Colhendo e semeando

Semana evangelística sul-americana mobiliza membros, líderes e servidores da igreja em milhares de pontos de pregação
Felipe Lemos
A Igreja Adventista de Águas Claras (DF) foi um dos 30 mil pontos de pregação espalhados por oito países do continente. A série evangelística nessa comunidade foi realizada pelo pastor Erton Köhler. Foto: Alynne Grellmann

Promovido anualmente no território sul-americano, o evangelismo de colheita tem levado membros, líderes e servidores da igreja a se revezarem no púlpito das igrejas, salões e ginásios com o objetivo de apresentar a mensagem adventista e influenciar pessoas ao batismo.

A campanha deste ano foi inspirada no livro O Poder da Esperança, literatura que será distribuída em oito países do continente no próximo ano. Por isso, na maioria dos lugares, as pregações foram embasadas no tema da obra: a saúde mental.

Foi num momento de depressão que Tereza de Jesus Teixeira, batizada durante a semana de evangelismo, conheceu a TV Novo Tempo. Mudando de canal aleatoriamente, ela se deparou com o programa Está Escrito, apresentado pelo pastor Ivan Saraiva. “Eu tinha problema de insônia. Então, colocava os vídeos do pastor Ivan Saraiva no celular e assistia um atrás do outro. Passava a noite assistindo. Essas mensagens me fizeram muito bem e me ajudaram a sair da depressão”, relembra.

Com o tempo, Tereza sentiu a necessidade de procurar uma congregação adventista. Mesmo não conhecendo nenhum membro da denominação, em uma quarta-feira ela compareceu ao culto da Igreja Adventista de Jardim Curitiba, em Colombo (PR). Fez amizades e passou a frequentar a comunidade. “Eu já fui a várias igrejas e fiquei decepcionada. Porém, na Igreja Adventista eu me senti bem porque é uma denominação séria”, afirma. Tereza não perdeu uma noite da semana especial e, inclusive, convidou a filha para acompanhá-la.

Frutos da Missão Calebe também foram colhidos no evangelismo deste ano. Depois de participarem do projeto nas férias de julho, Jennefer, de 16 anos, e Pedro de Castro, de 14, voltaram decididos a continuar compartilhando o evangelho. Juntos, convidaram ­Hyatalla Batista, uma colega de classe, para participar do clube de desbravadores e começaram a estudar a Bíblia com ela. Após alguns meses frequentando a igreja e estudando a Bíblia, Hyatalla ficou sabendo da semana especial que aconteceria na Igreja Adventista do Parque Nova Friburgo, na Cidade Ocidental (GO). No sábado (18 de novembro), primeiro dia do evento, a garota selou seu compromisso com Cristo por meio do batismo.

Em alguns pontos de pregação, o alcance da mensagem foi ampliado pelos meios de comunicação digitais. Na Igreja Adventista de Águas Claras, cidade satélite do Distrito Federal, o orador foi o pastor Erton Köhler, líder da igreja na América do Sul. Seus sermões foram transmitidos pelo Facebook, YouTube e Instagram. Numa das redes sociais, registrou-se um pico de mais de 600 equipamentos conectados simultaneamente em uma das noites da semana de colheita. Os vídeos chegaram até mesmo à cidade de Bannach, município do interior do Pará com aproximadamente 3 mil habitantes. Apesar da conexão limitada com a internet, uma igreja local fez o download das transmissões para compartilhar a mensagem com cerca de 50 pessoas da comunidade.

Ênfase no discipulado

O pastor Luís Gonçalves, evangelista da Divisão Sul-Americana e coordenador do movimento da Semana de Colheita 2017, ressalta dois aspectos importantes da programação. O primeiro deles está relacionado ao fato de centenas de pregadores e pastores se movimentarem para expor a Bíblia durante uma semana. “Isso se torna um ponto importante para a própria caminhada espiritual de quem se envolve”, realça. Além disso, ele considera que o evento é uma oportunidade de decisão pelo batismo para quem já assiste aos cultos, participa de encontros em pequenos grupos e estuda a Bíblia.

O pastor Everon Donato, líder de Ministério Pessoal para a igreja na América do Sul, acrescenta que, em alguns locais, os recém-batizados têm recebido uma espécie de Declaração de Compromisso. Nesse certificado, eles se comprometem a ser discípulos e a manter contato com uma pessoa que atua como discipuladora. “Queremos membros totalmente envolvidos na missão, que sejam e façam discípulos”, destaca.

FELIPE LEMOS é jornalista e coordena a assessoria de comunicação da sede sul-americana da igreja (com informações de Jéssica Guidolin e Jenny Vieira)

(Texto publicado originalmente na edição de dezembro de 2017 da Revista Adventista)

Veja também

Raízes da nossa história

Saiba o que um pastor descobriu sobre a chegada do adventismo ao país pesquisando em …