Força para recomeçar

Livro reforça a convicção de que, em meio aos descompassos da vida, é possível viver uma nova experiência
A maior contribuição do livro é apresentar com riqueza de detalhes o significado pessoal e universal do encontro de Jesus com o paralítico no tanque de Betesda

Lidar com os fracassos da vida parece ser um desafio maior do que as pessoas possam aguentar. Elas se perguntam: Existe um bem supremo? A maldade é explicável? Não encontrando respostas satisfatórias, muitas acabam se entregando ao desânimo e vivendo uma amarga frustração. O que fazer para superar nossos dramas pessoais? Como ir adiante quando tudo parece refletir apenas desarmonia e desespero? É possível reverter o quadro?

Fernando Beier, autor do livro Crise Espiritual (2013) e do recém-lançado Experimente um Recomeço, ambos pela CPB, acredita ser possível viver uma nova experiência, não importando os descompassos que a vida apresentar. Sua proposta, entretanto, não é incentivar o leitor a buscar algo místico ou que esteja fundamentado no que o ser humano pode construir por si mesmo. As experiências vividas em seu ministério pastoral e as pesquisas realizadas ao longo dos anos sobre as inquietações do ser humano o levaram a consolidar o pensamento de que, antes de mais nada, as pessoas precisam entender que todos estamos envolvidos em uma grande e terrível guerra, na qual o bem e o mal estão em luta constante.

No decorrer dos 13 capítulos da obra, o autor usa como pano de fundo o encontro de Jesus com o paralítico junto ao tanque de Betesda – uma experiência que ele considera uma miniatura do drama em que a humanidade está mergulhada. Em cada capítulo, Beier espelha as condições do paralítico e as situações inesperadas com as quais ele mesmo lidou. Em vários momentos, o autor expõe os receios e dúvidas que lhe atravessavam a mente na hora em que precisava responder, com sabedoria, a pessoas aflitas. Sem dúvida, sua maior contribuição em Experimente um Recomeço é a riqueza de detalhes que tornam o texto ainda mais interessante e atual. A simples frase “Jesus, ­vendo-o deitado” (Jo 5:6) serve para estabelecer ­conexões com vários outros relatos dos quais ele extrai lições de vida e reflexões teológicas com as quais talvez nunca nos tenhamos deparado.

Com habilidade e usando fontes seguras como a Bíblia e os escritos proféticos, o autor mostra que a guerra entre o bem e o mal, que teve início no Céu, é real e continua em andamento na Terra. Desde que o inimigo soube do plano divino para salvar os seres humanos, por meio de Jesus, ele decidiu não apenas atingi-los com todo tipo de dor, mágoa e sofrimento, mas também culpar Deus por isso. Machucar a humanidade e separá-la do Criador certamente tem sido o principal objetivo de Satanás desde que ele usurpou das mãos de Adão e Eva o domínio deste mundo.

No entanto, Jesus veio a fim de mudar para sempre o destino do ser humano. Ele veio para mostrar que é possível a esperança ressurgir no coração quando ela está firmada em Alguém muito maior e mais poderoso do que nós. Mesmo quando tudo parecer apenas escuridão, uma luz ainda brilhará para conduzir os filhos de Deus ao novo amanhã.

Quase 2 mil anos atrás, em um lugar improvável, a personificação do Bem absoluto desfez o poder do mal e ofereceu a oportunidade de recomeço a alguém que não tinha nenhuma expectativa quanto ao futuro. Ao ouvir a ordem do Salvador, o paralítico não questionou. Apenas aceitou e obedeceu. O resultado foi uma vida inteiramente transformada. A fé do homem, unida ao amor de Deus, continua sendo uma fórmula eficaz para tornar reais os anseios mais profundos do coração.

O autor é enfático e convincente em sua conclusão: “Caso ainda exista uma parcela de esperança no coração, é possível experimentar um recomeço.”

TRECHOS

“Jesus entrou pela porta dos fundos da história, sem ser notado. Logo se misturou a uma gente em nada diferente de seus antepassados teimosos e obstinados. Se tivesse que ganhar o coração de alguém, não seria pela força nem demonstração de poder. Trabalharia com a quantidade de fé existente no interior de cada pessoa e deixaria claro que ser verdadeiramente livre tinha que ver com uma incansável busca pela verdade.”

“A história do paralítico de Betesda nos força a pensar no impacto da guerra entre o bem e o mal. Jesus apareceu naquele lugar para deixar claro para todos o que Ele tinha em mente quanto ao sofrimento dos seres humanos. Sem dúvida, Ele desejava que entendêssemos que o mal não tem a última palavra diante do Bem absoluto. Verdade que pode fazer toda a diferença na luta que enfrentamos nos dias atuais.”

NEILA OLIVEIRA é editora de livros na Casa Publicadora Brasileira

(Texto publicado originalmente na edição de maio de 2017)

Veja também

Conteúdo sob demanda

Gerente de Web da Novo Tempo fala sobre plataforma de áudios e vídeos que vai ajudar a igreja a entender melhor seu público na internet.