Resgate e apoio

Deus formou a igreja para que haja encontro, contato e integração
Foto: DSA / Lightstock

Discipulado! Por favor, não se canse de ouvir esta palavra, mas procure compreendê-la melhor e aplicar corretamente seu significado. Afinal, ela está sendo repetida por pastores e líderes, seu conceito está em artigos, sermões, vídeos e livros e sua ênfase aparece em projetos, programas e planos. Você já entendeu por que estamos colocando tanta força nesta palavra e em sua aplicação na vida da igreja?

Antes, porém, é importante entender de forma prática o que é discipulado. Há muitas definições teológicas, filosóficas ou sociológicas, mas prefiro adotar um conceito simples e fácil de ser compreendido por qualquer um: discipulado é “gente cuidando de gente” para se aprofundar em comunhão, relacionamento e missão.

A Bíblia é nossa base e sua mensagem é nossa bússola, mas sua ênfase está em pessoas. A essência do evangelho mostra que Cristo veio ao mundo para “buscar e salvar o perdido” (Lc 19:10). Seu ministério foi usado para resgatar as pessoas e cuidar delas. Em toda a Revelação o centro é Cristo, mas o foco são as pessoas. Jesus veio por causa das pessoas, morreu pelas pessoas e voltará para levar apenas pessoas para o Céu. Nesse mesmo raciocínio, o discipulado é a oportunidade de resgatar pessoas e oferecer-lhes o apoio necessário. Esse é o papel da igreja como comunidade.

Em primeiro lugar, buscamos resgatar um discipulado que, no passado, acontecia de maneira mais natural. As pessoas tinham mais tempo, as famílias eram mais unidas, a vida espiritual era mais forte, a sociedade era mais inocente, a força da tecnologia era irrelevante e as pessoas eram mais comprometidas. Por isso, perdíamos menos gente e cuidávamos melhor daqueles que estavam conosco. Os tempos mudaram e hoje as pessoas estão distantes, ocupadas, sufocadas por seus próprios interesses, afetadas por uma sociedade egoísta e perversa, influenciadas por relações virtuais e superficiais. Precisamos resgatar relacionamentos genuínos e cuidado pessoal para que haja um crescimento espiritual mais sólido.

Precisamos resgatar também o ministério pastoral, pois o foco nas tarefas tem empobrecido a visão de ministério. Há tantas coisas para fazer, problemas para resolver, materiais para preparar e tarefas para executar que, por fim, o cuidado das pessoas se torna secundário. Absorvidos por suas tarefas, muitos pastores encontram sua igreja apenas nos cultos, deixando de construir relacionamentos mais profundos. O resultado é uma comunidade que se enfraquece e um ministério que acaba perdendo o brilho nos olhos e o fogo no coração.

Ao mesmo tempo, discipulado é apoio. Afinal, as maiores carências hoje são emocionais. Não nos faltam bons programas, excelentes edifícios, planos bem elaborados ou produções destacadas. Mas tudo isso perde o efeito sem relacionamentos mais profundos. As pessoas vêm primeiro para uma família e depois para uma igreja. E saem, em sua maioria, não porque discordem da mensagem, mas porque não foram acolhidas. Estão em busca de um lugar em que possam ter valor e experimentar amor genuíno, onde a Bíblia não seja apenas ensinada, mas especialmente praticada.

Discipulado também é apoio na luta contra a fúria do inimigo. Nos últimos dias, suas tentações e provações serão tão sutis e violentas que, se não nos ajudarmos uns aos outros, poucos irão resistir. Deus está no comando e nosso sustento vem do Senhor, mas Ele usa pessoas para cuidar, ajudar, amar e proteger outras pessoas. Por isso, formou a igreja para que haja encontro, toque, integração e apoio mútuo.

Discipulado também é apoio no cumprimento da missão. Rádio, TV, internet, DVDs ou livros são instrumentos preciosos, mas é no contato pessoal que as pessoas decidem fazer parte da família do Senhor. Assim, que tal fazer planos de começar o novo ano trazendo mais pessoas para dentro de sua vida? Esteja certo de que, apoiando outros, você terminará sendo fortalecido e chegaremos juntos ao Céu.

ERTON KÖHLER é presidente da Igreja Adventista para a América do Sul

(Artigo publicado originalmente na edição de dezembro de 2017 da Revista Adventista)

Veja também

Igreja responde dúvidas sobre documento de conformidade

Diretrizes de como lidar com instituições que não estiverem em conformidade com a Igreja Adventista mundial foram aprovadas nesta semana em reunião administrativa nos EUA.