A melhor dieta

Saiba por que você não deve confiar na pesquisa recente que questionou os benefícios do vegetarianismo
Pesquisa que relacionou consumo de vegetais e doenças é mais uma evidência de que muitas instituições educativas estão mais preocupadas com a exposição na mídia do que com o rigor científico. Créditos da imagem: Fotolia

O resultado de uma pesquisa realizada pela Universidade Cornell (EUA) e publicada no ano passado no periódico científico Molecular Biology Evolution lançou uma sombra de dúvida com relação aos benefícios do vegetarianismo como opção nutricional mais saudável para a dieta humana. Segundo os pesquisadores, uma dieta à base de plantas por muitas gerações poderia acarretar mutações genéticas que aumentariam os riscos de câncer e enfermidades cardiovasculares. As mutações ocorreriam para facilitar a absorção de ácidos graxos essenciais das plantas pelos vegetarianos, elevando no organismo os níveis de ácido araquidônico, que conduziria a processos inflamatórios e câncer. Essa conclusão é totalmente contrária a uma gama de outros estudos científicos referentes ao assunto realizados por várias universidades norte-americanas de prestígio, incluindo a Universidade de Loma Linda, na Califórnia.

LEIA TAMBÉM

Saiu nas páginas da revista Nature

Vegetarianismo em debate

Estilo de vida adventista é destaque no programa Globo Repórter

O estudo comparou a população de Pune (Índia), onde a população segue uma dieta vegetariana por gerações, com a população do estado do Kansas (EUA), onde o consumo de alimento de origem animal é bem alto. O perfil genético mostrou que a população vegetariana tinha 68% do gene variante, enquanto os não vegetarianos tinham apenas 18%. Concluiu-se, assim, que vegetarianos têm maior risco de contrair as enfermidades mencionadas do que os não vegetarianos.

No entanto, uma análise da pesquisa mostra que a conclusão, apesar de alardeada como fato, carece de evidências concretas para respaldá-la. A divulgação do resultado dessa pesquisa, assim como ocorre com muitas outras que abandonam a integridade científica, apela simplesmente para o sensacionalismo editorial, exagerando nas conclusões e omitindo fatos importantes. Vou sintetizar as conclusões que podemos tirar desse estudo:

1. Apesar dos alardes feitos pela mídia, os pesquisadores não coletaram nenhum dado que pudesse relacionar o gene variante com os riscos das referidas enfermidades na população vegetariana.

2. Na verdade, o que eles fizeram foi criar a seguinte hipótese: se o ácido araquidônico está envolvido em processos inflamatórios, pessoas com esse gene variante podem estar em maior risco. Trata-se apenas de uma hipótese sem evidências que a confirmem.

3. Foi levado em conta apenas o fator de ser ou não vegetariano, e ignorou-se a existência de outros fatores importantes da dieta. A população vegetariana referida tem uma dieta muito rica em cereais refinados, açúcar, frituras, bolos e refrescos adoçados, que tendem a aumentar os processos inflamatórios.

4. Foram ignoradas outras pesquisas que provam de maneira contundente os benefícios de uma dieta vegetariana aliada a um estilo de vida saudável.

Bill Harris, professor da Universidade de Dakota do Sul, passou a maior parte de sua carreira estudando os efeitos dos ácidos graxos na saúde e afirma que não há relação entre níveis de ácido araquidônico e câncer em seres humanos. O biólogo teórico Marcus Feldman, da Universidade Stanford, avalia que “a pesquisa em si não indica serem os não vegetarianos mais saudáveis do que os vegetarianos; ela aponta apenas para certa mutação genética ocorrida há muitas gerações”.

Atribuir a essa mutação apenas um fator, sem dados que o respaldem, e diante de dezenas de outros possíveis, nada mais é do que falácia acadêmica. Essa pesquisa é mais um exemplo de como muitas instituições educativas e seus acadêmicos estão mais preocupados com a exposição na mídia do que com o rigor científico. Você pode continuar comendo seus vegetais, pois as pesquisas mais sérias indicam ser essa a melhor dieta!

SILMAR CRISTO é médico, consultor e autor de vários livros sobre saúde e qualidade de vida

(Texto publicado originalmente na edição de junho de 2016 da Revista Adventista)

Veja também

Doador de longa data

Enfermeiro de Loma Linda que doa sangue há 45 anos é homenageado nos Estados Unidos.