Declaração de consenso

Documento sintetiza os principais pontos da interpretação adventista referente à carta de Paulo aos Romanos abordados no Simpósio Bíblico-Teológico Adventista

Durante o encerramento do 12º Simpósio Bíblico-Teológico Sul-Americano, realizado na Universidade Adventista del Plata (Argentina) entre 27 de abril e 1º de maio, foi votada a chamada “Declaração de consenso”, documento que sintetiza os principais pontos da interpretação adventista referente à carta de Paulo aos Romanos abordados no simpósio que reuniu pastores, professores, estudantes, líderes da igreja e renomados teólogos. Confira a seguir o vídeo que mostra o momento da aprovação e o texto da declaração na íntegra.

LEIA O DOCUMENTO NA ÍNTEGRA

UNIVERSIDADE ADVENTISTA DEL PLATA
Faculdade de Teologia
XII Simpósio Bíblico-Teológico Sul-americano
27 de abril—1º de maio de 2017

DECLARAÇÃO DE CONSENSO

“O justo viverá pela fé”

Aprovada no XII Simpósio Bíblico-Teológico Sul-americano
Universidade Adventista del Plata, Libertador San Martín
Entre Ríos, Argentina

Em celebração ao quingentésimo (500o) aniversário da Reforma liderada por Martinho Lutero, a Faculdade de Teologia da Universidade Adventista del Plata realizou o XII Simpósio Bíblico-Teológico Sul-americano nos dias 27 de abril a 1º de maio de 2017, sob o lema “o justo viverá pela fé”, no contexto da Epístola aos Romanos.

Fundamentados no “evangelho de Deus” exposto na referida epístola, os participantes do simpósio aprovaram a seguinte declaração de consenso:

Nós, os participantes do XII Simpósio Bíblico-Teológico Sul-americano, no cenário do conflito cósmico entre Cristo e Satanás e da missão confiada à igreja remanescente,

  • Reafirmamos que Paulo, na Epístola aos Romanos, expõe os grandes princípios do evangelho de Deus e apresenta a doutrina da justificação pela fé em Cristo (Rm 1:16, 17; 3:21-31).
  • Reafirmamos nossa convicção de que Deus é o Criador do Universo e o Soberano sobre todas as coisas. Porém, em sua liberdade, os seres humanos não o glorificaram como Deus. Mudaram a verdade de Deus em mentira, honrando e adorando as criaturas em lugar do Criador, caindo em todos os tipos de perversões (1:7, 9, 10, 18, 19, 21-24; 16:25-27).
  • Reafirmamos o ensino paulino de que todos, sem exceção, pecaram e se encontram destituídos da glória de Deus. Embora consiga fazer o que é moral e eticamente correto, o ser humano não pode resolver o problema do pecado e sua consequência, a morte (3:9-18, 23; 7:14-24).
  • Reafirmamos que o que era impossível à natureza humana caída Deus tornou possível ao enviar seu Filho, para que a justiça da lei se cumprisse em nós, que não vivemos segundo a carne, mas segundo o Espírito (7:14-24: 8:3, 4).
  • Reafirmamos nossa convicção de que Deus enviou a Cristo Jesus como expiação por meio de seu sangue, a fim de que Ele seja justo e o justificador daquele que tem fé em Jesus (3:21-26).
  • Reafirmamos a certeza de que somos justificados gratuitamente pela graça de Deus, sem obras da lei, mediante a redenção que há em Cristo Jesus, que se encontra à destra de Deus intercedendo por nós (3:21-24; 8:34).
  • Reafirmamos que por meio da lei, que é santa, justa, boa e eternamente vigente, vem o conhecimento do pecado e da necessidade de Cristo para justiça de todo aquele que crê (3:20; 7:7, 8, 12; 10:4).
  • Reafirmamos que no batismo somos sepultados e ressuscitados juntamente com Cristo para uma nova vida vitoriosa, a fim de que não sirvamos mais ao pecado (6:1-12).
  • Reafirmamos que a justificação não resulta em licença para que o crente pratique um estilo de vida pecaminoso. A obra transformadora do Espírito no crente é “para a fé”, capacitando-o a pensar, atuar e viver em conformidade com a lei de Deus, para santificação (1:5; 6:1-18; 8:5-11).
  • Reafirmamos que Deus revela seu amor aos pecadores, adotando-os como filhos e libertando-os dos poderes dispostos contra eles na dimensão presente do grande conflito. E, muito mais, Ele os conduz a um estado de glória vindoura na volta de Jesus, à liberdade esplêndida dos filhos de Deus (8:18-21; 16:20).
  • Reafirmamos aceitar e viver a ética de amor, que Deus propõe a seus filhos. Isso se faz evidente em relacionamentos fraternos e serviço por meio dos dons espirituais de todos os membros do corpo de Cristo, um só corpo, a igreja, o Israel de Deus (11—15).
  • Reafirmamos que a salvação em Cristo Jesus é oferecida a todos os seres humanos, sem distinção, e os que o aceitam pela fé são chamados a fazer parte do povo de Deus (1:16; 2:11, 14-16; 3:22-25; 4:11, 12; 12:4, 5; 10:12, 13; 11:17-24).
  • Reafirmamos nossa confiança e segurança de que em todas as coisas Deus opera para o bem dos que o amam e são chamados conforme seu propósito (8:28-39).
  • Reafirmamos nossa certeza de que a consumação de nossa salvação eterna na segunda vinda de Jesus está mais próxima do que quando cremos (8:18-20; 11:25-27; 13:11, 12; 16:20).
  • Reafirmamos nosso compromisso total com a proclamação do evangelho eterno, o qual é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê. Ao anunciá-lo, a graça e a justiça de Deus estão sendo reveladas, pois, como dizem as Escrituras, “o justo viverá pela fé” (1:16, 17).

UNIVERSIDADE ADVENTISTA DEL PLATA
Faculdade de Teologia

Libertador San Martín, Entre Ríos, Argentina
1º de maio de 2017

Veja também

Sou ministro da música. E agora?

Entenda por que esse trabalho precisa ser encarado como um ministério.