Clássica e moderna

Lançada em novembro, Nova Almeida Atualizada chega aos leitores numa linguagem mais compreensível, mas sem perder características que a tornaram uma das traduções mais lidas pelos cristãos brasileiros
Fernando Dias
Revisão mais profunda da Bíblia de João Ferreira de Almeida levou quatro anos para ser concluída. Foto: William de Moraes

“O senhor entende o que está lendo?” É dessa maneira simples e compreensível que o texto da Nova Almeida Atualizada (NAA), versão das Escrituras preparada pela Sociedade Bíblica do Brasil (SBB) e disponível desde o dia 8 de novembro, apresenta a indagação do evangelista Filipe ao oficial etíope, registrada em Atos 8:30. Obter uma resposta positiva a essa pergunta da parte de qualquer leitor brasileiro foi o objetivo da SBB ao atualizar a tradução da Bíblia que João Ferreira de Almeida fez há mais de 300 anos. Com a preocupação de apresentar um texto moderno e de leitura fácil, mas que preservasse estilo e termos consagrados pela versão clássica de Almeida, o propósito da Comissão Revisora, segundo o consultor Vilson Scholz, foi que o leitor pudesse dizer: “Isso é Almeida, e isso eu entendo!”

Após quatro anos de trabalho e depois da consulta e colaboração de especialistas no texto bíblico e na língua portuguesa, bem como da apreciação por representantes de diversas denominações cristãs, entre elas a Igreja Adventista, a mais profunda revisão do texto de Almeida desde 1959 foi finalmente publicada. O motivo foi tornar o texto de Almeida, adotado pela maioria das igrejas brasileiras, atual e compreensível. Em outras palavras, o leitor terá uma Bíblia fácil de ler, mas não estranhará as passagens bíblicas que conhece de memória. A versão foi produzida segundo os critérios da tradução formal, que procura preservar, além do sentido da mensagem, o estilo do original. Outra vantagem é que essa é a primeira versão em português a incorporar as mais recentes descobertas da pesquisa em torno dos manuscritos bíblicos.

As mudanças mais visíveis são a substituição, exceto quando o interlocutor se dirige a Deus, da segunda pessoa do discurso (“tu” e “vós”) e respectivas flexões verbais pelas formas de tratamento “você”, “vocês”, “o senhor”, “a senhora”, bem mais comuns no português coloquial. As palavras estão colocadas na frase na ordem direta da língua portuguesa, e não na ordem em que aparecem nos textos grego e hebraico (“Jesus entrou”, em vez de “entrou Jesus”, em Marcos 2:1). Mesóclises, como “louvar-Te-ei” (Sl 9:1), foram transformadas em construções mais naturais no português brasileiro (“eu Te louvarei”). Novidades gráficas são a disposição do texto em parágrafos e das falas após o travessão.

Além de maior clareza do texto, várias traduções imprecisas encontradas na Almeida Revista e Atualizada (ARA) foram corrigidas na Nova Almeida. Um exemplo é Hebreus 9:12. Na ARA, a passagem traz “Santo dos Santos”, enquanto na Nova Almeida está corrigido para “Santuário”, termo mais condizente com o original grego. Da mesma forma, expressões consagradas nos estudos bíblicos adventistas como “Espírito de profecia”, “testemunho de Jesus” e “dia do Senhor” (Ap 1:10) estão preservadas na Nova Almeida.

Novas versões bíblicas confiáveis sempre foram valorizadas pelos adventistas. Na década de 1880, enquanto a English Revised Version era preparada, William C. White conversou sobre o assunto com sua mãe, Ellen G. White, que o fez ver as vantagens de uma versão bíblica mais moderna, fiel aos originais e preparada por uma comissão interdenominacional. Segundo pesquisa feita por Arthur L. White sobre as versões da Bíblia usadas por sua avó, Ellen White sempre adotava o uso de versões bíblicas modernas e revisadas à luz das descobertas arqueológicas tão logo eram publicadas pelas sociedades bíblicas (“The E. G. White Counsel on Versions of the Bible”, disponível whiteestate.org).

A Nova Almeida soma-se às cerca de 30 versões bíblicas em circulação no Brasil para ser mais uma opção para a leitura diária da Palavra de Deus e para o crescimento espiritual de Seu povo. A Bíblia Nova Almeida encontra-se disponível no site sbb.com.br e pode ser consultada pelos aplicativos Biblia.Plus e YouVersion.

FERNANDO DIAS é pastor e editor de livros na CPB

(Texto publicado originalmente na edição de dezembro de 2017 da Revista Adventista)

Veja também

A Bíblia para todas as tribos

Sede da igreja no sul do Brasil produz estudos bíblicos segmentados a fim de contextualizar o evangelho para diferentes públicos.

  • Cleverson Redi do Lago

    Olá, pastor e amigo Fernando. Foi bom ter lido sua análise sobre esta versão bíblica, pois me repassou muita segurança em adquirir esta versão. Um amigo teólogo chamado Geraldo Marques encontrou muitos erros doutrinários na versão da Linguagem de Hoje e está escrevendo um livro sobre eles. Obrigado e um abraço.