Bíblia em 3D

Aplicativo usa tecnologia para apresentar o plano da salvação aos nativos digitais
Além das narrativas audiovisuais interativas, a ferramenta permite que usuários se conectem com instrutores bíblicos

Na era dos nativos digitais, as adaptações são constantes e as mudanças na forma de se comunicar ocorrem o tempo todo. Tudo gira em torno do digital, do tecnológico e da velocidade. Cinco segundos é o tempo que geralmente se tem para fisgar a atenção dessas pessoas, seja numa propaganda, numa foto ou num vídeo. Se o conteúdo não atrai, é logo descartado. Nesse contexto, recursos como imagens em 3D ou 4D, trilha sonora e riqueza de detalhes fazem a diferença.

Foi com o objetivo de chamar a atenção desse público para as narrativas bíblicas que a igreja desenvolveu o aplicativo 18 Histórias. Disponível para os sistemas operacionais Android e iOS, e com versões em português e espanhol, a ferramenta explica o plano da redenção em 18 episódios que retratam personagens clássicos como Abraão e Isaque, Davi e Golias.

O pastor Rafael Rossi, diretor executivo do projeto, afirma que os episódios sintetizam os principais fundamentos da fé cristã. “Foram escolhidas histórias que resumem as doutrinas bíblicas desde a criação até a futura recriação, ou seja, a volta de Jesus”, ele complementa.

A ideia de usar um aplicativo para dispositivos móveis como meio de apresentar o conteúdo bíblico aos jovens e adolescentes que costumam estar sempre conectados nasceu em 2015. “Começamos a pensar em estratégias que falassem a linguagem deles. Em meio a muitas propostas, o aplicativo foi visto como a ferramenta mais plausível para alcançar esse público”, conta o pastor Helder Roger, um dos co-criadores da ferramenta.

“É um jeito bem diferente de contar as histórias da Bíblia. É como se fosse a evolução daqueles livros ilustrados para crianças. Gostei bastante e acho que vai mudar minha maneira de ver a Palavra de Deus. E melhor: agora está no meu celular”, avalia o estudante Brunno Yamane, de 18 anos.

CONECTIVIDADE E INTERATIVIDADE

Pastor Rafael Rossi apresenta o programa Digital Week. Evento incentivou o uso do aplicativo. Foto: Elkeane Aragão

Além de permitir que o público tenha uma experiência interativa com as imagens, o aplicativo foi programado para conectar o usuário a um instrutor que tira as dúvidas a respeito das histórias. “Os instrutores serão, em maioria, jovens treinados para responder às perguntas e oferecer mais subsídio para o internauta”, o pastor Rossi explica. Os bate-papos não serão em tempo real. No entanto, a ideia é que as respostas sejam enviadas em um curto período de tempo.

A fim de incentivar o uso do aplicativo, a sede sul-americana da igreja promoveu a Digital Week 18 ­Histórias nos dias 19 e 22 de setembro. O programa foi dividido em três blocos diários. Os encontros começaram com um jogo interativo em que apresentadores faziam perguntas ao público. Em seguida, o personagem infantil Pedrito levou as crianças a meditar nas histórias. Para encerrar, quatro narrativas foram apresentadas pelo pastor Rafael Rossi.

“Cada bloco foi feito para atrair e atingir um grupo de usuários. Desta forma, procuramos alcançar adolescentes, jovens, crianças e familiares”, contou o diretor de estratégias digitais do evento, Carlos Magalhães. O profissional reconhece que, entre as inúmeras ofertas digitais, é grande o desafio de atrair o público. “Temos uma fração de tempo para oferecer algo que traga a pessoa para mais perto de Deus. Se isso tem sentido, ele gasta tempo ou se programa para ver depois. Se não tem, para de assistir ou de usar o que oferecemos”, conclui Magalhães.

ALINE DO VALLE é jornalista e trabalha na assessoria de comunicação da sede sul-americana da Igreja Adventista

(Matéria publicada originalmente na edição de outubro de 2017 da Revista Adventista)

Veja também

Legado profético

O primeiro Centro de Pesquisas Ellen G. White do Brasil completa 30 anos. O desafio hoje é ir além do meio acadêmico e criar iniciativas que popularizem nas igrejas locais os escritos da pioneira.