A maior necessidade da igreja

Livro apresenta a pessoa e a obra do Espírito Santo de modo profundo e cativante
O livro traz uma abordagem tão ampla quanto minuciosa. É como se oferecesse ao leitor a vista aérea de uma cidade, mas também o levasse a passear por suas ruas e becos

Sábado à tarde, no pátio de uma igreja de São Paulo, eu conversava com um amigo sobre o que cada um mais gostaria de testemunhar entre os eventos futuros. Já faz quase 20 anos, mas aquela conversa me influenciou profundamente. O que ele mais desejava era ver o reavivamento da igreja. Depois de tanto tempo, não me esqueci de seu sonho, que também se tornou o meu.

Ao editar o livro A Revolução do Espírito (CPB, 2016), de alguma forma, essas memórias foram tocadas e me senti desafiado a buscar o Consolador como nunca, junto à igreja. Somente o Espírito Santo pode realizar a mudança tão revolucionária a ponto de nos livrar de nossa miséria espiritual (Ap 3:17). Distante de exaltar qualquer teoria ou estratégia milagrosa, a essência inspiradora do livro está na famosa citação de Ellen White: “Um reavivamento da verdadeira piedade entre nós é a maior e a mais urgente de todas as nossas necessidades” (Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 121).

A obra tem 17 capítulos, divididos em quatro seções: promessa, pessoa, prática e poder. O grande mérito de A Revolução do Espírito é a maneira tão ampla quanto minuciosa de o autor abordar o tema. É como se oferecesse ao leitor a vista aérea de uma cidade, mas também o levasse a passear por suas ruas e becos. Interpreta passagens bíblicas, assim como interliga grandes doutrinas à pessoa e obra do Espírito Santo. O conteúdo é o transbordamento de seu conhecimento mais refinado.

Outra bela característica do livro é seu enraizamento na história e na teologia adventista. Ele não propõe um modismo inconsequente nem um revisionismo histórico artificial e muito menos uma guinada para o misticismo. A começar pela frustração de 1844, ele analisa várias oportunidades de reavivamento desperdiçadas pela igreja ao longo de sua história e contextualiza de forma enriquecedora os conselhos de Ellen White dados na época.

Ron E. M. Clouzet, diretor do Instituto de Evangelismo da Divisão Norte-Americana e professor de Teologia da Universidade Andrews (EUA), demonstra que não é preciso “importar” para o adventismo uma experiência com o Espírito. Contudo, o Consolador ainda espera ser conhecido e recebido plenamente em nosso meio. Segundo o autor, uma das dificuldades para a manifestação plena do Espírito na igreja é a confusão entre fé e sentimento. O batismo do Espírito deve ser recebido pela fé, independentemente de uma “experiência real”, em suas palavras. Por sua vez, a espera pelo sobrenatural se apoia numa “interpretação sensorial dos fatos”, que é perigosa e faz parecer que o Céu está em dívida conosco (p. 126). A revolução tende a ser mais discreta do que imaginamos.

O autor também enfatiza a necessidade de quebrantamento. A ação revolucionária do Espírito não pode ocorrer sem confissão, oração persistente e até mesmo “luta” com Deus. Foi o que fizeram adventistas de Murmansk, uma cidade russa da zona polar: encontravam-se às seis da manhã e oravam em meio ao frio cortante, pedindo pelo fogo missionário do Espírito. Resultado? A minguante igreja local cresceu 1.000% e ainda deu vida a outras seis congregações (p. 32, 33).

Histórias impressionantes como a de Murmansk são a marca do livro. O camponês Gao Hung Tse, analfabeto, orou pedindo que Deus o capacitasse, de alguma forma, a pregar o evangelho, até que ouviu uma voz dizer “leia o Salmo 62”. Mike, um consagrado ancião de igreja, visitou todos os dias ao longo de seis semanas um membro dissidente afastado, orando por ele, até que o resgatou. A filha biológica de um casal de missionários suecos descobriu a história da morte precoce de sua mãe, na África. Os raros contatos evangelísticos de sua mãe com um menino da aldeia à qual não podiam ir provocaram tamanha onda de graça que, finalmente, salvou seu ex-marido prestes a morrer ateu.

O estudo bíblico, teológico e histórico do livro, entremeado com histórias tocantes num estilo agradável, convida à leitura e ao exame das Escrituras. Serve tanto para a edificação pessoal quanto para a pesquisa em grupo. As perguntas ao fim de cada capítulo são um bom guia. Sem dúvida, A Revolução do Espírito é uma das melhores referências adventistas sobre a pessoa e a obra do Consolador.

VEJA ALGUNS TRECHOS DA OBRA

“O fruto do Espírito é milagroso: tem nove sabores. Na verdade, é o amor revelado de múltiplas maneiras, assim como um arco-íris que é visto em várias cores graças à luz do sol.”

“Cristo nunca operou milagres como atalho para a fé. Para edificar a fé, Ele dava um estudo bíblico.”

DIOGO CAVALCANTI é jornalista, pastor e editor de livros na Casa Publicadora Brasileira

(Texto publicado originalmente na edição de junho de 2016 da Revista Adventista)

Veja também

Projetos humanitários

Conheça algumas iniciativas da ADRA que têm ajudado a promover o desenvolvimento social e econômico em países africanos e asiáticos.