Prévia do Impacto

Seiscentos funcionários da CPB distribuem 80 mil livros em cidades do interior paulista. Culto na editora inspirou o grupo para a arrancada missionária
Os 10 anos do projeto Impacto Esperança foram comemorados pelos servidores da Casa Publicadora Brasileira com distribuição de livros em cinco cidades da região. Foto: William Moraes

Depois de meses de trabalho para editar, revisar, diagramar, imprimir, embalar e enviar quase 17 milhões de livros missionários para todo o Brasil, foi a vez de os 600 funcionários que trabalham na planta da Casa Publicadora Brasileira (CPB), em Tatuí (SP), saírem para entregar a obra Em Busca de Esperança para o leitor final, em cinco cidades próximas à editora.

VEJA TAMBÉM

Para distribuir os primeiros 20 mil exemplares doados pela CPB e seus funcionários para as igrejas da região, os servidores tiveram um expediente diferente na tarde da última terça-feira, 23 de maio. Depois de participarem de um culto inspirador com vários testemunhos de conversão por influência do livro missionário, eles viajaram em 12 ônibus para as cidades de Pereiras, Iperó, Guareí, Cesário Lange e Torre de Pedra. O grupo contou com a ajuda de 100 motociclistas do AMM Brasil (Adventist Motorcycle Ministry), líderes regionais e nacionais da igreja, além dos pastores distritais e a equipe administrativa do Colégio Adventista de Tatuí.

De casa em casa

O pastor Erton Köhler, líder sul-americano da igreja, também participou da distribuição de livros promovida pela editora adventista nas cidades da região. Foto: William Moraes

Lá, os funcionários abordaram os moradores nas ruas, praças, casas e comércios. Com o mapa da cidade em mãos, o objetivo foi alcançar todas as residências da zona urbana dos municípios. Estima-se que 76 mil pessoas vivem nessas cinco cidades e em todas elas existe uma congregação adventista.

Em Pereiras, por exemplo, os motociclistas foram recebidos pelo prefeito Miguel Tomazela. O grupo chamou a atenção na cidade de 7,5 mil habitantes. Acostumados a pegar estrada para participar de projetos missionários, alguns deles se deslocaram do Paraná, Santa Catarina, Distrito Federal e de outras regiões de São Paulo, com recursos próprios, para apoiar o trabalho da CPB.

Integrantes do AMM oram pelo prefeito de Pereiras (SP). Foto: Daniel de Oliveira

Iniciado há 13 anos, o ministério dos motociclistas adventistas é reconhecido pela sede mundial da denominação, e conta com representações em vários países. No Brasil, o trabalho social e evangelístico realizado pelo grupo foi organizado há quatro anos e já tem a adesão de mil membros, segundo Ivonil Machado, diretor nacional do AMM.

A cidade de Iperó, que tem pouco mais de 33 mil habitantes, recebeu três ônibus com funcionários da editora. Bem tratados por um povo acolhedor e que mostrou conhecer a TV Novo Tempo e a igreja adventista local, os servidores fizeram bons contatos. Existe ali uma boa expectativa da comunidade adventista local, que já possui terreno próprio e agora trabalha na construção de um templo.

Os demais 60 mil livros doados por meio de uma campanha interna da editora serão distribuídos amanhã, 27, no dia da grande mobilização sul-americana, em mais quatro cidades da região: Porangaba, Boituva, Cerquilho e Tatuí, município em que está sediada a CPB. “A razão da nossa existência como editora é alcançar as pessoas. Entregar os livros nas ruas é completar a obra que iniciamos dentro da CPB. É uma emoção muito grande fazer esse contato com a população”, resumiu o pastor José Carlos de Lima, diretor-geral da CPB.

Pastor José Carlos de Lima, diretor geral da CPB, entrega livro para moradora de Iperó (SP). Foto: William Moraes

Culto inspirador

Mas antes de sair para bater de casa em casa, os servidores se reuniram no restaurante da instituição, auditório provisório da editora enquanto a nova capela é construída. A partir de um palco montado, tendo um painel com dez metros de comprimento de fundo, foi transmitido ao vivo pela internet um programa motivacional de duas horas. Toda essa produção se justificou pela data. Em 2017, o projeto Impacto Esperança completa dez anos. Iniciativa que nos últimos anos tem levado a igreja para as ruas e inovado uma tradicional estratégia evangelística adventista: a distribuição de livros. E não foram poucos exemplares: cerca de 123,3 milhões, impressos e entregues, somente no Brasil

Pastor Uilson Aleixo (à dir.): história de conversão influenciada pelo livro Os Dez Mandamentos foi um dos testemunhos apresentados no programa. Foto: Daniel de Oliveira

