Guiado pela Bíblia

A história do jovem inconformado com sua religião que descobriu por meio das Escrituras um novo caminho
Foi a pregação bíblica de um culto de quarta-feira à noite na Igreja das Mangueiras, em Tatuí (SP), que serviu de resposta para a busca espiritual de Dênis. Crédito: William de Moraes

A 4ª edição da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, divulgada em 2016, mostrou que a Bíblia continua sendo a obra mais lida no país. No entanto, apesar da popularidade do livro sagrado em nossos dias, a maioria de seus leitores parece ter contato esporádico e superficial com ele. Nos Estados Unidos, por exemplo, somente 22% das pessoas leem sistematicamente as Escrituras todos os dias, de acordo com um levantamento recente da LifeWay Research.

A história de Dênis da Mota Silveira surpreende justamente por ir na contramão da tendência atual. Nascido em Tatuí (SP), ele foi educado em um lar cristão, se tornou pastor e líder regional de uma denominação evangélica, mas, como Lutero, em certo momento de sua trajetória Dênis passou a questionar algumas de suas crenças que estavam em conflito com a Bíblia.

Além do partidarismo político, questões como a manifestação de línguas estranhas na igreja o incomodavam. Dúvidas que o levaram a estudar a Bíblia com mais dedicação. Nessa busca, o jovem descobriu, por exemplo, que o texto de Atos 2 deixava claro que os discípulos haviam sido capacitados para falar em vários idiomas a fim de alcançar pessoas de diversas nações que estavam reunidas em Jerusalém. Isso concorda com passagens como a de 1 Coríntios 12:7, em que está escrito que os dons são concedidos para “um fim proveitoso”.

A Bíblia era a mesma, mas ele começou a lê-la com outras lentes. Juntamente com a esposa, Rose, o jovem passou aproximadamente oito meses estudando o livro sagrado sob a guia Daquele que inspirou seus autores. “Já tinha lido a Bíblia várias vezes, mas sem entender o significado de textos bíblicos que agora me parecem tão lógicos! O Espírito Santo tornou tudo mais claro e as coisas passaram a ter sentido. Como no caso de Paulo, as escamas começaram a cair de meus olhos a fim de que enxergasse a verdade”, ele afirma.

Diante do que descobriu na Palavra de Deus, o casal começou a conversar sobre qual caminho deveria seguir. O primeiro contato com o adventismo aconteceu pouco tempo depois. Dênis e Rose costumavam passar com frequência pela avenida da Igreja Adventista das Mangueiras, no centro de Tatuí. Certo dia, ela pediu que o marido parasse o carro em frente ao templo a fim de poder ver o horário dos cultos.

Por insistência da esposa, que estava decidida a mudar de denominação, Dênis entrou pela primeira vez no templo numa quarta-feira à noite. O ambiente tranquilo e as músicas mais intimistas se distanciavam da euforia pentecostal a que estava acostumado. Isso lhe causou uma boa impressão. Porém, o que mais o impressionou foi o sermão proferido naquela noite. Simples, mas bíblico; restaurador, sem cair no emocionalismo; racional, mas não frio. Seu conteúdo apelou à razão ao mesmo tempo que confortou a alma e foi sensível às necessidades humanas.

“O que chamou minha atenção foi a ênfase puramente bíblica e a clareza com que textos e contextos foram apresentados, não deixando espaço para achismos ou conjecturas do pregador”, Dênis completa, ressaltando como foi importante para ele se deparar naquela ocasião com uma interpretação equilibrada das Escrituras.

Assim, antes que ele conhecesse a TV Novo Tempo e passasse a acompanhar sua grade de programação; antes que fosse influenciado pelo testemunho pessoal ou recebesse estudos bíblicos, foi primeiramente um culto de quarta-feira com uma pregação bíblica que lhe serviu de porta de entrada para a igreja.

A história do casal batizado em abril mostra que há muitas pessoas sinceras em busca da verdade; que aqueles que estudam a Bíblia com o coração aberto encontram respostas; que nossa pregação deve continuar sendo centralizada nas Escrituras; e que não podemos perder a identidade de povo da Bíblia.

MÁRCIO TONETTI é editor associado da Revista Adventista

Veja também

Projetos humanitários

Conheça algumas iniciativas da ADRA que têm ajudado a promover o desenvolvimento social e econômico em países africanos e asiáticos.