Maturidade espiritual

Entenda por que precisamos dela e como alcançá-la
Créditos da imagem: Fotolia

Maturidade espiritual tem que ver com a coerência entre o que professamos, o que vivemos e a relevância para o dia a dia do que acreditamos. Ela marca uma pessoa com traços de sabedoria, paz, confiança e coerência, o que glorifica o nome de Deus. Precisamos ter maturidade porque, sem ela a vida se desajusta, produzindo infelicidade. No entanto, por que muitos não a alcançam? Embora eu não tenha uma resposta, gostaria de sugerir algumas hipóteses.

Porém, antes de entrar nesse ponto, é necessário entender por que precisamos de amadurecimento espiritual. Primeiro, porque é uma ordenança bíblica. Por exemplo, o apóstolo Paulo aponta para a realidade de que a imaturidade espiritual gera problemas (1Co 3) e mostra que o propósito da vida cristã é o amadurecimento (Hb 6:1; Ef 4:11-16). Os livros de Tiago e Provérbios também tratam do amadurecimento espiritual ao se referirem à sabedoria. Segundo, porque o que é vivo e saudável cresce. O crescimento saudável é marcado pela integração de todas as dimensões que envolvem o ser humano. O ideal é que o crescimento físico, intelectual, emocional, técnico, relacional, etc., seja integrado e equilibrado. Por exemplo, uma criança, em algum momento da adolescência, cresce rapidamente. É o famoso estirão. No entanto, esse crescimento físico não é acompanhado igualmente por outras dimensões. Os pais costumam expressar a falta de integração entre o crescimento físico, intelectual e emocional dizendo: “Só tem tamanho!” Isso significa que o tamanho não determina o estado intelectual ou emocional, e que o indivíduo precisa de tempo para que as outras áreas também cresçam e sejam integradas harmoniosamente. Quando isso acontece, o indivíduo se torna um adulto, ou seja, alguém que alcançou certo grau de equilíbrio na integração de suas dimensões.

Chamo a atenção para o fato de que até o momento não toquei no tema espiritual. Isso porque não acredito que ele seja mais um elemento a ser equilibrado juntamente com os outros. Por vezes, listamos o espiritual como mais uma dimensão do ser humano. É comum nos referirmos ao ideal do crescimento físico, mental e espiritual. Contudo, considero equivocado esse raciocínio e penso que, talvez, seja uma das razões da deficiência no que diz respeito ao amadurecimento espiritual.

Ao classificarmos a espiritualidade como uma dimensão do ser humano, cometemos dois erros. Primeiro, a igualamos a outras dimensões (física, intelectual, emocional, etc.). Logo, a dimensão espiritual tem que competir por espaço com outras áreas. Segundo, ao definirmos a espiritualidade como uma dimensão ou categoria da vida humana, automaticamente a excluímos das outras dimensões. Como resultado, o crescimento físico, intelectual ou relacional não é espiritual. Desse modo, impedimos que a espiritualidade permeie todo o ser humano e retiramos, sem perceber, a presença de Deus de certas dimensões do dia a dia das pessoas.

Entre as várias implicações práticas dessa concepção está a ideia de que cuidar do físico não seja uma atividade espiritual. Portanto, quando jogo futebol ou frequento a academia não estou envolvido em uma atividade espiritual. Há também a crença de que, quando frequento a escola, estou crescendo intelectualmente, mas que essa não é uma atividade espiritual. Desse ponto de vista, Deus não tem que ver com essas atividades. Consequentemente, isso tira a responsabilidade espiritual durante essas atividades. A mesma lógica se aplica ao trabalho, bem como aos negócios e relacionamentos.

Ainda dessa perspectiva, pensamos que o amadurecimento espiritual ocorre nas atividades relacionadas com a dimensão espiritual, ou seja, quando dedicamos tempo para a leitura da Bíblia e de outras literaturas, para a oração, e quando frequentamos cultos e nos envolvemos em pequenos grupos, vigílias, estudos bíblicos, entre outras atividades “religiosas”.

Essa lógica parece estar dificultando o amadurecimento espiritual de muitos. Talvez seja mais apropriado, biblicamente coerente e relevante para a vida, entender a espiritualidade como o elemento integrador de todas as dimensões do ser humano. Afinal, é Deus que personaliza o crescimento físico, que dá todo entendimento intelectual e equilibra as emoções. Sem Ele as relações humanas tendem a ser desastrosas. Com essa transformação na maneira de enxergarmos a vida espiritual, existe o potencial de trazermos Deus de volta para todas as dimensões da vida. Se a espiritualidade é um elemento central e integrador, então, malhar, estudar, trabalhar, festejar, namorar, orar, cantar, cultuar ou brincar também podem ser atividades espirituais que, de maneira integrada, contribuem para a maturidade espiritual. Lembre-se de que maturidade espiritual tem que ver com a coerência entre o que professamos e vivemos e com a relevância do que acreditamos.

Se Deus está presente em todas essas atividades e em todos os ambientes, nossa atitude precisará ser coerente com Sua presença. Quando enfrentamos desafios no trabalho ou crises nos relacionamentos, Deus também está envolvido. Assim, a oração como diálogo constante e atitude coerente com a presença divina passam a ser naturais e desejáveis. A aplicação dos princípios e valores bíblicos do Reino de Deus passam a ser requisito indispensável no dia a dia. Como resultado, a fé se torna relevante, transformadora e coerente.

A espiritualidade como elemento central e de integração das várias dimensões da vida parece ser o que estava na mente do apóstolo Tiago quando escreveu: “Considerem motivo de grande alegria o fato de passarem por diversas provações, pois vocês sabem que a prova da sua fé produz perseverança. E a perseverança deve ter ação completa, a fim de que vocês sejam maduros e íntegros” (Tg 1:1-4).

A “prova da fé” acontece nos desafios e realizações, fracassos e sucessos, frustrações e alegrias diariamente, quer sejam no trabalho, nos negócios, nos relacionamentos, na igreja, nos estudos ou na carreira profissional. A vida é sempre espiritual!

PAULO CÂNDIDO é doutor em Ministério e está cursando PhD em Estudos Interculturais no Seminário Teológico Fuller, em Pasadena, Califórnia (EUA)

Veja também

Igreja responde dúvidas sobre documento de conformidade

Diretrizes de como lidar com instituições que não estiverem em conformidade com a Igreja Adventista mundial foram aprovadas nesta semana em reunião administrativa nos EUA.

  • Klyfesson S. Gonzaga

    Muito bom!! Ótima leitura.

  • Ricardo Daniel Alves Lopes

    Texto curto, extremamente objetivo e que faz você pensar de forma diferente