Fim de ano na ponta do lápis

Saiba como fazer um balanço do ano escolar e ajudar seu filho a ter melhor desempenho em 2017
Créditos da imagem: Fotolia
Créditos da imagem: Fotolia

Enquanto a maioria dos professores corre contra o tempo para fechar as notas, muitos alunos já comemoram o fim de mais um ano letivo. No entanto, é possível que para alguns o saldo não seja tão positivo. Que tal fazer um balanço do ano escolar do seu filho?

Primeiramente, sente-se com ele e verifique se todas as atividades foram realizadas ou se ainda existem pendências. Depois, avalie o grau de compreensão a respeito de alguns dos assuntos estudados. Ao fazer isso, tente perceber se tudo que foi assimilado e aprendido se reflete nas notas e nos conceitos.

Porém, é importante lembrar que as notas se constituem apenas uma parte do processo, mas que nem sempre têm correspondência recíproca com a aprendizagem. O que isso quer dizer? Que uma boa nota não significa necessariamente que houve aprendizagem efetiva e vice-versa.

LEIA TAMBÉM: Saiba como lidar com o TDAH, transtorno que afeta crianças e adultos

Nesse momento de análise e reflexão, caso os resultados não sejam bons, ainda é possível fazer algo? Se sim, dialogue abertamente com os professores, com o orientador escolar e com o coordenador pedagógico, a fim de buscar não somente a recuperação da nota, mas acima de tudo a aprendizagem necessária para subsidiar a etapa escolar seguinte. Se não, cabe aprender com o erro, para que haja diferença de postura e ação no novo ano.

Algumas atitudes tomadas pelos pais podem ajudar a melhorar o rendimento escolar dos filhos:

  • Diminua o acesso das crianças à internet, TV e games até que atinjam o objetivo esperado. Porém, é fundamental que os pais dialoguem com os filhos sobre o motivo de tal decisão, a fim de conduzi-los à reflexão e resolução do problema.
  • Mantenha uma relação mais próxima com seu filho. Frequentemente, pergunte como foi a aula, o que ele aprendeu, do que mais gostou e o que não achou interessante.

Por outro lado, há recomendações importantes a ser seguidas pelos próprios estudantes:

  • Separe ao menos uma ou duas horas por dia para estudar e recapitular os conteúdos. Porém, é importante dedicar tempo para atividades de lazer e exercícios físicos diariamente;
  • Peça ajuda aos professores, ou ao orientador educacional, a fim de saber como estudar cada matéria. Cada disciplina tem uma forma de ser estudada. Por exemplo, a matemática requer prática, resolução de problemas. Por sua vez, redação se aprende lendo e escrevendo;
  • Busque na internet conteúdos relacionados com os temas estudados. Porém, é preciso ter disciplina para manter o foco e não dispersar em meio a tanta informação;
  • Siga uma ordem de urgência. Priorize o que deve ser estudado primeiro.

Na realidade, se essas dicas fossem praticadas ao longo de todo o ano propiciariam maior engajamento dos alunos e mesmo da família, resultando em um bom desenvolvimento escolar.

Também vale lembrar que cada escola tem uma cultura de comunicação. O manual do aluno, bem como os murais, circulares, e-mails, newsletters, mensagens e faixas são alguns dos instrumentos que podem compor os meios de interação entre a escola, alunos e pais. Devem ainda ser considerados o Projeto Político Pedagógico e o Regimento Escolar. Esses documentos são essenciais para um relacionamento mais significativo, no qual cada parte compreende bem seu papel.

Para que o aluno tenha sucesso, unir forças é o melhor caminho. Quando a família, o aluno e a escola estão de mãos dadas, os resultados podem surpreender!

Não é preciso esperar as notícias do último bimestre para se aproximar da escola. Independentemente do desenvolvimento do aluno, família e escola devem estar sempre unidas, dialogando, trocando ideias, buscando apoio uma na outra para beneficiar o filho, o aluno, o cidadão.

Família bem informada e atuante auxilia no desenvolvimento da comunidade escolar e isso independe do status social que ela possa ocupar. Família e escola ativas quase sempre geram alunos ativos. E quem ganha com isso? Todos nós!

NÁDIA TEIXEIRA é mestre em educação, psicopedagoga e pedagoga. Trabalha na CPB como coordenadora pedagógica da Universidade Corporativa da Educação Adventista

Veja também

Pela primeira vez no Brasil

Fórum mundial adventista de novas tecnologias da comunicação está com as inscrições abertas.