Referência nacional

Hospital Adventista do Pênfigo oferece atendimento gratuito para o fogo selvagem, que, apesar de ser quase desconhecido, ainda faz vítimas no Brasil
Crédito: HAP

A maioria das pessoas não sabe por que o Hospital Adventista do Pênfigo (HAP) recebeu esse nome há quase 70 anos. Essa é uma história que começou com amor incondicional e se manteve com voluntariado e doações.

O início de tudo remonta à década de 1940, quando Áurea, esposa do pastor Alfredo Barbosa, contraiu a doença. Na época, o casal deixou a cidade de Corumbá (MS) em busca de tratamento. O livro O Tempo Não Apagou, de Don Christman, narra a saga de Alfredo para descobrir qual era a doença e sua luta incessante para salvar a vida da esposa. A obra conta também como providencialmente Albert Schiaveto conheceu Isidoro Jamar, criador da fórmula que ajudou milhares de pessoas a controlar o fogo selvagem.

Com a recuperação da esposa, o pastor Alfredo voluntariamente começou a ajudar outras pessoas. Assim se espalhou rapidamente por Campo Grande e região a notícia de que os adventistas ofereciam ajuda para esses enfermos, a ponto de doentes serem praticamente despejados em frente à Igreja Adventista Central da cidade. Dessa forma, em 1949 houve a necessidade de fundar uma instituição que conduzisse esse processo.

O pênfigo foliáceo endêmico, como é chamado cientificamente, é uma doença autoimune que se manifesta com o aparecimento de bolhas na pele, especialmente nas áreas mais expostas ao sol. “As estruturas que fixam células da pele são afetadas funcionalmente e se desorganizam. Isso leva à formação de feridas e bolhas que, depois, descamam como folhas e se tornam a porta de entrada de infecções. Por isso, esse tipo de pênfigo é chamado de foliáceo”, explica o dermatologista Gerson Trevilato.

Além de muito dolorosa, se não for tratada em tempo, a doença evolui com infecção secundária generalizada, levando, em alguns casos, à morte. As causas da enfermidade incluem fatores genéticos e ambientais ainda não totalmente esclarecidos. A hipótese científica mais aceita atualmente é de que o fator ambiental mais provável seja um inseto que se alimenta de sangue do ser humano e que, ao picar uma pessoa que possua base genética apropriada para isso, pode se desenvolver o pênfigo.

A dona de casa J. D. A., de 32 anos, foi diagnosticada com pênfigo foliáceo e precisa ser internada no HAP toda vez que seu quadro piora. “Tenho que tomar banho duas vezes ao dia porque o odor é muito forte”, revela. Para pessoas nessas condições, um simples banho pode ser extremamente doloroso, já que a pele se torna bastante sensível.

Além da dor física, muitos portadores do fogo selvagem sofrem preconceito, pois as feridas espalhadas pelo corpo assustam as pessoas e as deixam com medo de ser contaminadas. Entretanto, Trevilato esclarece que a doença não é contagiosa.

REFERÊNCIA NO PAÍS

Com duas unidades em Campo Grande (MS), o Hospital Adventista do Pênfigo é uma referência na área dermatológica. A instituição já recebeu pacientes de todo o Brasil, bem como de países vizinhos, da Europa e até da Índia. Para auxiliar aqueles que buscam controlar os sintomas do fogo selvagem, o HAP utiliza como apoio ao tratamento convencional a hidroterapia e a dietoterapia ovolactovegetariana. Por ser uma doença autoimune, ela não tem cura, mas pode ser controlada.

Mantida com o apoio da igreja, essa instituição filantrópica atende gratuitamente pacientes de pênfigo foliáceo, sem condições financeiras. Assim, há 68 anos o hospital continua sua missão de tratar as feridas da pele e da alma.

CHARLISE ALVES é assessora de comunicação do Hospital Adventista do Pênfigo

(Publicada originalmente na edição de outubro de 2017 da Revista Adventista)

Veja também

Projetos humanitários

Conheça algumas iniciativas da ADRA que têm ajudado a promover o desenvolvimento social e econômico em países africanos e asiáticos. 

  • Moyses Dantas Barboza

    Sim, o HAP foi referência internacional no tratamento do Pênfigo. Restabelecendo a vida e a saúde a tantas pessoas.