho na antiga empresa, Vagner caminhava com destino à sua casa quando teve o olhar voltado para a seguinte cena: à beira do caminho, ao lado de sacolas de lixo rasgadas, havia vários livros espalhados pelo chão. Embora a maioria deles estivesse em péssimas condições, o rapaz conseguiu encontrar um exemplar menos danificado e o guardou na mochila. “A capa chamou minha atenção, pois trazia várias imagens do planeta em estado caótico. Também fiquei curioso por causa do título, A Grande Esperança, seguido de uma frase provocadora: ‘Viva com a certeza de que tudo vai terminar bem’”, lembra.

Porém, Vagner só percebeu que se tratava de literatura religiosa quando chegou em casa e começou a folheá-la. O fato de o material fazer referência a várias passagens da Bíblia levou o jovem a ler o livro conferindo texto por texto.

Mas foi só depois de aproximadamente quatro meses que Vagner descobriu mais informações sobre a origem do material. Isso aconteceu quando ele foi convidado por Danilo de Oliveira Souza, um colega de trabalho adventista, a participar de uma vigília interdistrital que seria realizada pela igreja em Araçoiaba da Serra, município vizinho.

No início da tarde daquele sábado, antes da grande concentração de fiéis, Danilo e Vagner se juntaram a um grupo de pessoas que estava saindo para distribuir livros missionários e convidar os moradores para o evento. Foi nesse momento que as coisas se esclareceram. “Quando mostramos o livro que seria entregue, tivemos uma grande surpresa diante da reação dele”, contam Reisner e Neiry Martins. Vagner garantiu que se tratava exatamente do mesmo livro que ele havia encontrado no lixo. Impressionado com a descoberta, pela primeira vez ele saiu às ruas para compartilhar a mesma esperança que encontrara tempos atrás. “Eu nunca havia distribuído livro. Apesar da minha história com aquela literatura, não sabia exatamente o que dizer às pessoas. Mas fiquei empolgado com a experiência”, confessa.

Dali em diante, semanalmente Vagner passou a frequentar a Igreja Adventista de Capela do Alto, da qual fazia parte o casal que havia convidado o jovem para distribuir livros durante o evento em Araçoiaba da Serra. Sentindo-se como se já fosse um membro da denominação, ele se mostrou fiel aos ensinamentos bíblicos. E teve que pagar um preço alto por essa decisão. Diante da exigência da empresa para que trabalhasse nos fins de semana, ele expôs suas novas crenças e disse que, a partir daquele momento, não trabalharia entre o pôr do sol da sexta e o de sábado. A obediência ao quarto mandamento custou seu emprego.

Desempregado, mas convicto de sua nova fé, Vagner foi batizado pouco tempo depois. Sua decisão exerceu influência na vida de outras pessoas. Mais tarde, a esposa, Lauzenir, também se tornou adventista. Além disso, como fruto de sua conversão, cinco membros da comunidade evangélica que ele frequentava também aceitaram a mensagem e foram batizados na igreja de Capela do Alto.

Ao olhar para trás e ver como Deus mudou o roteiro de sua história por meio de uma literatura que alguém havia jogado fora, ele se sente privilegiado por hoje poder trabalhar numa instituição que distribui milhares de livros para todo o Brasil. “Agradeço a Deus todo momento por essa oportunidade e oro para que Ele leve outras pessoas a conhecer as verdades bíblicas por meio dos materiais que produzimos”, conclui Vagner, enquanto verifica o acabamento do livro missionário que será distribuído em 2017, com o título Em Busca de Esperança.

MÁRCIO TONETTI é jornalista e atua como editor associado da Revista Adventista

Check Also

A-privatização-da-fé-slider

A privatização da fé

Entenda por que ela foi confinada à vida particular e de que maneira pode voltar a exercer maior relevância na esfera pública.