Esses números expressivos fizeram da ocasião uma oportunidade para agradecer a Deus pelo alcance do projeto e refletir sobre o poder transformador da literatura. Uilson Aleixo testemunhou sobre isso. Descrente em Deus e interessado em ufologia, ele teve contato com o livro Os Dez Mandamentos. A leitura do material mexeu com ele porque quando estudou numa universidade luterana, foi obrigado a preparar dois trabalhos para a disciplina de religião, um sobre o livro bíblico de Êxodo e outro sobre a história e as crenças da Igreja Adventista. “Deus me encontrou onde eu estava, afundado na superstição”, relatou ele na programação. Batizado seis meses depois de ter recebido o livro, perdeu o emprego, foi colportar e cursou Teologia. Hoje Uilson é pastor de 21 igrejas no interior do Tocantins, sendo quatro delas em comunidades de índios apinajés.

Outro testemunho que levou vários servidores às lágrimas, foi o da advogada criminalista Mirian Késia. Vivendo em Rio Branco, no Acre, onde havia se decepcionado com um pastor, ela havia jurado para si mesma que não pisaria mais numa igreja. Até que na campanha de 2016 dois jovens jogaram um livro sobre o muro da casa dela pelo fato de não terem encontrado ninguém na residência.

Não sabendo quem havia lhe dado o exemplar, naquele mesmo dia Késia postou no Facebook um agradecimento pelo presente. Qual não foi sua surpresa quando poucas hora depois havia vários comentários de adventistas em sua postagem. A repercussão do caso levou uma equipe da CPB até o Acre para conversar com Késia e apresentar-lhe os jovens que haviam visitado sua casa. O encontro emocionante foi acompanhado por um apelo em vídeo feito pelo pastor Ivan Saraiva, autor do livro missionário do ano passado. Késia, que já tinha sido impressionada e convencida pela leitura do livro, tomou a decisão de ser batizada. A cerimônia foi realizada em novembro, numa reunião administrativa na sede sul-americana da igreja.

Agora trabalhando como diretora financeira de um hospital em Balneário Camboriú (SC), ela tem procurado influenciar outras pessoas com aquilo que aprendeu, a começar pela filha de dez anos que, no programa na CPB, disse perceber mudanças sensíveis no comportamento da mãe. “Mudei de dentro para fora”, confessou Késia. Ela, que foi diretora de um presídio no Acre, disse que tem distribuído livros missionários entre a população carcerária e visto mudança de vida até mesmo em líderes de facções criminosas. Emocionada e de forma eloquente, Késia estimulou os servidores para a distribuição: “Esse livro vai colocar um exército nas ruas. É assim que me sinto, um soldado de Cristo.”

Campanha global

Motivadores também foram os relatos compartilhados pelo pastor Wilmar Hirle, brasileiro que atua como vice-diretor do departamento de Publicações da sede mundial adventista, na região de Washington (EUA). Entrevistado pela jornalista Ágatha Lemos durante a transmissão, ele falou sobre a origem do projeto e o alcance global dele. A igreja tem manifestado grande interesse nessa iniciativa em países como a Rússia, onde existe uma versão do material para crianças, jovens e adultos. Hirle compartilhou ainda a experiência de Cuba, país em que o salário médio é de 30 dólares mensais, mas onde os adventistas se planejam para distribuir milhares de exemplares. Na China, segundo o líder o mundial, apenas uma pessoa comprou recentemente 1 milhão de livros e na Coréia do Sul devem ser distribuídas 1,5 milhão de cópias.

No bate-papo com a jornalista, o pastor Erton Köhler, líder da igreja para a América do Sul, e grande incentivador do projeto no subcontinente, lembrou que o Impacto Esperança não tem que ver apenas com uma data, mas com um movimento missionário. “Essa é uma forma de unir a igreja em torno de um desafio e levá-la para as ruas, algo que está cada vez mais difícil”, pontuou Köhler.

Ele ressaltou ainda dois fatores de sucesso do projeto: o preço do livro, o valor de um real por exemplar tem sido mantido pela CPB mesmo em meio à crise do país, e o tamanho da mobilização. “As pessoas querem participar de algo relevante. E quando elas veem milhares de pessoas saindo à ruas, elas vão também”, completou. No recado final aos servidores, o líder destacou que em momentos de crise política e econômica como a que o Brasil está vivendo, é mais do que oportuno falar de esperança.

Amanhã, em todo o Brasil, devem ser distribuídos mais de 16 milhões de livros Em Busca de Esperança, uma adaptação do clássico História da Redenção, de Ellen G. White. Para saber mais sobre essa primeira década do projeto, acesse: adventistas.org/impacto10anos/pt. E para acompanhar a mobilização em tempo real, clique aqui.

WENDEL LIMA é editor associado da Revista Adventista

Veja também

A marca da igreja

Manual traz orientações gerais de como apresentar a igreja em cartazes, sites, outdoors e em qualquer peça de comunicação.