Cuidar de quem cuida

Programa de gestão de pessoas transforma Hospital Adventista de Manaus na 6ª melhor instituição de saúde para se trabalhar no Brasil
Tatiane Virmes
Dez funcionários participaram do programa de reeducação do estilo de vida. Ao centro, Débora Vidal, vencedora do primeiro ciclo, e Gideon Basílio, diretor-geral do HAM. Foto: Divulgação

O índice de profissionais estressados, sedentários e com sobrepeso tem crescido no Brasil. É o que mostrou, por exemplo, uma pesquisa divulgada em 2016 pelo plano de saúde Sul­América com 40 mil trabalhadores de dez capitais brasileiras. O levantamento também apontou que o modo de se conduzir a carreira profissional tem influência direta na própria saúde.

A pesquisa indicou que o sedentarismo é o problema mais recorrente e que, ironicamente, os profissionais de saúde são os menos ativos. Até há poucos meses, Débora Vidal se encaixava bem nessas estatísticas. A técnica de laboratório do Hospital Adventista de Manaus (HAM) confessa que até gostava de praticar vôlei, mas com a rotina agitada no trabalho acabou se descuidando e adotando um estilo de vida que lhe rendeu hipertensão, sobrepeso, diabetes e colesterol e triglicerídeos alterados.

A história dela começou a mudar quando a empresa em que ela trabalha decidiu priorizar a humanização no ambiente de trabalho. Segundo Eliane Basílio, coordenadora do departamento de Gestão de Pessoas do HAM, uma nova ênfase foi implementada na instituição com base no fortalecimento da missão, valores e protocolos organizacionais, desenvolvimento profissional e qualidade de vida.

No ano passado, quando o médico do trabalho do HAM fazia o acompanhamento da saúde dos colaboradores do hospital, os exames laboratoriais mostraram índices alarmantes de alguns funcionários. Por isso, dez deles foram selecionados para participar de um projeto-­piloto de reeducação de estilo de vida com abordagem multidisciplinar. Durante seis meses os participantes tiveram uma rotina semanal diferenciada, envolvendo atividades espirituais, acompanhamento psicológico e nutricional, além de um programa de exercícios físicos.

Débora foi a vencedora dessa primeira temporada do programa. “Perdi 27 quilos em seis meses, e tudo mudou na minha vida. Agradeço imensamente ao hospital pela oportunidade de mudar nosso estilo de vida”, reconhece. Foi por essa e outras iniciativas que o HAM ficou em primeiro lugar na categoria gestão de pessoas do prêmio “Referências da Saúde’’. A instituição também foi classificada como a 6ª melhor na área de saúde para se trabalhar no Brasil, segundo a consultoria norte-americana Great Place to Work, que há quase 30 anos divulga um ranking que envolve corporações de mais de 50 países.

“Estar entre as melhores instituições de saúde para se trabalhar no Brasil é resultado não só do esforço de uma equipe multidisciplinar, mas, acima de tudo, do favor de Deus. Todas as vezes que procuramos ressaltar os princípios bíblicos de saúde e cuidado do próximo, Deus estará à frente”, conclui Gideon Basílio, diretor-geral do hospital.

TATIANE VIRMES é jornalista

(Publicada na edição de fevereiro de 2018 da Revista Adventista)

Veja também

No casamento real

Veja qual foi a participação de dois adventistas na cerimônia matrimonial do príncipe Harry e Meghan Markle.

  • Mark B Gomes

    Que maravilha! Case deixa claríssimo que quando caminhamos na direção que Deus tem mostrado e vivemos sob os princípios de saúde, as bênçãos certamente virão! Deus seja louvado pelos corajosos líderes do HAM!