Religiosos sem religião

Num cenário de grandes mudanças, como alcançar aqueles que valorizam a espiritualidade, mas rejeitam a igreja
Crédito: Fotolia

Entre os estudos recentes que têm buscado entender os rumos da religião, da espiritualidade e da visão de mundo nos países de cultural ocidentalizada, a pesquisa “Fé e Crenças na Austrália” é um dos mais completos. Publicado em maio, ele confirma tendências reveladas em pesquisas anteriores nos Estados Unidos e no Brasil e aponta alterações significativas no cenário religioso cristão. Ao analisar essas mudanças e suas implicações percebemos desafios e oportunidades para a igreja.

No centro dessa transformação está uma declaração cada vez mais comum: “sou espiritual, mas não religioso”. As pesquisas classificam esse grupo crescente de pessoas como “não religioso”, “sem filiação religiosa”, “sem religião” ou “espiritual, mas sem religião”.

Afinal, o que isso quer dizer? Não há um consenso. Alguns argumentam não ser possível separar espiritualidade e religião. Essa ambiguidade levou a antropóloga social Regina Novaes a se referir ao “religioso sem religião” (para saber mais sobre sua pesquisa, clique aqui). O que está claro é a característica comum de desencanto e suspeita para com instituições e tradições religiosas. Eles “amam a Jesus, mas não a igreja” (para ler a pesquisa mais recente sobre esse grupo, clique aqui).

Não é segredo que o momento social atual é de desconfiança e questionamento das diversas instituições que organizam e administram a sociedade contemporânea. Corrupção, interesses próprios, ganância, violência e injustiça parecem ter se tornado sinônimos para instituições econômicas, políticas, de segurança pública, jornalísticas, esportivas, educacionais e religiosas. Essa percepção é mais marcante entre os da geração Y (23-37 anos), também conhecida como Millennial, e da geração Z (7-22 anos) ou iGeneration. Eles são jovens, educados, urbanos e sofisticados.

Por que a igreja deveria considerar seriamente esse grupo? Na Austrália esse grupo já corresponde a 46% da população. Nos Estados Unidos, em 2004, já alcançava os 22,8% e no Brasil, segundo o Censo de 2010, 8% dos brasileiros. Isso corresponde a quase 17 milhões de pessoas, número maior do que a população da cidade de São Paulo. Se esse grupo fosse considerado uma religião, ela apareceria como a terceira maior do país, atrás somente de católicos e evangélicos.

Apesar desse cenário, a fé está em alta. Porém, com contornos diferentes. A crença em um Deus criador, único e que controla o Universo, bem como práticas espirituais (oração, meditação, contemplação da natureza, entre outras) estão presentes nesse grupo. Aliás, as pesquisas revelam não haver diferença entre esse grupo e aos tradicionais membros de igrejas. O que os diferencia é o fato de sua fé e prática serem exercitadas de maneira pessoal e privada. Qualquer atitude que crie identificação com grupos religiosos (frequência a cultos, leitura da Bíblia ou de livros de cunho religioso, por exemplo) é evitada.

A aversão dessas pessoas à religião está ligada à descrença em autoridades centralizadas. Sua atitude é de abandono da filiação e identificação com qualquer organização religiosa e seus padrões, regras e normas. Apesar disso, esse não é um abandono de Deus e sim da religião institucional como fonte de autoridade espiritual. O que esse grupo busca é uma relação direta com o divino sem intermediários. Para eles existe espiritualidade além das paredes da igreja.

Esse grupo representa um cenário de grande oportunidade, pois reúne milhões de pessoas de fé que não pertencem a nenhuma igreja. Em contrapartida, essa oportunidade é precedida por um grande desafio. Para esse grupo crescente de pessoas, a igreja que demoramos séculos para construir, com esforço e luta em defesa da crença, não faz sentido algum e precisa justificar a necessidade de sua existência.

Como a igreja deve agir diante de tais mudanças? É exatamente sobre isso que vamos refletir nos próximos meses.

PAULO CÂNDIDO é doutor em Ministério e está cursando PhD em Estudos Interculturais no Seminário Teológico Fuller, em Pasadena, Califórnia (EUA)

Veja também

Corrida da Novo Tempo

Rede adventista de comunicação irá promover evento para incentivar estilo de vida saudável.  

  • Paulo Candido de Oliveira

    Caro Cesar, obrigado pela sugestão.

  • André Almeida

    Eu sou uma dessas pessoas fora da igreja, e digo sem sombra de dúvidas: GRAÇAS A DEUS!