A força do hábito

Entenda a importância de fazer e repetir boas escolhas
Cerca de 40% das nossas ações não são decisões de fato, mas sim hábitos. Créditos da imagem: Fotolia

Aquela era uma sexta-feira especial no internato em que trabalho em Santa Catarina. Os alunos estavam com boa expectativa em relação ao culto e eu orava para que minha igreja fosse abençoada com a mensagem do pregador.

No fim do sermão, foi feito um apelo convidando a ir à frente todos aqueles que gostariam de ser fiéis a Deus. Entre os alunos que se levantaram estava um que nos dava muito trabalho. Ele já havia ido para a comissão de disciplina algumas vezes.

Fiquei muito feliz ao ver aquele garoto chorando, abraçado com os colegas e dizendo que gostaria de mudar de comportamento. A semana seguinte começou e, no meio dela, a triste constatação: aquele aluno infringiu mais uma vez o código de ética do internato e foi convidado a deixar o colégio.

O que aconteceu? Penso que aquele estudante foi sincero ao aceitar o apelo no sermão. O problema foi que faltou a ele a força para confirmar diariamente sua decisão e vencer suas más inclinações. E esse poder não se adquire apenas respondendo positivamente a uma mensagem, mas por meio do que gosto de chamar de hábitos espirituais.

Todo ser humano forma hábitos e são eles que, em grande medida, determinam os rumos da própria existência. William James, psicólogo e filósofo norte­-americano, escreveu em 1892 que “toda a nossa vida, na medida em que tem forma definida, não é nada além de uma massa de hábitos”.

Charles Duhigg, autor do best­-seller O Poder do Hábito (2012), citou um artigo publicado em 2006 por um pesquisador da Universidade Duke (EUA). Segundo o autor, 40% das nossas ações não são decisões de fato, mas sim hábitos. A explicação é que o cérebro humano procura sempre economizar energia, e não pensar muito para fazer algo com que já está habituado é um bom caminho para isso.

É nesse ponto que reside a bênção ou a maldição do hábito. Depois de formado, ele domina você. É por isso que precisamos nos disciplinar para formar bons hábitos, especialmente devocionais. Na sequência, sugiro algumas dicas para tornar mais significativo seu momento com Deus.

Horário. A Bíblia apresenta alguns personagens que tinham um momento diário específico para se encontrar com Deus. Jó, por exemplo, procurava o Senhor de madrugada (Jó 1:5). Repetir o horário ajuda seu cérebro a incluir o devocional em sua rotina.

Local. Todas as vezes que você se encontra com alguém especial, o lugar daquele encontro também fica guardado na memória. Quanto à comunhão com Deus, você pode escolher um sofisticado escritório ou a sombra de uma árvore; o importante é com quem você se encontrará. Estabeleça um “santuário” particular.

Plano. Abrir a Bíblia aleatoriamente, pode ajudar numa situação ou outra, mas não contribuirá para formar um hábito saudável. É essencial que hoje você saiba qual será o trecho da Bíblia que estudará amanhã. Esse planejamento, além de orientar seu crescimento espiritual, dirá ao seu cérebro que esse compromisso é importante e criará uma expectativa positiva em relação ao seu encontro com Deus.

Oração. Embora a oração deva ser uma conversa sincera com Deus, para aqueles que se dispersam facilmente estabelecer um roteiro para a oração, por exemplo, com louvor/agradecimento/confissão/súplica, pode ajudá-lo a ter um momento mais significativo com o Pai.

Repetição. Um hábito só se forma depois de repetirmos uma ação muitas vezes, no mínimo por 40 dias. Faça esforço para manter a rotina dos primeiros quatro passos e perceba Deus atuando em sua vida por meio dos hábitos espirituais para você dominar suas más inclinações.

Mais do que estar relacionado ao sucesso profissional, cuidado com a saúde, relacionamentos e uso do tempo, a formação de bons hábitos tem implicações eternas.

É isso que destaca a escritora Ellen White, no livro Atos dos Apóstolos, página 173. Segundo ela, todos “os hábitos e paixões devem ser postos sob a mais estrita disciplina. A razão, iluminada pelos ensinos da Palavra de Deus e guiada por seu Espírito, tem que assumir o controle”.

FELIPPE AMORIM é pastor da Igreja do Instituto Adventista de Ensino de Santa Catarina (Iaesc) e autor de quatro livros, entre eles O Poder dos Hábitos Espirituais

(Texto publicado originalmente na edição de abril de 2016 da Revista Adventista)

Veja também

Vítima do massacre

Um dos estudantes mortos pelos atiradores em Suzano era adventista.