O sepulcro vazio

Saiba por que a ressurreição de Jesus é fundamental para seu futuro
Marcos De Benedicto
Crédito da imagem: Fotolia

Quando lemos um livro ou assistimos a um filme, torcemos para que o herói seja o vencedor e a história tenha um final feliz. Os bons roteiros sempre apostam nessa fórmula porque ela corresponde à lógica do instinto, ao padrão de valores e ao senso de justiça da maioria. Seria um anticlímax o herói morrer sem um propósito maior e sem esperança de retorno. O roteiro da vida perfeita de Jesus também não poderia terminar no sepulcro, nem o sonho que Ele anunciou ficar preso numa tumba. Porém, a ressurreição do Salvador foi incluída na história não apenas para atender aos cânones da ficção, pois as razões teológicas e os significados existenciais desse evento central da mensagem cristã transcendem a imaginação do melhor roteirista.

Por ser tão fundamental, a historicidade da ressurreição é frequentemente atacada pelos céticos. Mas não há como contestar os documentos do Novo Testamento. O testemunho de todos é unânime: Jesus morreu e voltou a viver, como disse que aconteceria (Mc 8:31; 9:31; 10:34; Jo 2:19). Se os primeiros cristãos não acreditassem na ressurreição, eles não teriam sido transformados e não mudariam o mundo, como indica a matéria de capa desta edição. Para eles, a ressurreição é um fato, não um mito nem uma ilusão. Por isso, Paulo disse que, se tirarmos a ressurreição e a garantia de vida eterna do cristianismo, nossa fé se tornará inútil (1Co 15:13-17). Quem não crê na ressurreição não pode crer em Jesus. Felizmente, a igreja cristã conhece bem sua história e o fundamento de sua fé.

A ressurreição de Jesus não foi apenas um fenômeno particular que ocorreu numa encruzilhada do planeta, numa curva do tempo, e ficou por isso mesmo. Amostra e garantia da ressurreição que vem pela frente, ela é um evento com reflexo no futuro da humanidade. A ressurreição é a validação da identidade de Jesus, a comprovação do poder de Cristo sobre a morte, o elemento diferenciador do Fundador do cristianismo, a evidência de que nossa fé não é vazia, o fim do salário do pecado, a vitória do bem sobre o mal, a reversão do axioma que torna todos em pó, a promessa de transformação num piscar de olhos, a certeza de glória após a humilhação, o motivo para voltar a sorrir depois de uma perda, um convite para olhar além das lágrimas.

Embora a morte seja o “último inimigo a ser destruído” (1Co 15:26), ela já foi vencida. Por isso, Paulo menciona a “graça que nos foi dada em Cristo Jesus, antes dos tempos eternos, e manifestada, agora, pelo aparecimento de nosso Salvador Cristo Jesus, o qual não só destruiu a morte, como trouxe à luz a vida e a imortalidade, mediante o evangelho” (2Tm 1:9b-10). No pensamento do apóstolo, permeado pelo conceito de duas eras (já e ainda não, ou era presente e era futura), nós já pertencemos ao reino da vida e da imortalidade.

Jesus entrou no vale escuro da morte, mas saiu vitorioso, deixou para trás o túmulo vazio e tem transformado a existência de milhões de pessoas com a promessa da ressurreição. Ele pode ressuscitar você também – no sentido literal e metafórico. Se você está morto em suas emoções, sonhos e propósitos, saiba que o Jesus que derrotou o reino da morte pode devolver-lhe a vida!

MARCOS DE BENEDICTO é editor da Revista Adventista

(Editorial da edição de abril de 2018)

Veja também

Pesquisadora premiada

Professora da Universidade de Loma Linda recebe 3,7 milhões de dólares em verbas para financiamento de estudos relacionados à prevenção de doenças do coração.