Caminho a Cristo

A mulher que descobriu sozinha a mensagem adventista lendo a Bíblia e um livro de Ellen G. White
Ariane M. Oliveira
O contato com a Bíblia mudou a mulher vaidosa, de temperamento forte e sem papas na língua. Foto: William de Moraes

“Você estará no grupo de catequisação da comunidade?” Foi a partir dessa pergunta que a vida da capixaba Maria Aparecida Módolo começou a mudar. Aparecida até tinha Bíblias abertas nos salmos 23 e 91 em casa, mas nunca havia se interessado pela leitura da Palavra de Deus. “Como vamos evangelizar, se não conhecemos a Bíblia? Seremos cegos guiando outros cegos!” Foi assim que, com seu jeito direto, ela respondeu ao convite.

Essa situação acabou despertando nela o desejo de conhecer a Deus. Naquela madrugada, em lágrimas, ao abrir a Bíblia que havia ganhado do padre, ela começou a entender que as Escrituras são o caminho a Cristo. O contato com a Palavra mudou a mulher vaidosa, de temperamento forte e sem papas na língua. Maria passou a praticar e pregar o que aprendia. Foi por isso que os líderes de sua antiga denominação a repreenderam por ensinar “igual aos crentes”, atitude que serviu de gota d’água para que ela deixasse aquela comunidade e continuasse sua busca por Deus sozinha.

Por causa da sua mudança de comportamento não faltaram convites para que visitasse outras igrejas. Porém, ela preferiu esperar para decobrir por meio da Bíblia qual era o caminho verdadeiro. Seu compromisso pessoal de viver o que lia na Palavra a levou a abrir mão de vender alguns itens em seu movimentado comércio de produtos alimentícios em Cariacica (ES).

Certo dia, entrou em seu estabelecimento um homem distinto, que percebeu Maria estudando a Bíblia e perguntou se ela era cristã. “Não tenho religião”, respondeu ela. “Você vai ser adventista do sétimo dia”, disse de forma enfática o homem, que ela descobriu posteriormente ser o pastor adventista local. “Se for a verdade, eu serei”, completou a comerciante.

Foi então que o ministro ­deixou com ela duas séries de estudos bíblicos, material que Maria respondeu em uma semana. Com receio de ser incompreendida pela família, Maria começou a frequentar a igreja adventista em segredo. Até que, numa sexta-feira, uma amiga evangélica disse algo que abalou suas certezas. “Você vai sair de uma idolatria e cair em outra. Os adventistas idolatram Ellen White.”

No sábado pela manhã, Maria foi à igreja. Naquele dia o pregador levou vários livros de Ellen White para o púlpito, mas sequer abriu a Bíblia. Maria saiu de lá se questionando se não seria verdade o que havia ouvido sobre o adventismo. Novamente ela orou fervorosamente a Deus pedindo respostas.

Na manhã seguinte, no meio dos escombros de uma obra no quintal da sua casa, ela encontrou o livro Caminho a Cristo, de Ellen White. O livro estava velho e com várias partes grifadas. Maria ainda não sabe como aquele livro foi parar ali, mas a leitura dele lhe trouxe conforto por confirmar a mensagem da Bíblia.

Maria foi batizada e três meses depois seu esposo e os dois filhos também. Passados 22 anos, centenas de pessoas foram evangelizadas e uma grande igreja estabelecida com a ajuda dela. Maria continua firme no caminho da fé, vivendo para que por meio dela outros também encontrem Cristo.

ARIANE M. OLIVEIRA é graduada em Pedagogia, autora e editora de livros infantojuvenis na CPB

(Matéria publicada originalmente na edição de janeiro de 2018)

Veja também

Conteúdo sob demanda

Gerente de Web da Novo Tempo fala sobre plataforma de áudios e vídeos que vai ajudar a igreja a entender melhor seu público na internet.

  • Joel Marcondes

    Conheci um pregador pentecostal que usa o Caminho a Cristo para preparar seus sermões.Estudei a Bíblica com uma mulher que hoje frequenta a Congregação Cristã e tem o Caminho a Cristo (lhe presentei) como livro de cabeceira e o lê todas as noites.